Terça-feira, 12 de Abril de 2011

Subertindo Frunteiras

 

 

1. Mirandés nome de lhéngua

 

«Nun ye l pertués la sola lhéngua ousada an Pertual ... fala-se eiqui tamien l mirandés...», screbie José Leite de Vasconcellos an 1882, na sue obra O Dialecto Mirandez. Cuido que ye nesse tan atrasado anho que aparece pula purmeira beç cun este sentido, an lhetra ampressa, l nome mirandés ou lhéngua mirandesa. Fato a retener: la lhéngua mirandesa yá eisistie hai cientos de anhos quando le dórun l nome cun que hoije ye coincida.

Antes de le dáren l nome que agora ten, cumo era coincida la lhéngua mirandesa? Ls mirandeses chamában-le i inda le cháman, cumo cousa achegada, la nuossa fala ou la nuossa lhéngua. Antre eilhes dezien falar a la nuossa moda i nun ye para admirar que ls benediços le chamáran l falar de ls mirandeses ou de la Tierra de Miranda. Antes de Leite de Vasconcellos, parece que solo dous outores habien falado de l mirandés, Contador de Argote na sue obra Regras da Lingua Portugueza, de 1725, i Severim de Faria na cuonta de la sue biaige Ébora a Miranda, an 1609.

Cumo noutros causos, nun fui l nome que criou la lhéngua mirandesa, pus esse ye un eilemiento por fuora de la rialidade que ye la lhéngua. Assi i todo, cumo fato sterno, puode-se dezir que criou essa mesma rialidade delantre l mundo, dando-la a coincer i premitindo ajuntar bárias caratelísticas alredror desse nome. Alhá de l nome, passa a antegrar ua catadorie de entes que podemos poner na punta de la pirámide de l’obra oumana, las lhénguas. Tamien las lhénguas ténen dreito al nome: nel se amostra la sue ounidade i stá cuntenida la sue dibersidade, sirbe cumo fato jurídico de refréncia de ls dreitos de ls sous falantes, ye nuolo que ajunta la riqueza dua cultura, ye jinela de l’alma i de la denidade de l pobo que la fala.

 

 

2. Ua mintira que fui agarrada cumo berdade

 

A las bezes hai l’eideia de uas lhénguas son melhores que outras: uas serien cultas, outras ancultas; uas lhemitadas, outras capazes de dezir l mundo sin lhemites; uas própias de giente eignorante, outras própias de giente de lhetra. Tamien essa eideia se criou a respeito de l mirandés: ls mirandeses oubírun dezir, ne ls redadeiros cientos de anhos, que la sue fala era própia de giente atrasada i que nun merecie l nome de lhéngua. Chamában-le fala charra ou fala caçurra, a que se cuntraponie la fala grabe ou fala fidalga, nome que le passórun a dar al pertués. Hai mintiras que, a fuorça de tanto se dezíren, bénen a ser tenidas cumo berdade. Fui l que se passou cul mirandés: até ls mirandeses, al fin, acabórun por se cumbencir que la sue lhéngua era ua fala atrasada i anferior. Bundaba oubir a la ruodra deilhes: l bispo i la sue quemitiba, ls funcionairos de l rei, ls nobres, las pessonas de lhetra, todos falában l pertués, fazendo caçuada de la fala de ls mirandeses.

Este cumbencimiento dou an que l mirandés fura bisto, a mais i a maior, cumo un falar solo sclusibo de la própia quemunidade, sien balie para quemunicar cun eilemientos de fuora deilha i, subretodo, culas anstituiçones de l poder. Qualquiera mirandés que ganhasse l satuto de pessona de lhetra debie de deixar la sue lhéngua i quedar cul pertués, l solo que staba d’acuordo cula sue cundiçon. Passa, assi, a haber ua classe de mirandeses que renegam la sue lhéngua, ls lhetrados: eilhes son la pruoba biba, ne l seno de la quemunidade, de que l mirandés nun ye ua lhéngua al son de l sou nuobo statuto. esta situaçon haberá ganho fuorça percipalmente apuis de Miranda passar a sede de bispado i fui-se afundando até ganhar l statuto de axioma, yá ne ls seclos XIX-XX.

Eiqui chegados, ye eisencial preguntar cumo fui possible todo esto. Atalhando, cumo quadra bien cun este campo, apunto solo trés rezones:

- a la ua, l haber-se criado l cumbencimiento arrado de que l miarndés era pertués, mas un pertués mal falado; ora, l mirandés nun ye pertués, mas ua outra lhéngua;

- a la outra, l haber-se perdido la lia cula stória de l mirandés, percipalmente l’eideia de la sua perténcia a la família de las lhénguas lheonesas, faladas ne l antigo Reino de Lheon por reis, nobres, monges i toda la sociadade culta desse reino, scrita an miles de decumientos de ls seclos X-XIV; alguien tenerie la coraige de dezir, cumo tal, als purmeiros reis de Lheon ou als cultos abades de ls mosteiros de Moreiruola ou Sahagún que la sue fala era ua fala de giente atrasada?;

- al fin, l que l mirandés, cula antegraçon ne l Reino de Pertual de l termo adonde se fala, deixara de tener anstituiçones sues que fúran aliçace suberciente pa l sou zambolbimiento.

Eissencial a este stado de cousas fui l’eideia de frunteira pertuesa que, al lhargo de seclos, se fui acamando: essa serie ua raia natural, que habie benido de l’ounidade lhenguística, cultural i, nalguns causos, até étnica. Assi, todo se fizo para assentar l’eideia de frunteira cumo l apartar antre la çfréncia, antre l que ye naturalmente çfrente, nun se aceitando que essa çfréncia ou dibersidade pudira eisistir para acá de la raia sin ser cumo ua cousa de l outro mundo i, por esso, sien capacidade para negar l’ounidade que la frunteira çclara.

