Sábado, 3 de Dezembro de 2011

Anterbençon ne l salimiento de LS QUATRO EIBANGEILHOS (Miranda)

 

Anterbençon ne l salimiento de

LS QUATRO EIBANGEILHOS

na Sé Catedral de Miranda de l Douro

 

 

Buonas tardes

 

Bou-bos a falar ne l mirandés a la moda de Sendin, puis fui esse que mius pais me ansinórun a falar. I an toda la riqueza de modos de falar mirandés que tenemos, an todos mos antendemos. Assi, este testo aporbeita la facelidade dada pula 1.ª Adenda a la Cumbençon Ourtográfica de la Lhéngua Mirandesa, de screbir «l-» an apeço de palabra an beç de «lh-».

 

 

1. Bien háiades por haberdes benido. Ye ua honra para mi la buossa perséncia, mirandesas i mirandeses. Ye a bós que saludo antes de mais. A bós ardeiros de ls miles i miles de mirandeses çcoincidos, anónimos, que traírun la nuossa léngua até a nós. I fago-lo nesta amponente catedral adonde solo se falou mirandés quando ls oubreiros la fazírun bai yá para quaije quenhientos anhos. Zdende sabemos que l mirandés nun antraba na eigreijas. Mas hoije eiqui stamos i se outras rezones nun houbira, que las hai, este serie un die mimorable.

 

2. Deixai me cuntar-bos ua cuonta, que se passou de berdade i faç parte de la nuossa stória. Hai arrimado a quatrocientos i cinquenta anhos, l treceiro bispo de Miranda (1560-1570), l senhor D. Julião d’Alva, publicou uas Custituiçones para séren respeitadas na sue diocese, an que todo mundo tenie que saber de cor i dezir las percipales ouraçones an pertués [em lingoagem, cumo se dezie naquel tiempo, puis inda nun era questume chamá-le pertués a essa outra nuossa léngua]. Esso benie dua eisigença de l Cuncílio de Trento, que aprobou l Catecismo que habie de ser eiditado an cada léngua. La eideia era que las pessonas soubíran la doutrina, de modo armano an todo l lado. Mas la berdade ye que zdende l mirandés deixou de poder antrar n’eigreija, solo se ousando nas ouraciones dezidas an casa. Cul tiempo las pessonas até parece que se cumbencírun que l mirandés nun era ua léngua de falar cun Dius. I esse fui talbeç l feito mais fuorte de menorizaçon de la léngua mirandesa, tamien ende fala charra, fala caçurra. Nós siempre ousemos la fala grabe ou fidalga para falar cula pessonas de baixo, las de fuora, ou las que sentiemos que stában loinge de nós. Tamien por esse lado Dius aparecie cumo alguien cun quien solo se falaba an fidalgo, an grabe, cumo alguien que staba loinge, alguien que nun pertencie a la nuossa quemunidade.

 

An 1999 you screbi un Manifesto por ua Léngua Marimunda, que ampeçaba assi:

Nuosso Senhor ye cumo ls de Miranda, nun fala mirandés.

Quando ũa léngua nun sirbe para rezar. Quando se dízen todos ls pecados a Dius, sin miedo, i se ten bergonha de rezar an mirandés. Quando ye assi, nun hai léngua que s’aguante. Parece que Dius, quando andubo pul mundo a daprender las lénguas, chegou eiqui i passou an zlado. You acho que lo zbiórun. Ye tiempo de Dius nun tener bergonha de falar an mirandés.

 

Hoije cuido que se puode ampeçar a ancerrar un ciclo na stória de l mirandés: D. Julião D’Alva botou l mirandés para fuora l’eigreija; D. José Cordeiro stá-lo a traier outra beç para andrento.

 

Por esso, ye cun ua grande eimoçon que bos saludo, Senhor Bispo pula buossa perséncia eiqui i pul mui fondo sentido que essa perséncia ten, que bai muito para alhá deste die i de todos nós ls que eiqui stamos. Saludo-bos pula buossa coraige, pul buosso sentido de la stória, pul buosso géstio tan amigo de ls mirandeses que, stou cumbencido, deiqui a outros quatrocientos i cinquenta anhos inda nun haberá sido squecido. Hai géstios que fázen stória, este ye un deilhes i qualesquiera outras palabras que you eiqui puoda dezir, seran poucas para çcrebir todo l sou sentido. Senhor bispo, bien háiades por este géstio que mos honra i que saberemos hounrar.

 

 

3. Para eiqui chegarmos houbo que criar cundiçones, i bien sabemos todos cumo fui i stá a ser defícele. Hai un ato fundador que eiqui quiero lembrar i tamien l grande mirandés que lo lebou palantre al fazer aprobar la lei que reconhece l mirandés cumo léngua oufecial. Stou a falar, yá antendistes, de Júlio Meirinhos a quien le debemos, a la par de muitos outros, que l mirandés ampeçasse um camino que lo lebou a que el fura berdadeiramente ua léngua fidalga an todos ls sentidos que essa palabra ten para nós: ua léngua de cultura, ua léngua de ansino, ua léngua de literatura, ua léngua de trabalho. Mas ye altura de lembrar i porclamar que ua léngua fidalga siempre l mirandés fui pui la berdadeira fidalgue ten l sou aliçace na denidade houmana de las pessonas que la fálan, ls mirandeses.

Esta cerimonha que eiqui se stá a passar ye un marco nessa caminada de fidalguie de la léngua mirandesa. Yá muitos anhos que eilha fui spulsa de las anstituiçones, séia de las anstituiçones de l stado i de las cámaras ou de la scuola seia de l’eigreija. I para adonde fui nestes seclos todos?

Als poucos, l mirandés ten stado a bolber a las anstituiçones. Bolbiu a la scuola, stá agora a bolber a l’eigreija, mas percisa tamien de antrar na Cámara i ne l Stado. A la par de l pertués que tamien ye ua nuossa léngua i gustamos muito de dambas a dues, cumo quien ten dous filhos. Ye esta caminada que ten de cuntinar, puis l mirandés nun tenerá feturo se nun fur tamien léngua de las bárias anstitutiçones, mas de modo sério i cun denidade.

 

 

4. Cun esta traduçon tube an bista oujetibos sclusibamente literários i culturales. Oujetibos literários porque se trata dun testo clássico de literatura que ben a acrecentar ls testos an literatura mirandesa i a lebar la léngua mirandesa a ajuntar-se als cientos de lénguas adonde la obra yá stá traduzida. Oujetibos culturales puis este ye un testo que cun que la giente de las tierras de Miranda cumbibe hai muito tiempo i que stá ne ls fundamentos de la nuossa cultura ou cebelizaçon chamada oucidental, a la par de outras obras tamien eissenciales, seia de la filosofie griega seia de outras paraiges.