 

 

3. Antre frontaria e limes

 

Quando you era pequeinho, miraba las arribas de l outro lhado de l Douro i dezie cumigo mesmo: eilhi ampeça la Spanha, eiqui acaba Pertual. Este amponie-se-me n’eideia dun acerca que era miu, aqueilha perdie-se nun sien fin que era doutros. Eiqui ls pies, alhá ls uolhos. Dun lhado tierra, de l outro un aire. Dacá l bózio zimbrado, dalhá nada mais que ressonos. Assi, la frunteira fui-se-me colgando cumo speilho que me debolbie l’eimaige, zenhado nun sentido de perténcia. Antende-se bien que la palabra lhatina “frontaria” querga dezir “la tierra que queda delantre”.

Quando se nace acerca la frunteira, esta ampon-se-mos cumo cumpanha de cada die, ganha campo cierto na peisaige que ls uolhos ban fazendo, i crece-mos mui cedo un ser de frunteiriços que nunca mais somos capazes de zarredar. Mais que un stado d’alma, ser frunteiriço ye nun sermos yá capazes de mos defenhir sin esse outro lhado de nós. Al modo que la frunteira bai-mos defenhindo, acabamos por percisar deilha para saber quien somos, yá nun bibimos sin ls dous lhados al mesmo tiempo. Dende l gusto peligroso de passar frunteiras, cumo passar alhá de nós sin salir de nós.

Mas las tierras de frunteira nun se defínhen solo an relaçon al que queda delantre (la “fontaria” lhatina), mas tamien an relaçon al centro de poder a que stan ligadas. Nesta última relaçon eilhas son un “limes”, palabra lhatina que quier dezir l que queda na punta antre dous campos, un sítio que, muita beç, nun chega a ser dun lhado nin doutro. Assi sendo, tamien ye un sítio que puode ser atacado puls dous lhados, antregue a el mesmo, que ten de se defender muita beç sin ajudas de naide.

Ua tierra de frunteira baláncia antre “limes” i “frontaria”, antre la necidade de l outro lhado cumo modo d’andebidualizaçon, mas tamien d’amanaça, i l abandono, que ye tamien campo de lhibardade i capacidade de subrebibir por eilha mesma. Son estes dous lhados que le dan ser i eidentidade, nun podendo apartar-se l lhado que mira para fuora (frontaria) i l lhado que mira para andrento (limes) para se antender la sue stória, la sue cultura, la sue giente: anquanto “frontaria”, dá i recibe anfluenças de l outro lhado, ataca i ye atacada; anquanto “limes”, ganha l’outonomie de l abandono, la lhibardade daqueilhas cousas a que se le dá pouca amportança, cula cundiçon de nun atacar ou poner an causa l centro de que se depende. I esto bale para todas las tierras de frunteira, anque tenga mais fuorça nuns lhados que noutros. Essa fuorça chega al mássimo na Tierra de Miranda, antendida an sentido stórico, i an toda la frunteira de l çtrito de Bergáncia.

Fui ne l arrolho deste baláncio antre “frontaria” i “limes” que se criórun las cundiçones oujetibas pa la subrebibença de la lhéngua mirandesa i doutros falares frunteiriços al lhargo de tanto seclo. Ls mirandeses nunca afruntórun ls reis de Pertual, nunca quejírun ser spanholes, nunca ponírun an dúbeda la sue perténcia i, por esso, l poder de Lisboua siempre ls deixou a sous santos i lhargos, quier dezir, siempre ls deixou antregues a la sue cundiçon marginal. Un cierto anterbalo que fui l poner l bispo an Miranda nun passou desso mesmo.

Este balanciar antre «frontaria» i «limes» lhieba a que, hoije, la cundiçon de frunteiriço nun tenga que ser abaluada solo pul sou lhado negatibo i mais selumbriu, l lhado de l abandono i de l çprézio, l lhado de la muorte, la çtruiçon i l siléncio apuis las batalhas. Hai que abaluar tamien l lhado positivo adonde floreciu ua cierta lhibardade i outonomie, subretodo persentes na nuossa lhéngua i na nuossa cultura, que mos premíten ser defrentes de ls outros pertueses, anque sin deixar de ser tan pertueses cumo eilhes, cumo la nuossa stória nun zminte.

Tener hoije ua lhéngua i ua cultura defrentes ye tamien tener l campo de lhibardade i outonomie adonde essa lhéngua i essa cultura puoden cuntinar a medrar. Ye esso que mos andebidualiza, mos eidentefica, mos baloriza i mos torna libres, l que mos dá nome cumo pobo.

 

 

4. Las frunteiras por andrento la lhéngua

 

Pa ls mirandeses la raia nun ye solo algo que stá por fuora, antendido cumo raia política i admenistratiba, mas tamien algo que passa pula miolha deilhes mesmos. Ne l percípio de la nacionalidade pertuesa solo la raia política era berdadeira, yá que dun lhado i doutro de la raia se praticaba la mesma lhéngua i se bibie la mesma cultura. Al scolhéren quedar deste lhado, ls mirandeses tubírun que criar nuobas frunteiras andrento deilhes mesmos: al modo que fúrun daprendendo a falar l pertués quedórun cun dues lhénguas i assi se fui defenhindo la sue eidentidade plural, abierta, tolerante, de aceitaçon de algo que nun era sou.

Cul tiempo la lhéngua deixou de ser ua frunteira, que mos debedisse antre nós i nós. Tener dues lhénguas nun ye tener dues eidentidades, ua para cada lhéngua que falamos. Ye ua rialidade nuoba, ua nuoba eidentidade, an que nada se renega, mas an que la çfrença ye ua riqueza que mos abre puortas i caminos.

La lhéngua mirandesa fizo-se sangre de l’eidentidade pertuesa de ls mirandeses. Eilhes ambentórun ua outra forma de ser pertués. Muitos cientos d’anhos antes, abrírun camino a ua eidentidade pertuesa que metiu andrento deilha la dibersidade, agarrando mundos de todo l mundo.

Passada la raia de la lhéngua, yá que l’angulhírun para andrento deilhes mesmos, ls mirandeses amóstran cumo las frunteiras nun son un porblema, antes puoden ser ua riqueza i ua ouportunidade.

Este testo stá screbido an mirandés i an pertués nó para que todo mundo l’antenda, mas porque essas son las dues lhénguas que traio cumigo i nun serie quien sou sien dambas a dues.

Yá astanho, Satoshi Terao apersentou ua tese na Ounibersidade de Kobe, ne l Japan, an que apersentaba cumo eisemplo a seguir para salbar las lhénguas minoritairas de l Japan l que el chamou «l’alternatiba mirandesa». Dezido de outro modo, recoincer i balorizar las eidentidades regionales nun ten que lhebar al separatismo político cumo se ten passado an tanto lhado.

Tamien hai dies l cientista Porsor António Brotas, de l Anstituto Superior Técnico de Lisboua, me pedie para traduzir para mirandés un artigo subre la física de la relatibidade cumbencido de que mais giente lo antenderie. L’eideia del ye mui simples: se l mirandés ye ua lhéngua lheonesa que queda a meicamino antre l pertués i l sapnhol, esso quier dizer que puode ser antendido tanto por pertueses cumo por spanholes, sendo por esso ua de las lhénguas de l mundo que puode ser antendida por mais giente.

Todo esto quier dezir que la frunteira de las lhénguas nun passa pul númaro de ls sous falantes. Quando hoije se diç que l mundo se bolbiu nua aldé global esso tamien quier dezir que ua aldé, un cantico de l mundo, puode chegar a todo l mundo i ser mirada an todo l mundo. Nesse sentido puode tener algue alfluença ne l mundo i yá nun stá cundanada a bibir agarrada al sou ambelhigo. L mesmo se passa pulas lhénguas: por bien poucos falantes que téngan, la sue boç puode chegar a qualqueira parte i ser agarrada por qualquiera un.

Deixo eiqui un poema de l poeta mirandés Fracisco Niebro, an que dues lhénguas bíben cun el sien qualquiera frunteira pul meio i gustando tanto dua cumo de la outra, l que repersenta la marca mais fonda dua eidentidade:

 

DUES LHÉNGUAS 

Andube anhos a filo cula lhéngua trocida pula

oubrigar a salir de l sou camino i tener de

pensar antes de dezir las palabras ciertas:

ua lhéngua naciu-me comi-la an merendas buí-la an fuontes i rieiros

outra ye çpoijo dua guerra de muitas batailhas.

Agora tengo dues lhénguas cumigo

i yá nun passo sin dambas a dues.

Stou siempre a trocar de lhéngua mei a miedo

cumo se fura un caso de bigamie.

Ua sabe cousas que la outra nun conhece

ríen-se ua de la outra fazendo caçuada i a las bezes anrábian-se

afuora esso dan-se tan bien que sonho nas dues al mesmo tiempo.

Hai dies an que quiero falar ua i sale-me la outra.

Hai dies an que quedo cun ua deilhas tan amarfanhada que se nun la falar arrebento.

Hai dies an que se m’angarabátan ua cula outra

i apuis bótan-se a correr a ber quien chega purmeiro

i muita beç acában por salir ancatrapelhadas ua an la outra

i a mi dá-me la risa.

Hai dies an que quedo todo debelgado culas palabras por dezir

i ancarrapito-me neilhas cumo ua scalada

i deixo-las bolar cumo música

cul miedo que anferrúgen las cuordas que la sáben tocar.

Hai dies an que quiero traduzir ua pa la outra

mas las palabras scónden-se-me

i passo muito tiempo atrás deilhas.

Antre eilhas debíden l miu mundo

i quando pássan la frunteira sínten-se meio perdidas

i fártan-se de roubar palabras ua a la outra.

Ambas a dues pénsan

mas hai partes de l coraçon an que ua deilhas nun cunsigue antrar

i quando s’achega a la puorta pon l sangre a golsiar de las palabras.

Cada ua fui porsora de la outra:

l mirandés naciu-me purmeiro i you afize-me a drumir arrolhado puls sous sonidos

i ansinou l pertués a falar guiando-le la boç;

l pertués naciu-me a la punta de ls dedos

i  ansinou l mirandés a screbir porque este nunca tubo scuola para adonde ir.

Tengo dues lhénguas cumigo

dues lhénguas que me fazírun

i yá nun passo nien sou you sien ambas a dues.

In Cebadeiros, ed. Campo das Letras, 2000.

 

Abril de 2006

Amadeu Ferreira

 

 

puosto por fracisco n. às 13:02
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 10 de Abril de 2011

Ernesto Rodrigues: intervenção no lançamento de Ls Lusíadas em Lisboa, dia 18 de Novembro de 2010, no Centro Nacional de Cultura

 

Entrei a ouvir Mirandês por via de colegas e amigos na adolescência. Tarde li os Estudos de Philologia Mirandesa (1900), de José Leite de Vasconcelos, e as visitas que este fez às fontes, em 1883 e 1884. Ao aproar, em cima de um burro, a Duas Igrejas, o Mestre invocou Vergílio: «hic domus, haec patria est… não a minha», avisou, «mas a do mirandês, que eu ia estudar». Um dos seus discípulos e testamenteiros, Orlando Ribeiro, que ainda conheci na nossa comum Faculdade de Letras de Lisboa, resumiu assim esse traço: «O Mirandês e as Tradições ilustram uma das principais facetas da vida científica de Leite de Vasconcelos – a extrema precocidade e a fidelidade, durante sessenta anos, às predilecções que constituem as suas principais linhas de pesquisa.» (Diário de Notícias, Lisboa, 7-II-1982)

 

A história da língua veio sendo contada, e dinamizada, por poucos, já na senda de António Maria Mourinho, que, em 1941, ano da morte de Leite de Vasconcelos, é convidado por Álvaro Pinto a colaborar na Revista de Portugal sobre fonologia mirandesa, vinte anos antes do título-charneira Nossa Alma i Nossa Tierra (1961). No lapso de 1971-1973, no semanário Mensageiro de Bragança, retomou o padre Mourinho a etnologia mirandesa e lições do Abade de Baçal. Sobre a história do idioma, entretanto, assinaria aí, em 1986, balanços suficientes sobre “Alguns cultivadores da língua mirandesa» (26-IX-1986; desce às notas de viagem a Miranda do seiscentista Manuel Severim de Faria); corrobora Menéndez Pidal e o sueco Erik Ataaft (1913) nas abordagens ao dialecto leonês; e, sobretudo, homenageia (Mensageiro de Bragança, 3-X-1986) Leite de Vasconcelos e o seu labor desde 1882, ano em que se estreava nestas lides com O Dialecto Mirandês (dito, já, no Mapa Dialectológico elaborado entre 1893 e 1897, co-dialecto, antes de o assumir língua, «idioma regular», no 1.º volume de De Terra em Terra, 1927).