 

Era perciso que Ls Quatro Eibangeilhos pudíran ser lidos an mirandés, cada pessona ou anstitutiçon le dando l uso que antenda mais al modo. Ye agora ampossible que alguien querga negar que la léngua mirandesa ye ua léngua de quemunicaçon para todos ls temas i oucasiones i tamien ua léngua de falar cun Dius.

 

 

5. Yá an testos que publiquei spliquei cumo fui l porcesso de traduçon. Ye hoije  sabido que l mirandés, assi cumo las outras lénguas de la familha stur-lionesa, ten la sue ourige ne l latin, habendo-se formado zde ls remanses que se fúrun acamando al largo de seclos na zona acupada puls pobos stures, nun purmeiro tiempo agarrando l bielho reino de Lion, se ende nun cuntarmos la zona galhega. Ls Quatro Eibangeilhos habien de haber sido traduzidos zde l oureginal griego, mas l miu saber de griego nun dá para tan largo tranco. Por esso se me pareciu natural agarrar cumo punto de salida l testo latino de la UULGATA, dado cumo sendo de San Jerónimo que, por pedido de l papa Dámaso I, haberá feito la traduçon ou al menos parte deilha, antre la fin de l seclo IV i ls ampeços de l seclo V. Esta traduçon latina fui oufecializada pul Cuncílio de Trento (1546), la chamada Uulgata Clementina. L Papa Paulo VI, apuis de l Cuncílio Baticano II, mandou reber esse testo, quedando la nuoba bersion acabada an 1979, que zdende quedou coincida cumo Noua Uulgata. Fui nesse testo que assentou esta mie traduçon, feita antre 2002 i 2004, bárias bezes rebista até al die an que passou a l’ampresson.

 

 

6. Na bibliografie mirandesa de la Bíblia quiero eiqui lembrar l pioneiro Bernardo Fernandes Monteiro, esse grande mirandés de la Pruoba, que fizo las purmeiras traduçones de Ls Quatro Eibangeilhos yá na fin de l seclo XIX, dibulgadas an parte por Manuel Ferreira Deusdado, por Trindade Coelho i por José Leite de Vasconcelos. Ye esse un grande mirandés squecido i quien ls sous cuorre peligro quanto al sou feturo. [Esta parte stórica fui muito mais zambolbida ouralmente]

 

 

7. Quiero le agradecer al senhor padre Basileu Pireç por haber aceitado l miu cumbite, el que ye falante de mirandés i que yá un die tube la honra de anterbistar pa la Fuolha Mirandesa. El repersenta eiqui muitos padres que nunca deixórun l sou mirandés, padres cun que l mirandés tan loige fui, cumo l abade Sardina de San Martino, l reitor Francisco Meirinhos de Abelanoso, l Padre António Maria Mourinho, L Padre Manuel Preto, l Padre Moisés Pires i tantos outros. [Esta parte fui zambolbida ouralmente, subretodo quanto al abade Manuol Sardina].

Bien háiades padre Basileu Pireç pul buosso teçtemunho, pula buossa amisade, eisemplo pa ls mirandeses.

 

 

8. Quiero le agradecer al Dr. Timóteo Cavaco, de la Sociedade Bíblica, l tener eiditado esta obra, tan guapa que quedou. Bien háiades, por haberdes acraditado, yá zde la lunjura de l anho de 2004 an que mos coincimos. Sperou que le antregara l testo que you nunca mais acababa, puis achaba que siempre percisaba de mais ua rebison, de cousas a melhorar. [Houbo eiqui la antroduçon de partes ourales, subretodo quanto al porcesso de la traduçon i l apoio de la Sociedade Bíblica]

Cun el yá me cumpermeti a antregá-le todo l Nuobo Teçtamiento an mirandés. Esse ye un trabalho que yá ampeçou l sou camino i  bamos a ber se sou capaç i tengo salude para chegar al fin. [Tamien eiqui se fizo refréncia aque la traduçon de l «Apocalipse» stá a abançar i a la traduçon de ls libros poéticos de l Antigo Teçtamiento, «Salmos», «L Mais Alto Cantar de Salomon», «Libro de Job» e outros.]

 

 

9. Por fin quiero eiqui deixar inda inda mais alguns agradecimeintos

Al senhor persidente de Cámara, por haber querido star persente neste momento tan amportante.

 

Stan eiqui muitos amigos, muitos mirandeses, a quien agradeço de l coraçon tenéren benido. Esta traduçon fui feita para bós, este libro fui eiditado para bós. Eiqui l teneis. Spero que mereça la buossa leitura i la buossa cumprenson por algues falhas que achardes nel i que solo a mi se dében. Repersentais eiqui l nuosso pobo mirandés i quiero dezir-bos que ande por adonde you ande nunca, mas mesmo nunca deixo de porclamar la grande honra que ye, la grande proua que tengo an ser filho deste pobo.

 

La mie família, i ls redadeiros son ls purmeiros, Questina, la mie tie, Jesé Pedro i Juan, ls mius filhos cun quien falo mirandés an casa, stubírun siempre cumigo, mais ua beç. Bien háiades, puis sien bós tamien nada desto serie possible.

 

Amadeu Ferreira

Miranda de l Douro, 26 de Nobembre de 2012

puosto por fracisco n. às 13:42
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

Ls Quatro Eibangeilhos - Tradução de Amadeu Ferreira. Apresentação

 

[Deixa-se eiqui la apersentaçon feita pul doutor António A. Pinelo Tiza na apersentaçon de Ls Quatro Eibangeilhos an Bergáncia, Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, die 27 de Nobembre a a las 15:00]

 

 

                Foi-me dada a distinta honra de apresentar em Bragança esta obra que é a tradução para a língua mirandesa dos Quatro Evangelhos – Ls Quatro Eibangeilhos – que é, como sabemos, o livro sagrado basilar do Cristianismo. Um trabalho com a assinatura de Amadeu Ferreira que me convidou para dizer estas duas palavras de apresentação que, embora indigno, aceitei com todo o gosto e agradeço. Digo indigno sem falsa modéstia porque, na verdade, não sendo oriundo das Terras de Miranda, não conheço a língua mirandesa com a profundidade que se exige para o efeito. Estou convencido que foi a amizade que nos une desde os primeiros tempos do seminário, que em conjunto frequentámos, até à faculdade onde nos licenciámos em Filosofia. Haveria, mesmo aqui em Bragança, outras pessoas mais bem qualificadas para fazer esta apresentação. Por isso, meu caro Amadeu, muito obrigado por esta honra que me concedeste.

            Amadeu Ferreira dispensa apresentações, aqui em Bragança como em qualquer parte do País, pela obra que tem vindo a realizar em prol da sua língua materna que, em boa verdade, é o Mirandês e não o Português. E não só (veja-se a orelha da contra-capa).