 

Interessa-nos o segundo opúsculo, Flores Mirandesas (1884), com oitavas d’Os Lusíadas[1], e respectiva Proposição, saída em O Mirandês (1894), tudo acrescentado (incluindo excertos de teatro e de carta) no volume II (1901), IV parte, intitulada “Camoniana mirandesa”, de Estudos de Philologia Mirandesa.

 

Quer o soneto “Alma minha gentil que te partiste”, quer as endechas de “Aquela cativa” são comentados em artigo de Justino Mendes de Almeida[2], que antevê o «destino fatal do Mirandês, sujeito a desaparecer como língua literária e de comunicação, mais tarde ou mais cedo» (p. 158). Tanto pessimismo corroborava artigos de Imprensa, mais apocalípticos do que esperançosos. Assim, para memória passada, veja-se o Diário de Notícias de 10-I-1977, que titulava: «A fala mirandesa em vias de extinção»; mas o Expresso de 18-X-1980 anunciava: «Miranda do Douro – o despertar de um sono de 200 anos». O mesmo Diário de Notícias, em 21-III-1982, punha na boca de António Mourinho: «Mirandês pode desaparecer nos próximos 50 anos»; mas, em 5-XII-1993, afirmava, num desfasamento conceptual entre antetítulo e título: «Ensino escolar garante preservação do dialecto // Miranda do Douro / tem língua própria». Exceptuo destas hesitações as campanhas do jornal Planalto Mirandês (1986) e a coluna de Amadeu Ferreira, “Cumo quien bai de camino”, no jornal Público, sem já falar na sua larga colaboração no semanário Nordeste, onde fez a mão para o seu opus camoniano. Lidas aquelas notícias tremendistas, não temos a sensação de que se vai vencendo um pesadelo?

 

Recordo a precedência, pois, de Leite de Vasconcelos na tradução para Mirandês, também, do Camões épico, segundo descrição, algo desordenada, que desse labor fez Justino Mendes de Almeida. E comparemos duas estâncias do canto III, 20-21, não registadas por este camonista:

 

Eis aqui, quase cume da cabeça

De Europa toda, o reino Lusitano,

Onde a terra se acaba e o mar começa

E onde Febo repousa no Oceano,

Este quis o Céu justo que floreça

Nas armas contra o torpe Mauritano,

Deitando-o de si fora, e lá na ardente

África estar quieto o não consente.

 

Esta é a ditosa pátria minha amada,

À qual se o Céu me dá que eu sem perigo

Torne, com esta empresa já acabada,

Acabe-se esta luz ali comigo.

Esta foi Lusitânia, derivada

De Luso ou Lisa, que de Baco antigo

Filhos foram, parece, ou companheiros,

E nela antam [então] os íncolas primeiros.

 

Leite de Vasconcelos deu um título – Pertual // (Camões – Lus. III, 20-21) –, dedicado


A Trindade Coelho

 

A sua tradução, datada de Tierra de Miranda, 8 de Setembre de 1884, é esta:


Bede-lo, quaije n’alto d’la cabeça

D’l’Ouropa toda l reino Lusitano,

Donde la tierra acaba i l mar ampeça

I donde Febo drume n’Ouceano.

L cielo quijo q’esta eiqui floreça

Nas armas contra l bruto Mouritano,

Botando-lo de si, i nien l deixando

Alhá, n’África, star la paç gozando.


Ye esta la mie pátria mui amada:

Se a eilha me lhebar l Cielo amigo,

Cun toda la mie obra yá acabada,

Apague-se esta lhuç ende cumigo!

Fui datrás Lusitánia, assi chamada

De Luso ou Lysa, que de l Baco antigo

Éran filhos, parece, ou cumpanheiros,

I antre ls sous habitantes ls purmeiros.

 

Porque não estamos em aula de tradução, e, no meu prefácio, exarei considerações sobre alguns passos da aqui presente, fico-me por estes 16 versos para comparação, com que mais sobressai um bem dificultoso exercício, face a Mestre José Leite de Vasconcelos. A tradução dos 8 816 versos d’Os Lusíadas é, em Fracisco Niebro, muito próxima da letra do original, mesmo se comparada com traduções em prosa. Farei curto exercício de análise comparativa.

 

O díctico ‘Eis aqui’ = Eiqui stá, transforma-o Vasconcelos em ‘Bede-lo’: o que, além, é afirmativo, mesmo impositivo, troca-se em acto volitivo, apesar de imperativo, ‘Vede-o’, forma, aliás, comum no Poema, no que isso comporta de repetição agora escusada.

 

Em vez do nome ‘cume’, bem dado por ‘crona’, ‘coroa’, Vasconcelos prefere um lugar onde, ‘n’alto’, diluindo a força da nossa posição geográfica.

Em ‘repousa’, ‘çcansa’ é bem diferente, para melhor, de ‘drume’.

 

Infelizmente, ambos omitem ‘justo’, quando, desde Ourique (presente na derradeira estância do Poema), Portugal é uma criação desse ‘Céu justo’.

 

Divergem em guerras / armas (este em Vasconcelos, à letra), letra que recupera Niebro em ‘torpe’, contra ‘bruto’, adjectivo mais animalesco, sem coloração moral. Vasconcelos omite ‘ardente’, o que transforma a rima emparelhada, vv. 7-8, em ‘-ando’, contra o original seguido em Niebro, ‘caliente / giente’.