            Quando digo que não conheço o Mirandês estou a lembrar-me da expressão que os mirandeses usam: o mirandês tem que se mamar, o que não aconteceu comigo, salvo algumas palavras que se usavam e usam pelo povo rural em toda esta região do Nordeste. José Leite de Vasconcelos, esse grande vulto da Filologia Mirandesa e Portuguesa, refere, a este propósito: “Toda a fronteira de Trás-os-Montes oferece ao exame do investigador uma notável série de linguagens, que em muitos casos se relacionam umas com as outras por quase insensíveis pontos de transição” (Estudos de Filologia Mirandesa). Parece que esses vocábulos populares nada mais são do que resquícios do antigo Leonês que, tal como o próprio Mirandês, continuam em uso nestas terras de fronteira. Mas isso não é suficiente para que possamos dizer que também aqui se fala este idioma. Bem pelo contrário. Nos nossos tempos de jovens estudantes do seminário, fui uma vez passar uns dias a casa do Amadeu em Sendim. E a verdade é que aquela forma de falar me soava a algo muito estranho. Lembro-me, por exemplo, de sua mãe lhe dizer para se “peinar” (pentear), “que íbamos a cenar”, os “caminos” e tantas outras…

            Mas não será pelo facto de o Português ser para os mirandeses a sua segunda língua que o Amadeu não fez a tradução dos Quatro Evangelhos a partir do Português; ou não fosse o Português, tal como para Fernando Pessoa e para todos nós, a sua Pátria. Disso podem estar seguros. Estou seguro de que ele ama tanto a língua portuguesa quanto a portuguesa. Não foi ele que traduziu a nossa maior obra poética – Os Lusíadas? E haverá obra mais difícil de traduzir do que esta? Sabemo-lo bem desde os tempos em que tínhamos que a interpretar. Mais ainda: escreveu obras em ambas as línguas, como Tempo de Fogo, aliás, La Bouba de la Tenerie, que são uma e a mesma obra, um romance, que não propriamente a tradução do Português para o Mirandês, ou vice-versa. São a mesma obra escrita nas duas línguas. Ou ainda Stória dua Lhéngua i dun Pobo, igualmente nas duas línguas. Haverá no mundo algum outro autor que tenha escrito as suas obras em duas línguas? Talvez haja, mas contar-se-ão pelos dedos e eu não conheço nenhum.

Amadeu traduziu os Evangelhos a partir do Latim – a Vulgata de São Jerónimo – a primeira tradução do Grego (língua em que foram escritos) para a língua franca daquele tempo, a língua do Império Romano a que todos os povos do Mediterrâneo, e não só, pertenciam. A edição é a chamada Nova Vulgata, ratificada pelo Concílio Ecuménico do Vaticano II, reconhecida pelo Papa Paulo VI e promulgada por João Paulo II. Não é, portanto, uma qualquer edição mas sim aquela que está oficialmente reconhecida pela Igreja Católica. Todos estes detalhes de procedimento (que não são detalhes), suponho que nos levam a considerar que Amadeu se recusou categoricamente a ser um tradutor-traidor (il tradutore è un traditore). Suponho, repito, a forma mais adequada de não trair o pensamento dos autores, pensamento que é tão somente a base da doutrina cristã, era ir às fontes mais recuadas e acessíveis e, ao mesmo tempo, reconhecidas – a versão latina, já que a grega não estaria ali à mão de semear. Além disso, ambos nós estudámos Latim e Grego. De Latim foram uns oito anos, de grego, três. Deste, do Grego, pelo menos em mim pouco resta (já passaram 40 anos). Dos oito anos de Latim, bastante mais ficou. Está aqui patente a prova do que afirmo. O Amadeu tem melhor memória e, por isso, tem bem presente o seu conhecimento. Se assim não fosse, não estaríamos agora aqui a apresentar a versão mirandesa dos Quatro Evangelhos. Ou estaríamos – uma tradução a partir do Português – correndo o risco de termos, perante nós, um traidor do pensamento dos quatro evangelistas.

Não basta ter conhecimento da língua para se ser um bom tradutor. É necessário saber da matéria, do objecto intrínseco da obra, que é como quem diz, da sua correcta interpretação. Só então se está preparado para escolher as palavras, as expressões adequadas. Que o pensamento do autor seja devidamente expresso. Ora, o Amadeu sabe da matéria em questão. Ambos estudámos os Evangelhos, numa cadeira designada Sagrada Escritura que, por ser o que mais interessava, incidia fundamentalmente no Novo Testamento. Já nessa altura, escrevíamos artigos numa revista, que era dos alunos, intitulada RADAR (cuja colecção pretendemos agora recuperar, mas só conseguimos ainda um número), sobre esta e outras disciplinas teológicas. Posso dizer que, nos estudos que publicávamos, exprimíamos ideias novas e avançados, que vinham na sequência da abertura levada a cabo pelo Concílio do Vaticano II.

Voltando ao Mirandês, convém acrescentar que, mantendo esta língua em uso palavras ditas “antigas”, está mais próxima do Latim do que o Português. Cito Leite de Vasconcelos: “Dizia ele [o seu amigo Branco de Castro]: - “Isto é uma gíria de pastores, uma fala charra, não tem regras, nem normas!”. Mas, quando eu lhe mostrava que as correspondências dela com o Latim eram certas, que a conjugação seguia com ordem, - ele pasmava, e admirava-se que entre os cabanhaes de Genísio, e em meio dos hortos de Ifanes se pudesse ter feito cousa tão regular como era a língua que os velhos cabreiros lhe haviam ensinado em pequeno. E também se entusiasmava, e começava comigo a venerar esta deserdada e perdida filha do Latim” (p. 5).

A título exemplificativo, vejamos então uma passagem do Evangelho de João.

             1 Iesus ergo ante sex dies Paschae venit Bethaniam, ubi erat Lazarus, quem suscitavit a mortuis Iesus. 2 Fecerunt ergo ei cenam ibi, et Martha ministrabat, Lazarus vero unus erat ex discumbentibus cum eo.
3 Maria ergo accepit libram unguenti nardi puri, pretiosi, et unxit pedes Iesu et extersit capillis suis pedes eius; domus autem impleta est ex odore unguenti.
4 Dixit autem Iudas Iscariotes, unus ex discipulis eius, qui erat eum traditurus:
5 “ Quare hoc unguentum non veniit trecentis denariis et datum est egenis? ”.
6 Dixit autem hoc, non quia de egenis pertinebat ad eum, sed quia fur erat et, loculos habens, ea, quae mittebantur, portabat.
7 Dixit ergo Iesus: “Sine illam, ut in diem sepulturae meae servet illud.
8 Pauperes enim semper habetis vobiscum, me autem non semper habetis ”.
(João, 12, 1-8).

            1 Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde estava Lázaro, o que falecera e a quem Jesus ressuscitara dos mortos. 2 Ofereceram-lhe uma ceia. Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com Ele. 3 Então Maria, tomando uma libra de perfume de nardo puro, de alto preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-os com os cabelos; e a casa encheu-se com o cheiro do perfume. 4 Então um dos Seus discípulos, Judas Escariotes, filho de Simão, aquele que O havia de entregar, disse: 5 “Porque não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres”? 6 Disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão e, como tinha a bolsa, tirava o que nela se metia. 7 Respondeu Jesus: “Deixai-a, ela tinha-o guardado para o dia da Minha sepultura. 8 Pobres, sempre os tereis convosco; mas a Mim, nem sempre Me tereis”.

            1 Seis dies antes la Páscoa, Jasus fui-se até Betánia, adonde moraba Lházaro a quien el rucecitara de ls muortos. 2 Ende ouferecírun-le de cenar. Marta andaba a servir a la mesa i Lházaro era un de ls que stában a la mesa a par de Jasus. 3 Ende Marie, agarrando un arrate de ounguiento de nardo puro, mui caro, ountou-le la pies a Jasus i anxugou-se-los cul pelo deilha. La casa quedou chena cul oulor de l ounguiento. 4 Judas Simon Scariotes, un de ls sous deciplos, aquel que l habie de atraiçonar, dixo: 5 “Porque nun se bendiu este ounguiento por trezientos denheiros i se dou als probes?” 6 El falou assi nó por s’amportar culs probes, mas porque era lhadron. Cumo era el que andaba cula bolsa, roubaba l que se botaba alhá. 7 Dixo-le, anton, Jasus: “Deixa-la an paç, puis l guardou pa l die de l miu antierro. 8 Als probes siempre ls heis de tener cun bós, mas a mi nun me heis de tener siempre”.

Dies (dies)

Cena (cena)

Paç (pax, pacem); cruç (crux, crucem);

Stában (stábat); andaba; roubaba; botaba; ministrabat; había (habebat)…

Dixo (dixit) - disse

Seia (seat) - seja

Eilha (illa) - ela

Cun bós (vobiscum) – convosco

Ámades (ametis, diligatis)

An mi (in me) – comigo

Ámades (ametis, diligatis)

Lhuç – “Caminai anquanto teneis lhuç, para que la scuridon nun bos agarre, puis quien anda a las scuras nun sabe para adonde bai” (João, 12, 35). Sobressai bem nesta citação a abrangência da expressão: nun bos agarre, bem mais próxima do Latim, non vos comprehendat, traduzida em Português “não vos surpreendam”. Agarrar quer dizer envolver, possuir

 

            Outra citação do Evangelho de João, capítulo 15, esta já em si mesma carregada de uma rara beleza literária e não só – é a elevação do princípio formulado por Jesus ao mais alto grau do humanismo e que deveria estar presente em todas as religiões, para que elas pudessem cumprir o desígnio que lhes cabe e nem sempre acontece. Mas dito em Mirandês parece soar ainda mais íntimo, afectuoso, mais humano.

 

9 Sicut dilexit me Pater, et ego dilexi vos; manete in dilectione mea.
10 Si praecepta mea servaveritis, manebitis in dilectione mea, sicut ego Patris mei praecepta servavi et maneo in eius dilectione.
12 Hoc est praeceptum meum, ut diligatis invicem, sicut dilexi vos;
15 Iam non dico vos servos, quia servus nescit quid facit dominus eius; vos autem dixi amicos, quia omnia, quae audivi a Patre meo, nota feci vobis.
17 Haec mando vobis, ut diligatis invicem.

 

            9 Tal i cumo l miu Pai me amou, tamien you bos amei a bós; deixai-bos star ne l mil amor. 10 Se guardardes ls mius mandamientos, quedareis ne l mil amor; tal i cumo you guardo ls mandamientos de mil pai i me mantengo ne l amor del. 12 L mil mandamiento ye este, que bos ámades uns als outros, tal i cumo you bos amei. 15 Yá nun bos chamo criados, porque l criado nun sabe l que faç l amo del; mas tengo-bos chamado amigos, porque bos tengo dado a saber todo l que oubi de miu Pai. (…) L que bos mando ye que bos ámades uns als outros”.

                Não se diz que o Mirandês é a língua dos afectos ou, como refere Leite de Vasconcelos, “a língua do lar, do campo e do amor”? (p. 12). Pois bem. É esta a sensação que nos fica ao lermos ou ouvirmos ler (para os que não a sabemos falar como deve ser) este basilar mandamento de Cristo e do Cristianismo.

            Suponho que estas duas citações serão suficientes para compreendemos o alcance deste trabalho de tradução dos Quatro Evangelhos – o livro sagrado por excelência do Cristianismo.

 

Para uma tradução isenta, em relação ao autor, e compreensível para os leitores ou ouvintes, para além das citadas exigências (conhecimentos das línguas e das temáticas em questão), é imprescindível conhecer em profundidade o povo que fala a língua e adoptar as expressões mais adequadas a cada contexto em concreto; apenas dois ou três exemplos:

            “Yá nun bos chamo criados” (João 15, 15). Criados e não servos. O primeiro vocábulo é o mais aceitável em Mirandês e não servos, como aparece na tradução portuguesa. No povo mirandês não se praticava a escravatura para a qual nos remete o termo servo; isso era coisa dos nobres. Este será, portanto, um exemplo de como não basta conhecer a língua e a matéria em causa (a que se traduz), mas também o povo a que se destina, que o Amadeu conhece como ninguém. Por isso, aplica exactamente a terminologia mais compreensível e adequada.

            “Habeis de chorar i quedareis penerosos…” (João, 16, 20), frase traduzida em Português: “Chorareis e lamentar-vos-eis”. “Quedar penerosos”, cheios de pena, provavelmente terá, no povo mirandês, mais intensidade do que o verbo lamentar, usado na tradução portuguesa.

            Outro exemplo: “Tubírun-me senreira sien rezon” (João, 15, 25) – “Odiaram-me sem motivo”. O Amadeu sabe porque usou a palavra senreira em vez de ódio; o mesmo poderemos dizer de rezon, em vez de motivo. Talvez porque aquelas (senreira e rezon) têm mais força, acentuam mais o sentimento e a ideia que se pretendem expressar e, portanto, são as que mais se coadunam a este contexto.

            Outro ainda: “Darei porrada ne l pastor i las canhonas de l ganado ban-se a scapar cada una para sou lhado” (Mateus, 26, 31) – “Ferirei o pastor e as ovelhas do rebanho dispersar-se-ão”. Qual destas duas formas terá mais força, qual será mais incisiva na ideia que se pretende transmitir?