 

A segunda estância é muito semelhante em ambos. Mas o primeiro verso é decisivo, e um dos mais importantes da nossa língua: «Esta é a ditosa pátria minha amada».

 

Vasconcelos secundariza outro díctico, ‘esta’, que Niebro coloca logo à entrada, respeitando, assim, o paralelo ‘Eis’ / ‘Esta’, com sílaba métrica na primeira. Pior, porque precisa de uma sílaba, Vasconcelos transforma ‘amada’ em ‘mui amada’, mas acaba de omitir um adjectivo fundamental associado à ideia de pátria, ‘ditosa’. Conseguem ambos, todavia, um decassílabo que Camões tirou a ferros, pois, para haver cesura em ‘pá-‘, temos de encaixar ‘Esta é a’ em duas sílabas, lendo ‘Es / téa’.

 

Em 1900, concluía Leite de Vasconcelos que «o grau de vitalidade do mirandês é pequeno; de um lado, quasi lhe falta absolutamente litteratura; do outro, o povo que se serve d’elle vae-o desaprendendo, sob a influência de condições variadas.» (p. 162-163) Sabemos, hoje, da existência de um corpus literário significativo em Mirandês, em todos os géneros, não sendo pouco para espantar a peça em três actos Saias (1938), de Alfredo Cortez, sobre costumes dessa terra, e na sua língua; mas nenhum título se aproxima do agora apresentado, facilmente entendível, sem evitar as dificuldades já patentes no original. Deve, assim, o leitor resolver dúvidas nas notas de uma edição em Português. E, sabido que o Português moderno arranca em 1572, pergunto-me se esta tradução não constituirá, também, um marco no tocante ao desenvolvimento da segunda língua nacional.

 

Ernesto José Rodrigues

Lisboa (Centro Nacional de CUltura), 18 de Novembro de 2010

 

 



[1] As Flores… são saudadas n’O Imparcial de Coimbra (Novembro de 1884), onde pontifica Trindade Coelho (ver Correspondência, ed. cit., p. 92).

[2] “Camoniana mirandesa”, Estudos de História da Cultura Portuguesa, Lisboa, UAL, 1996, p. 157-166.

puosto por fracisco n. às 00:06
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quinta-feira, 7 de Abril de 2011

O oracionário mirandês: a língua das orações

[Estudo publicado no jornal Mensageiro de Bragança de 10 de Abril de 2003]

 

 

 

“Ó velhinha santa, minha boa amiga,

Reza o teu rosário, move os lábios teus!...

A oração é ingénua? Vem de crença antiga?

Não importa! reza, minha boa amiga,

Que orações são línguas de falar com Deus!...

Guerra Junqueiro, Os Simples, Lello & Irmão, Porto, 1978, p. 48.

 

 

 

Este texto pretende ser uma modesta e primeira reflexão sobre uma velha afirmação de J. Leite de Vasconcellos e sucessivamente repetida sem contestação, mas também sem demonstração: os mirandeses não rezam e talvez nunca tenham rezado mirandês.

Enunciado o propósito, fica claro que nos interessa, aqui e agora, o oracionário mirandês no seu aspecto cultural. Não que descuremos a essencial manifestação de fé que a oração sempre é, mas essa seria uma reflexão completamente distinta. É o sentido amplo de oração que nos servirá de referência. A pergunta - em que língua rezaram e rezam os mirandeses? -, delimita o nosso propósito, deixando de lado os inúmeros aspectos da chamada ‘piedade popular’, bem como a questão da língua das orações na Idade Média. Este texto vale, portanto, como uma primeira reflexão.

 

 

 

 

 

1. O movimento nacional dos sécs. XV-XVI para “rezar per linguajem”

 

Nos fins do século XV inicia-se em Portugal um movimento para rezar “per linguajem”, isto é, em português. Foi um movimento de grande amplitude e com intentos mais vastos de renovação da Igreja, visando ultrapassar a falta de cultura do clero e transmitir aos fiéis os princípios e mandamentos da doutrina cristã. Vários concílios provinciais realizados em fins do século XV estão na origem ou dão um grande impulso a esse movimento, como os de Braga em 1488, do Porto em 1496 e da Guarda em 1500. No que interessa ao nosso tema, refere a constituição XXX do sínodo do Porto: “por quanto somos ora emformados (...) que muitos freigueses (...) nõ sabem o pater noster nem ave maria nem mays pouco sabem os preçeptos e mãndamentos nem as obras de misericordia nem os pecados mortaaes pollo qual nõ se sabem cõfessar (...), mandamos que daqui em diante todollos abades rectores e capellães das ygrejas do dito nosso bispado (...) ensinem a todollos seus freigueses em modo que o bem possam aprender per linguajem os preçeptos e mãdamentos e peccados mortaaes” (vd. Elsa Maria Branco da Silva, O Catecismo Pequeno de D. Diogo Ortiz, Bispo de Viseu, edições Colibri, Lisboa, 2001, maxime p. 72).  Esta autora, onde pode encontrar-se um tratamento aprofundado do tema, conclui quanto àquele movimento: “No século XV a língua vernácula sofre uma valorização inquestionável em face da língua latina, como o provam as diferentes traduções que entretanto vão sendo feitas. Este fenómeno de publicação e de divulgação de obras em linguagem tem de ser interpretado como consequência da necessidade de afirmação da língua vernácula, pois temos a certeza que neste período de finais da Idade Média se começava a alargar o conhecimento do latim” (o.cit. p. 74).