 

            E por falar em língua de afectos, é gratificante constatar o uso frequente de diminutivos no Mirandês, como forma de expressar a afectividade. Se o Português é muito rico neste recurso linguístico, o Mirandês ainda é muito mais rico. Atendamos a esta citação do Evangelho de João, 16, 16-20:

            16 “Mais un pouquito i nun me bereis; i inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber, porque you bou pa l Pai.”

            17 Ende, alguns de ls sous deciplos dezírun uns pa ls outros: “Que quiren dezir estas palabras” “Un pouquito i nun me bereis”; i “inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber”; i tamien “porque me bou pa l Pai?” 18 Dezien assi: “L que quier dezir “un pouquito”? Nun sabemos l que stá a decir.”

            19 Jasus dou-se de cuonta que le querien preguntar algo i dixo-le: Preguntais-bos uns als outros subre l que you dixe: Un pouquito i nun me bereis i inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber? 20 Lhembrai-bos bien de l que bos digo: Habeis de chorar i quedareis penerosos (…)”

            Toda esta ambiência está carregada de afectividade: Jesus que anuncia que vai para junto de seu Pai, a quem ama, os discípulos que ficaram apreensivos por se darem conta que iriam ficar sem ele, esta forma de não compreenderem ou não quererem compreender, por ser tão doloroso… É a nossa saudade.

             

            A terminar, a questão das traduções anteriores dos Evangelhos, um tema que Amadeu desenvolveu muito bem na sua intervenção em Lisboa, no acto de apresentação desta mesma obra (Blog Studos Mirandeses). Por isso me dispenso de aprofundar a questão e limitar-me-ei a umas breves referências, só mesmo para concluir.

            José Leite de Vasconcelos na obra Estudos de Filologia Mirandesa, refere a tradução feita por Bernardo Fernandes Monteiro, em finais do século XIX, de alguns capítulos do Evangelho de São Lucas e a Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios. Estes textos foram publicados na Revista de Educação e Ensino. Mais tarde, o mesmo Bernardo Monteiro acabou por traduzir os Quatro Evangelhos, que se encontram manuscritos. Desta tradução foram publicados, em 1897, apenas alguns trechos, pela mão de Trindade Coelho (outro amante da língua mirandesa), ao tempo considerada um dialecto, no jornal O Repórter.

            António Maria Mourinho, sacerdote, historiador e mirandês, já nos anos 80 do século passado, traduziu para Mirandês e publicou no Mensageiro de Bragança alguns trechos dos Evangelhos, com objectivos litúrgicos, segundo o próprio Amadeu Ferreira. Ficamos sem saber se chegou a utilizá-los em alguma cerimónia litúrgica. Se o foi, talvez alguém se lembre disso. Seria interessante investigar no terreno, isto é, nas paróquias por onde ele passou.

            Não sei qual teria sido a fonte que serviu de base a estas traduções, se foi o Latim (a Vulgata) ou o Português. O que sabemos é que a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa não tinha sido assinada, o que só veio a acontecer em 1999, um facto decisivo para a sua afirmação e reconhecimento como língua – a nossa segunda língua oficial. Um facto que outras línguas minoritárias invejam por não o terem conseguido, apesar dos esforços que os povos seus falantes têm desenvolvido. Agora, esta obra que hoje aqui nos é apresentada por Amadeu Ferreira tem a garantia de um estudioso competente de ambas as línguas, da fonte fidedigna na qual se fundamentou, da matéria em questão e do conhecimento profundo dos seus principais destinatários – o povo mirandês, ao qual ele pertence.

            Já depois da Convenção, Amadeu Ferreira começa traduzir e publicar trechos dos Evangelhos no Mensageiro de Bragança. Desta feita, sabemos que este trabalho foi realizado com base no texto latino da Vulgata e, obviamente, observando as normas da Convenção, em cuja feitura ele próprio participou.

            Prosseguiu o trabalho iniciado em 2002, para agora o terminar e no-lo apresentar. Pelo meio, como sabemos, escreveu e traduziu as obras de que temos conhecimento. Desde as primeiras traduções, foi preciso esperar mais de um século até que pudéssemos dispor desta obra em Mirandês – o livro sagrado da doutrina cristã.

            É minha convicção de que, assim como a tradução de Os Lusíadas deu um impulso decisivo para a afirmação do Mirandês como língua oficial em Portugal, também a tradução dos Quatro Evangelhos dará o mesmo contributo perante a Igreja e os fiéis católicos mirandeses e portugueses em geral.

            Termino formulando dois votos.

            O primeiro é um repto ao Amadeu – a tradução de todo o Novo Testamento. Digamos que o mais difícil está feito. Agora faltam “apenas” os Actos dos Apóstolos, as cartas às muitas comunidades de cristãos de Paulo, João e Judas (que não o Escariotes, mas o santo) e o Apocalipse de João, esse belíssimo e esotérico livro final.

            O segundo voto. Sendo o Mirandês língua oficial e sendo o Evangelho a Palavra de Deus, pois que passe esta palavra a ser proclamada nesta língua nos actos litúrgicos. O momento parece-me o mais oportuno: um bispo jovem e aberto à modernidade, natural da diocese e, portanto, sensível às idiossincrasias culturais do rebanho que apascenta. Necessitaremos de sacerdotes sabedores desta língua? Por certo. Os que são oriundos das Terras de Miranda, mais ou menos jovens, hão-de dominá-la porque de crianças a aprenderam, mesmo que a não tenham estudado, como agora acontece. Aos restantes, nada mais que pedir-lhes este esforço apostólico.

            Ao Amadeu Ferreira, as minhas homenagens, em meu nome pessoal e, se me é permitido, em nome também da Academia de Letras de Trás-os-Montes.

            Bem hajam.

 

António A. Pinelo Tiza

Bragança, 27 de Novembro de 2011

puosto por fracisco n. às 02:11
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

Intervenção do professor Aires Nacimento

 

 

 

Interveção do Professor Aires Nascimento no lançamento de Ls Quatro Eibangeilhos, (em formato .pdf) pode ser lida aqui.

 

 

 

 

 


puosto por fracisco n. às 23:31
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 13 de Novembro de 2011

Anterbençon ne l salimiento de LS QUATRO EIBANGEILHOS (Lisboua)

 

1. Anque hounesto, este ye un sfergante special pa la lhéngua mirandesa, pa la bibliografie de la Bíblia i pa la cultura pertuesa. Fui cumo ato de cultura, hai que lo dezir, que fiç esta traduçon de Ls Quatro Eibangeilhos i la fui podando i apurando al lhargo de bários anhos. Anque se puoda çcutir quales son ls aliçaces de la nuossa cultura, la que chamamos oucidental, cuido que nien aqueilhes que nun son crentes, cumo ye l miu caso, poneran an dúbeda l’amportança de Ls Quatro Eibangeilhos a esse nible. Bien sabemos de la lharga cumbibença, por muitos modos, cun estes testos seia de ls mirandeses seia la mie an special que, por un cachico mais de onze anhos stube ne ls seminários de Benhais i de Bergança, antre 1961 i 1972 [Deixai-me fazer eiqui un paréntese: las bidas que un die bibimos, i cuido que podemos tener mais bidas do que ls gatos,  nun hai que fazer de cuonta que las squecemos i assi querer-las scunder, hai que las aporfelhar puis ye esse l solo modo de las mirar de caras.] Antoce, era neçairo Ls Quatro Eibangeilhos que pudíran ser lidos an mirandés, cada pessona ou anstitutiçon le dando l uso que antenda mais al modo. Ye agora ampossible que alguien querga negar que la lhéngua mirandesa ye ua lhéngua de quemunicaçon para todos ls temas i oucasiones i, para aqueilhes que nel acradíten, tamien ua lhéngua de falar cun Dius.