É dentro deste movimento que devem ser integradas as Constituições Sinodais do Bispado de Miranda, de 1563, elaboradas por D. Julião D’Alva, 3º bispo de Miranda, que prescreviam: “Mandamos a todos os abbades, priores, reitores, curas & capellães deste nosso bispado, que cada um em suas ygrejas, assi nas matrizes como nas annexas, ponham em hũa taboa bem concertada hũa folha que agora mandamos imprimir, em que se contém a doutrina christãa: a qual estará pendurada de hũa cadea posta nas grades ou paredes das ditas ygrejas em altura conveniente: por que todos os que quiserem possam nella ler e aprender a dita doctrina, e pola mesma taboa a possam os ditos curas ensinar”. Os párocos deviam ensinar os moços de 5 a 12 anos “muy de vagar, em voz alta e intelligível, de maneira a que de todos possa ser entendida”. (in J. Leite de Vasconcellos, Estudos de Philologia Mirandesa, I, p.155). J. Leite de Vasconcellos admite tratar-se de disposições similares às de outros bispados mas, para uma região onde o povo falava mirandês, as consequências seriam bem maiores, concluindo: “... fica manifesto que mal poderiam ter chegado até nós orações e rezas em mirandês, se é que anteriormente a D. Julião ellas se usaram nesse idioma” (o. cit. p. 156). E acrescenta, “não sei se em algum tempo as orações foram rezadas em mirandês; o que porém é certo é que há razões históricas, e muito positivas, para se explicar o facto actual (“...de serem as rezas e orações não em mirandês, como se esperaria, mas em português”). São ainda as Constituições de D. Julião de Alva que nos elucidam.” (o.cit. p. 155).

António Maria Mourinho (vd. Terra de Miranda. Coisas e factos da Nossa Vida e da Nossa Alma Popular, ed. Câmara Municipal, Miranda do Douro, 1991, pp. 261) segue a lição de J. Leite de Vasconcellos quanto à língua das orações e quanto às consequências das Constituições Sinodais de D. Julião d’Alva: “A gente da Terra de Miranda, segundo suponho, nunca terá rezado em mirandês. Durante a Idade Média, rezava-se em latim (...)”. Assim, as dúvidas de J. Leite de Vasconcellos (“não sei se em algum tempo as orações foram rezadas em mirandês”) convertem-se em certezas com António Maria Mourinho (“nunca se terá rezado em mirandês”).

Já Domingos Raposo não é tão incisivo, ao constatar a existência de orações em mirandês: “... para alhá de rezar quaije siempre an pertués, tamien ten las sues ouraçones an mirandés” i transcreve uma das muitas versões do “Padre Nuosso Pequenino” e algumas rezas (vd. Domingos Raposo, “Lhéngua Mirandesa – Muôlo de Cultura Biba, in Entre Duas Margens. Douro Internacional, João Azevedo Editores, Mirandela, 1998, p. 68).

As afirmações de J. Leite de Vasconcellos e de António Maria Mourinho, pese embora a grande autoridade destes autores, carecem de ser demonstradas. A constatação de Domingos Raposo, que qualquer mirandês pode corroborar, é incontornável: “existem orações em mirandês”. Mas essa constatação empírica não basta, pois este último autor também conclui que os mirandeses rezam quase sempre em português, isto é, não avança muito em relação às posições de Vasconcellos e de Mourinho. Para poder ir mais longe, impõe-se uma reflexão metodológica e terminológica que permita enquadrar a realidade do oracionário mirandês.

A oração tem de ser inserida na vivência da religiosidade pelas comunidades e pelas pessoas, numa situação em que o sagrado impregna profundamente toda a vida e o agir dos povos. Nesse sentido, é essencial distinguir realidades que não se confundem: a prática colectiva e pública da oração, nas igrejas e sob controlo da hierarquia e da própria comunidade; a prática individual de relacionamento com Deus e os santos através da oração; a prática individual ou colectiva de relacionamento com Deus, com os santos, ou com forças naturais, mas fora do controlo da Igreja e dos seus rituais. Vejamos cada uma das situações.

 

 

2. A oração na liturgia oficial na igreja

 

 

 

As orações ditas nas igrejas ou integradas em ritos do calendário litúrgico consistem, sobretudo, em fórmulas ensinadas através da catequese ou transmitidas oralmente de geração para geração e aprendidas em oracionários, muito em voga em determinadas épocas. Essas orações são ditas em português, desconhecendo eu qualquer excepção a essa regra. A Igreja adoptou claramente e de modo muito forte a língua portuguesa e esta foi imposta às pessoas como “língua de falar com Deus”. Tudo indica que assim será desde os sécs. XV-XVI, isto é, desde o início do movimento nacional para rezar “per linguajem”, que nunca teve em conta a especificidade linguística mirandesa, até porque, tudo indica, esta não seria considerada como uma verdadeira língua. Tal facto desencorajou a elaboração de orações para dizer na igreja e em público, pois tal nunca seria aceite. Quanto ao que terá acontecido antes dessa data, sobretudo durante a Idade Média, é assunto que deixamos para outra ocasião.

Durante muito tempo, sobretudo nos séculos XVIII e XIX, circularam livrinhos com fórmulas de orações adequadas para todas as ocasiões da vida, ao longo do dia e do ano. Essas orações eram aprendidas por algumas pessoas que depois as divulgavam e que a tradição incorporou e adoptou, seleccionando aquelas a que o povo mais se afeiçoou por razões de facilidade ou de utilidade. António Mourinho dá o exemplo de tiu Domingos Cangueiro, de que eu próprio muito ouvi falar, como uma dessas pessoas que eram um repositório de orações (vd. Cancioneiro, cit., p. 285).

A repetição dessas fórmulas era considerada essencial, sendo muitas vezes mecânica na resposta à pessoa que conduzia a oração e, por vezes, deturpado o seu conteúdo por falta de entendimento de algumas palavras. Parece-me interessante referir que a pessoa que conduzia as orações públicas, por exemplo a velar um morto, apresentava as intenções dessas orações ou fazia a ligação entre elas sempre em mirandês, mas, mal iniciava a oração, passava ao português. Por vezes, nas orações públicas, pouco mais se ouvia que clamor que ressoava repetidamente pelas naves das igrejas ou nas casas. Muitas dessas orações concediam indulgências ou, se ditas um certo número de vezes ou em certos dias, concediam determinadas graças, o que era um factor essencial para serem ditas e repetidas. Por isso, sendo as orações aprendidas na língua portuguesa, esta passava a fazer parte essencial do formulário e devia ser mantida, como se o poder da oração também residisse nas próprias palavras.

Sendo a missa em latim, algumas pessoas rezavam baixinho certas orações, ensinadas para momentos próprios, ao ajoelhar-se, ao elevar da hóstia e do Cálice, etc. Várias dessas orações chegaram até nós e ainda hoje são ditas por pessoas mais velhas. Noutros tipos de rituais, que não a missa, como novenas, via-sacra, o “rosairo”, as orações ou respostas do povo ao sacerdote eram também em português. Igualmente parecem ter sido rezadas em português as duas orações mais populares, o Padre Nosso e a Ave Maria (o chamado Padre Nosso Anteiro), mas, nesse caso, dada a frequência com que eram rezadas, saía um português amirandesado, variando conforme as pessoas. Lembro-me da minha avó Ana a rezar assim (ainda nasceu no século XIX e morreu quando eu tinha 19 anos), pois rezar em português exigia um esforço muito maior, dado o menor domínio da língua.

Em conclusão, nas situações referidas neste ponto, a língua era usada em face de elementos estranhos à comunidade e a regra, nesses casos, mesmo que não se trate de rezar, é sempre o uso da língua portuguesa. A Igreja, encabeçada pelo padre que, em regra, não falava mirandês, era objecto de uma relação linguística similar à estabelecida com outras instituições públicas exteriores à comunidade, como as estaduais.

 

 

 

 

 

3. A oração como prática individual

 

 

Como é sabido, a oração na igreja ou ligada aos ritos do ciclo cristão não esgota as ocasiões em que se rezava, embora, à medida que recuamos no tempo, mais importante se revela o papel do ‘ministro’ no contacto com Deus, em nome de todo o povo. Dado que o sagrado impregnava de modo profundo a vida das pessoas, todas as ocasiões tinham orações a elas ligadas, tendo chegado até nós um grande conjunto de orações não oficiais, recitadas colectiva ou individualmente. Mesmo muitas pessoas que não frequentavam a igreja também rezavam. É frequente ouvir expressões como “You nun bou a missa, mas acá tengo la mie debocion.” Há algo de muito imediato, de urgente e de concreto nessas orações individuais, a contrastar com o carácter mais genérico e abstracto da maioria das orações referidas no ponto anterior que não contêm apenas súplicas, mas incorporam louvores, acções de graças, etc.. Nessas ocasiões as pessoas estão mais dispostas a fazer comércio através de promessas do que a rezar ou a confiar exclusivamente  nas palavras da oração, embora esta acompanhe sempre a prática, assente no princípio “do ut des” (dou para que me dês).

Há um texto impressionante que nos é apresentado por A. M. Mourinho como testemunho pessoal (Terra de Miranda..., cit., p. 367) nos seguintes termos: “Nas igrejas em que não há altar das almas, são os votos e orações pelos mortos dirigidos à Santa Cruz. Uma imagem grande do Crucificado segue à frente da cruz paroquial nos acompanhamentos fúnebres. Recordo-me de ter ouvido num enterro, em Cércio, ao chegar a Santa Cruz à casa onde estava o defunto, uma velha mirandesa dorida pela morte do marido, levantando as mãos ao céu a clamar em mirandés: Ah Santa Cruç gloriosa, acumpanhai la almica de l miu home pa l reino de la Glória!... Ah Pai de mezericórdia, nun deixeis la almica de l miu home caier n’einfierno!...”. Em rigor, estamos perante uma verdadeira oração e não perante um pranto dado que este se traduz em fórmulas previamente preparadas e muitas vezes ditas por profissionais pagas para chorar. Eu próprio assisti diversas vezes a situações como as que A. M. Mourinho relata, em que a língua utilizada era sempre o mirandês. Refiro este exemplo como paradigmático relativamente às orações individuais das pessoas, com ou sem exteriorização pública.

No seu dia a dia, os mirandeses sempre se referiram a Deus na sua língua, seja ao cumprimentar as outras pessoas (Dius mos dé bunos dies. Bunos dies mos dé Dius), ao lembrar os mortos (Que Dius le perdone! Que Dius l tenga an çcanso!), seja ao dirigir-se a Deus, à Virgem ou aos santos em momentos de aflição (Ah Dius!, ajuda-me; Ai bala-me Dius!; Ai, bala-me la birge Santíssima!; Ai Nuossa Senhora m’acuda!). Embora não estejamos perante orações, estas fórmulas e outras semelhantes mostram a existência de uma referência a Deus em mirandês. O mesmo vale para os nomes dados a Nossa Senhora e aos santos, sempre tratados em mirandês: Nuossa Senhora de l Naso, de la Lhuç, de l Monte, de l Rosairo, de l Sartigalho; San Jesé, San Juan, Sant’Antonho, Santa Bárbela, Sant’Eistéban, Santa Marina, Santa Luzie, etc. Este facto ajudar a explicar que os mirandeses nunca tivessem deixado de rezar em mirandês e a importância dos santos como alguém considerado simultaneamente mais próximo das pessoas e de Deus. Isso demonstra igualmente que as pessoas encaram a sua língua como instrumento adequado para se dirigir a Deus ou aos santos ou para invocar o seu nome. Quando faltam elementos de controlo ou inexistem outras razões que imponham a língua portuguesa nas orações, a língua usada tende a ser o mirandês como língua mais natural e usada no dia a dia. Merecem tratamento os problema psicossociológicos resultantes dos modos de tratamento não uniformes usados com Deus, mas não podemos tratá-lo neste espaço.

As orações públicas rezadas fora da igreja, por exemplo no fim de uma refeição de festa, eram sempre conduzidas por uma pessoa que se considerava que sabia rezar: é ‘a pessoa que mandava rezar’. Alguém diz: “Bá, quien manda rezar?” E logo uma pessoa se oferecia ou era indicada. Essa pessoa dirigia a oração, fazendo as encomendações pelos mortos, dizendo as intenções da oração, pelas colheitas, pela saúde, etc. o que já era uma verdadeira oração, sempre dita em mirandês. Tudo termina com o chamado Padre Nosso Anteiro (Padre Nuosso, Pan Nuosso, Abe Marie i Santa Marie), dito nun português muito amirandesado. Este Padre Nosso Anteiro tinha autonomia face às outras orações, pois era uma espécie de chave com que terminavam quase todas as orações, e era dito ao toque das Trindades, ao passar no campo junto de uma cruz, depois das refeições, etc. Dizem as pessoas mais velhas para clarificar: “nós poniemos todo al nuosso son” (punhamos tudo à nossa maneira). Por exemplo, uma pessoa entrava na igreja e benzia-se com água benta dizendo: An nome de l Pai, de l Filho i de l Sprito Santo.