 

 

2. Ye sabido que l mirandés, assi cumo las lhénguas de la familha stur-lhionesa, ten la sue ourige ne l lhatin, habendo-se formado zde ls remanses que se fúrun acamando al lhargo de seclos na zona acupada puls pobos stures, nun purmeiro tiempo agarrando l bielho reino de Lhion, se ende nun cuntarmos la zona galhega. Ls Quatro Eibangeilhos habien de haber sido traduzidos zde l oureginal griego, mas l miu saber de griego nun dá para tan lhargo tranco. Por esso se me pareciu natural agarrar cumo punto de salida l testo lhatino de la VULGATA, dado cumo sendo de San Jerónimo que, por pedido de l papa Dámaso I, haberá feito la traduçon ou al menos parte deilha, antre la fin de l seclo IV i ls ampeços de l seclo V. Esta traduçon lhatina fui oufecializada pul Cuncílio de Trento (1546), la chamada Uulgata Clementina. L Papa Paulo VI, apuis de l Cuncílio Baticano II, mandou reber esse testo, quedando la nuoba bersion acabada an 1979, que zdende quedou coincida cumo Noua Uulgata. Fui nesse testo que assentou esta mie traduçon, feita antre 2002 i 2004, bárias bezes rebista até al die an que passou a l’ampresson.

 

Las anfluenças que se le podien apegar zde l pertués quedában assi arredadas, indo l mirandés a buer na sue mais clarica fuonte. La prossemidade antre algun bocabulairo mirandés i l lhatin ye tan grande que nun ye percisa qualquiera traduçon, mas ye subretodo al nible sintático que ls peligros de anfluença siempre fúrun mais grandes. Por estas rezones, esta traduçon puode ser tamien amportante na eibeluçon de l mirandés screbido, puis custitui mais ua stada, bien pequeinha que seia, ne l refuorço dua lhéngua que, cumo ye sabido, nun tubo ouportunidade de passar pul sou Houmanismo i l sou Renacimiento.

 

 

3. Splicada la ouportunidade de traduçon de Ls Quatro Eibangeilhos para mirandés i las bantaiges lhigadas a la traduçon feita zde l lhatin, cuido ser ouportuno deixar eiqui un teçtemunho público subre la bibliografie mirandesa de la Bíblia, yá que nun ye coincida de l público i até nien de ls própios mirandeses. Nessa bibliografie hai que retener trés nomes: Bernardo Fernandes Monteiro na fin de l seclo XIX, António Maria Mourinho na fin de l seclo XX i you própio, Amadeu Ferreira, ne ls ampeços de seclo XXI. Tamien se soubo la ambora de que Domingos Ferreira, a bibir an Zenízio, habie traduzido la Bíblia para mirandés, habendo apersentado seis belumes screbidos a mano ne l Museu de Miranda an 2009, mas la berdade ye que essa traduçon nun ye coincida para eiqui se poder falar deilha, sendo cierto que l sou outor la apersentou cumo habendo sido feita zde l pertués. Bamos, antoce, a ber, de modo algo menudo, ls cuntributos pa la traduçon de la Bíblia, que coincemos, eiqui se fazendo un punto de la situaçon.

 

 

 

[O trabalho de tradução de Bernardo Fernandes Monteiro]

 

4. As primeiras traduções conhecidas de textos da Bíblia para mirandês foram feitas por Bernardo Fernandes Monteiro. O manuscrito com a tradução, que se conserva no Museu de Arqueologia, em Lisboa,  é datado do Porto e nele se inscreve o ano de 1896. A obra é oferecida «Ao meu muito prezado primo Manuel Ferreira Deusdado em penhor de profunda sympathia e affectuosa estima». Trata-se de um texto que apenas descobri em 2009, quando já tinha integralmente traduzido Ls Quatro Eibangeilhos. Da leitura que da obra pude fazer penso que seria importante o seu estudo, embora em muitos aspectos Bernardo Fernandes Monteiro se tenha dixado influenciar mais que o razoável pela edição portuguesa da obra. Apesar disso é o mais importante monumento literário escrito do mirandés do século XIX, sendo impensável o estudo da língua sem a esse documento recorrer. Espero que o esquecimento a que tem sido votado acabe muito brevemente.

 

É Trindade Coelho quem nos informa (Reporter, n.º 1509, de 01/01/1897): “a tradução mirandeza é feita rigorosamente sobre o texto portuguez do Padre António Pereira de Figueiredo, que traduziu segundo a Vulgata.” Diga-se que essa era a única edição integral da Bíblia em português na altura disponível, tendo a sua 1.ª edição sido feita em 1842, a que se seguiram várias reimpressões. Em geral, considera-se que era uma edição rigorosa. Faço notar que na altura não estava acessível entre nós a excelente tradução de João Ferreira de Almeida, feita a partir dos textos originais.

 

O destino do volume manuscrito de Bernardo Fernandes Monteiro é algo atribulado. Tendo sido oferecido a Manuel Ferreira Deusdado, passa para as mãos deste e sucessivamente para as de Trindade Coelho, de novo para Manuel Ferreira Deusdado e por fim para José Leite de Vasconcelos que o deixou no seu espólio, embora até há muito se desconhecesse o seu paradeiro. Quero aqui deixar público testemunho das jornadas de pesquisa que no Museu de Arqueologia comigo fizeram o José Pedro e a Mariana Gomes, que tudo fotografaram com grande rigor e profissionalismo, bem como o apoio prestado pelo pessoal da biblioteca desse Museu, em especial a sua directora da altura, dr.ª Lívia.

 

Tendo-a terminado em 1896, podemos perguntar quando começou Bernardo Fernandes Monteiro a sua tradução. Não sabemos e talvez nunca venhamos a saber ao certo. No entanto, alguns elementos conhecidos nos podem aproximar de uma resposta. Com efeito Manuel Ferreira Deusdado começou a publicar textos da Bíblia em mirandês, traduzidos por Bernardo Fernandes Monteiro, em 1894. Tal significa que a tradução terá começado antes dessa data. São dois os locais onde essas publicações foram feitas: a Revista de Educação e Ensino e o jornal diário lisboeta, Reporter

 

 

[A publicação das traduções de Bernardo Fernandes Monteiro na Revista de Educação e Ensino]

 

5. A Revista de Educação e Ensino [Vol. IX (1894), pp. 152-165, 252-265 i 500-507], dirigida por Manuel Ferreira Deusdado, publicou os dez primeiros capítulos do Evagelho de São Lucas, tudo indicando que Bernardo Fernandes Monteiro por aí tenha começado a sua tradução de Os Quatro Evangelhos.

 

Como nota relevante diga-se que o texto é precedido de uma introdução do grande filólogo Aniceto R. Gonçalves Vianna sobre o modo como deveria escrever-se o mirandês. Assim se fixa a primeira grafia do mirandês, funcionando esse texto como uma espécie de primeira convenção ortográfica da língua mirandesa.

 

Na mesma Revista de Educação e Ensino [Vol. IX (1894), pp. 182-184, portanto intercalada entre vários capítulos do Evangelho de Lucas] se publica também o capítulo VII da 1ª Carta de San Paulo als Coríntios. E apenas a tradução desse capítulo chegou até nós [essa epístola tem XIII capítulos], embora comece com o conhecido intróito «Paulo chamado apóstelo de Jasus Cristo por buntade de Dius a Sóstenes nuosso armano».

 

Destes textos retira José Leite de Vasconcelos vários exemplos para ilustrar a sua gramática mirandesa.

 

 

 

[A publicação das traduções de Bernardo Fernandes Monteiro no jornal Reporter]

 

6. No dia 29 de dezembro de 1896, Manuel Ferreira Deusdado escreve a Trindade Coelho, na altura redactor do jornal diário Reporter sob o pseudónimo de Ch-A.Hysson, a seguinte carta por este publicada no jornal Reporter n.º 1509, de 01/01/1897:

 

“Meu caro Ch-A.Hysson:

Visto te occupares das nossas cousas trasmontanas, acho bom que te não esqueças das tradições mirandezas, e principalmente da lingua. O meu primo Bernardo Fernandes Monteiro, por suggestão minha, começou a publicar em 1894 na ‘Revista de Educação e Ensino’, em versão mirandeza, a primeira epístola de S. Paulo aos Corinthios, e o Evangelho de S. Lucas. Ahi tens agora a tradução completa dos quatro Evangelhos, manuscriptos, em bello volume (...)

O distincto philologo e meu amigo, o sr. Gonçalves Vianna, desempenhou-se dessa tarefa, na minha Revista, em 1894. Ha em mirandez já muitos textos publicados, seguindo essa orthographia dos Evangelhos (...)

T.C. 29-XII-96. Ex toto corde: Ferreira Deusdado.”

 

Trindade Coelho passa a publicar, semanalmente, entre os dias 1 de janeiro e 7 de fevreiro de 1897, os trechos correspondentes ao Evangelho da missa de cada domingo. Inicia a publicação logo no dia de ‘Ano Bom’ de 1897, o 1º de Janeiro, com a seguinte introdução:

‘Desejo começar o novo anno, trazendo aos meus leitores, á litteratura e á religião do meu paiz uma novidade encantadora: e é que d’ora ávante lhes darei os evangelhos dos domingos e dias sanctificados, não em portuguez como até aqui, - mas n’esse querido e interessantissimo idioma mirandez, que se falla a dois passos da minha terra, em todo o concelho de Miranda do Douro, limitrophe do meu (...)

Ora é no idioma que elles falam, que eu passo, d’aqui por deante, a dar-lhes os Evangelhos. E de certo que é uma curiosidade inedita para a biographia da Biblia, saber que eu tenho em meu poder, admiravelmente copiados, em livro encadernado que tem 368 paginas grandes, e a duas columnas por pagina, os quatro Evangelhos: S. Matheus, S. Marcos, S. Lucas e S. João.

Auctor deste admiravel e carinhoso trabalho o sr. Bernardo Fernandes Monteiro, 1º aspirante da Alfandega do Porto, e mirandez. E por ser mirandez e muito intelligente, a sua traducção mereceu os gabos do notavel philologo sr. Gonçalves Vianna, e será, já agora, na historia da Biblia, um trabalho não só memorado, mas memorando ...

Veio ás minhas mãos o precioso manuscrito mediante a boa amizade de Ferreira Deusdado, que por ser transmontano, e dos melhores, e dos de lei, veio trazer ao meu carinho pela nossa terra o effusivo carinho que elle lhe dedica.

Bem haja elle; e como quer que seja muito interessante a carta que me escreveu, vou copiál-a para aqui, para que a história fique mais completa, e bem documentado, para a minha gratidão, o favor que me fez.”

 

Por este texto se vê como o ilustre escritor mogadourense percebeu bem a importância da tradução que tinha em mãos. Infelizmente, a tradução de Bernardo Fernandes Monteiro apenas foi redescoberta mais de 100 anos depois, sendo impossível avaliar o impacto que teria tido na língua mirandesa caso tivesse sido publicada em fins do século XIX, como ele desejava e lhe chegou a ser prometido.

 

 

 

[As traduções de António Maria Mourinho]

 

 7. Depois de BernardoFernandes Monteiro foi necessário esperar noventa anos para voltar a ver publicados alguns trechos de Os Evagelhos em mirandês. Tal feito deve-se a António Maria Mourinho, que também foi padre. Porém, apenas conhecemos a publicação de dois pequenos textos: «Prólogo do Evangelho de São João precedido de um pequeno comentário em português para a 3.ª missa do Natal» (Mensageiro de Bragança, 19.12.1987); «Os Evangelhos da Páscoa em mirandês, com um pequeno preâmbulo em português» (Mensageiro de Bragança, 31.3.1988).

 

Estas são os traduções de António Mourinho que conhecemos, mas admitimos que outros trechos por ele tenham sido publicados, em qualquer caso em muito pequeno número e com objectivos litúrgicos. Também não sabemos qual o texto que serviu de base a António Maria Mourinho para as suas traduções.