Podemos concluir que os mirandeses, quando assumem a oração como um acto individual, tendem a rezar em mirandês, e nesta língua se dirigem a Deus, a Nossa Senhora e aos santos, mesmo quando usam fórmulas prévias e ainda que tenham de as traduzir, não se importando com o desacerto da rima. Quando a oração é pública, mas fora da igreja, e ‘quem manda rezar’ é um mirandês, a oração é sempre em mirandês, rematando com uma fórmula, em regra o Padre Nuosso Anteiro, numa mistura das duas línguas, a tender mais para uma ou para outra conforme as pessoas.

Não posso deixar de referir que há um número significativo de orações em castelhano que também são recitadas, todas se caracterizando pela sua rima expressiva e cantante, que sónan bien, como me disseram algumas pessoas, e são ditas como se fossem um romance não cantado. Na maioria dos casos, tal como referimos para as fórmulas oracionais em português, eram ditas com uma grande quantidade de palavras mirandesas.

 

 

 4. O poder das palavras

 

 

Há muitos casos de orações dirigidas a Deus e aos Santos em que se atribui um valor específicos a uma oração concreta, com aquela fórmula, ainda que deturpada em muitos dos casos. Há mesmo orações que exigem determinados ritos, por exemplo rezar três vezes ao dia; rezar às sextas-feiras; rezar ao deitar ou ao levantar, etc. Há uma oração apropriada para cada momento e para cada situação. De entre estes casos impressionam particularmente os exemplos de orações em português que terminam com fórmulas explicativas dos seus efeitos. Estas fórmulas não são específicas do oracionário mirandês. O que as caracteriza é serem em língua mirandesa. São fórmulas que já não fazem parte da oração, e no entanto são ditas sem respirar após ter acabado a oração. Vejamos alguns exemplos. Uma oração a São Bartolomeu recolhida em Sendim termina assim (vd. Carlos Ferreira, in www.mirandes.no.sapo.pt): “Quien esta ouracion dezir trés bezes al die, ancuntrará las puortas de l cielo abiertas i las de l einfierno nunca s’abriran”. Numa outra oração recolhida no mesmo local: “Quien esta ouracioun dezir todas las sestas de l anho, sacará ua alma de pena i la sua de l pecado”. Nalguns casos a fórmula final é ainda mais enfática: “Quien la sabe que la diga/ Quien nó, que l’aprenda,/ A la hora de la sue muorte, / Sue alma se l’arrependa (vd. António Maria Mourinho, Cancioneiro Tradicional e Danças Populares Mirandesas, 1º volume, Miranda do Douro, 1984, p. 113). Ou ainda esta variante, que me habituei a ouvir desde criança: “Quien la sabe que la diga/ Quien nó que la deprenda, / Q’a la hora de la sue muorte/ La sue alma nun se perda.” A língua usada com estas e outras fórmulas semelhantes mostra que as pessoas, mal terminava a oração propriamente dita, voltavam à sua língua, o que é bem revelador de que a língua utilizada era aquela em que as orações tinham sido previamente aprendidas.

O povo sempre teve o gosto das fórmulas oracionais complexas, dramáticas, com o seu quê de teatral, ainda que de origem erudita, tal como sempre foram apreciadas as pessoas que sabiam de cor essas orações. Eu próprio ainda hoje tenho bem presente a profunda impressão que, em criança, me causava o “Triste Dia” (tradução portuguesa do “dies irae”), rezado/declamado nos três dias em que se rezava nos “rosairos de belada” após a morte de uma pessoa e em casa dela. No comentário que faz a esta oração, António Maria Mourinho reflecte bem esse ambiente: “O fundo dramático de medo e espanto que domina também esta tradução do Dies Irae (...) caiu muito bem nas almas destes povos, por isso eles a conservam intacta até para além dos nossos dias.” (vd. Cancioneiro..., cit., p. 285). Todo este ambiente incentivava a que as orações fossem ditas na língua em que foram aprendidas, o português.

Há um conjunto de outras orações, geralmente ditas em mirandês, em que o poder das palavras é igualmente essencial. Muitas delas são classificadas como rezas e benzeduras, que têm muita da sua eficácia agarrada ao ritual das palavras, ditas de certa maneira e por uma certa ordem, bem como aos sinais feitos enquanto se diz a oração. O seu texto escapa a um controlo oficial, estando a língua em que são ditas exclusivamente dependente de quem as diz. Centrando a atenção nestes casos, encontramos orações para uma boa cozedura do pão, para quando se coloca uma galinha a chocar os ovos, orações a Santa Bárbara contra as trovoadas, orações a Santo António quando se perdem coisas ou para guardar os gados, orações para obter a cura de doenças de pessoas ou animais, etc. De todas essas orações circulam inúmeras versões em mirandês, mas podemos encontrá-las noutras regiões do país, e mesmo na região de Miranda, em português.

 

 

 

 

 

5. O oracionário mirandês 

 

As orações transmitidas pela tradição oral, independentemente da sua origem, fazem parte da literatura oral e são um dado cultural e identitário da mais alta relevância. Relativamente ao oracionário em mirandês, as recolhas efectuadas até agora são ainda muito pouco significativas, talvez devido à pouca importância que se tem dado a essa parte da literatura oral. Parece-me essencial colmatar essa lacuna e trazer à luz do dia o essencial do oracionário mirandês, independentemente da língua em que as orações são rezadas.

A mais importante recolha até agora efectuada foi publicada por António Maria Mourinho no Cancioneiro e Danças