 

 

 

[O trabalho de tradução de Amadeu Ferreira]

 

[As traduções publicadas no Mensageiro de Bragança]

 

8. No dia 4 de janeiro de 2002 inicia-se a publicação de trechos de Ls Quatro Eibangeilhos em mirandês, no jornal semanal Mensageiro de Bragança. Apesar de já o fazer na nota de tradução com que abre o livro, quero mais uma vez e publicamente agradecer ao dr. Inocência Pereira, na altura director desse jornal, o ter possibilitado a publicação, apesar de poderosas forças na altura se terem oposto. A publicação do texto do evengelho dominical manteve-se semanalmente durante os anos de 2002 e 2003. Na introdução a essa publicação fiz a ligação com a publicação de trechos da tradução de Bernardo Fernandes Monteiro feita por Trindade Coelho no jornal Reporter, entre janeiro e Fevereiro de 1897. Já nessa altura eu falava de uma «fetura publicaçon antegral de Ls Quatro Eibangeilhos an mirandés». Igualmente se apontava o texto da Vulgata como base para a tradução que estava a ser publicada. Entre as pessoas que na altura me incentivaram a avançar com a tradução devo referir o cónego Francisco Moscoso, de saudosa memória e a quem aqui presto a minha homengam, e, por intermédio dele, o Sr. D. António Rafael, na altura bispo de Bragança e Miranda. Outras foram as pessoas que me tentaram dissuadir, nomeadamente dizendo que uma tradução como esta exigia especiais autorizações, mas o meu trabalho sempre foi voluntário e livre, não carecendo da autorização de quemquer que fosse.

 

 

 

[As traduções publicadas no blogue Cumo quien bai de camino]

 

9. No blogue Cumo quien bai de camino http://lhengua.blogspot.pt publiquei [entre 8 de abril e 24 de julho de 2007] a tradução de O Cântico dos Cânticos, que brevemente sairá em livro pela Editora Zéfiro com o título L Mais Alto Cantar de Salomon, com assinatura de Fracisco Niebro. A primeira versão desta tradução foi feita entre Outubro de 2002 e Fevereiro de 2003, tomando como base o texto de Cantar de Cantares de Salomon do profesor da Universidade de Salamanca Frei Luís de León, datado de 1571, e que levou o seu autor a ser preso pela Inquisição de Valhadolide por cinco anos. Tempos em que traduzir a Bíblia era muito perigoso!

 

No mesmo blogue iniciei, em 4 de outubro de 2007, a publicação da tradução de vários poemas do livro de Os Salmos. De cerca de metade [73] de Os Salmos já por mim traduzidos foram publicados 30 naquele blogue.

 

Já em agosto de 2011, no mesmo blogue se publicam trechos de O Livro de Job.

 

Todas estas publicações se inserem num projecto de tradução dos livros poéticos do Antigo Testamento.

 

 

 

[A edição da Sociedade Bíblica de Ls Quatro Eibageilhos]

 

10. Desde muito cedo o Dr. Timóteo Cavaco me fez chegar a sua vontade de se encontrar comigo, através de um aluno meu da Faculdade de Direito da Universidade Nova e seu amigo. Assim se deu o contacto, não sei precisar a data, mas em 2004. Desde a primeira hora, falámos da tradução de Os Evangelhos para mirandês. Através dele tive acesso a vários textos, entre eles a tradução de João Ferreira de Almeida, o texto da Nova Vulgata e o texto sinóptico em grego e em latim, que muitas dúvidas me ajudou a tirar. Foi também por seu intermédio que conheci o grande especialista da Bíblia professor Carlo Buzetti, da Universidade de Milão, com quem tive a oportunidade de almoçar na Casa do Alentejo onde me ofereceu uma bonita tradução piemontesa do evangelho de Mateus. Dele recebi a sugestão de seguir o texto da Nova Vulgata, o que me permitiu uma revisão do texto, tornado o texto traduzido mais solto e de uma sintaxe menos menos complexa, mas mais rigorosa.

 

Já há vários anos que a Sociedade Bíblica aguardava a entrega do texto para publicação, mas eu próprio fui adiando essa entrega, falhando prazos por mim próprio estabelecidos, preocupado com uma mais cuidada apresentação, uma mais rigorosa tradução, um mirandês mais elaborado e, por isso, mais popular. É dever do tradutor ser o mais possível fiel ao texto a traduzir, sem concessões à facilidade ou aos desvios da literalidade, numa atitude de rigor e de humildade que nos faz correr o risco de nunca acabar.

 

O produto aqui está, ainda com muitas imperfeições, mas que espero ter oportunidade de um dia o poder ainda melhorar. Muito obrigado à Sociedade Bíblica e, em especial, ao Dr. Timóteo Cavaco, pela sua ajuda, a sua paciência, o seu profissionalismo.

 

 

 

[O projecto de tradução de todo o Novo Testamento]

 

11. Existe um compromisso com a Sociedade Bíblica de traduzir todo o Novo Testamento para mirandês. Integrados nesse projecto contamos com muitos trechos de algumas epístolas já publicados no Mensageiro de Bragança. Neste momento está em curso de tradução, o Apocalipse. Neste empreendimento tenho contado com o apoio e incentivo do dr. Timóteo Cavaco. Mas só o tempo dirá se serei capaz, pois esse tempo será necessariamente longo. Todas as traduções, com excepção do já referido L Mais Alto Cantar de Salomon, assentam na versão latina da Noua Uulgata.

 

 

 

[Agradecimentos]

 

12. Ye ua honra tener eiqui a apersentar esta traduçon l senhor porsor doutor Aires Nascimento, nome maior antre ls maiores de ls studos clássicos griegos i lhatinos, mediabalista dua eirudiçon defícele de eiqui çcrebir, a quien la nuossa cultura i l’ounibersidade tanto dében. Agradeço-le de l coraçon l haber aceite l cumbite para apersentar esta traduçon para mirandés, ua lhéngua que nunca fizo parte de ls studos del. Mas bien se justeficaba este cumbite seia pul testo que ye traduzido seia pula lhéngua zde adonde fui traduzido. La sue perséncia eiqui ye ua honra mui grande para mi i pa la lhéngua mirandesa.

 

Mais ua beç eiqui s’apersentórun muitos amigos, mirandeses ou nó, benidos de muitas i bárias outras bidas mies. Cun esta son yá trés las bezes que ne ls redadeiros dous meses quejistes respunder al pedido de estar cumigo, nua jornada de cultura i de fiesta de la lhéngua mirandesa, mas tamien, sei-lo bien, de amisade. Ye esta que, mais que todo, me eimociona i me lhieba a dezir bien háiades. Pormeto nun bos tornar a sacar de buosso assossego al menos até al Natal que ende ben. Pa l anho pula cierta teneremos que amanhar outros modos de mos bermos.

 

La mie família, i ls redadeiros son ls purmeiros, Questina, Jesé Pedro (que stá Slobénia i nun puode star eiqui) i Juan, stubírun siempre cumigo, mais ua beç. Bien háiades, puis sien bós tamien nada desto serie possible.

 

Amadeu Ferreira

Lisboua, 12 de Nobembre de 2012

 

 


puosto por fracisco n. às 01:24
| comentar | ajuntar als faboritos
|

.mais subre mi

.buscar neste blogue

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.testos nuobos

. Anterbençon ne l salimien...

. Ls Quatro Eibangeilhos - ...

. Intervenção do professor ...

. Anterbençon ne l salimien...

.arca

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds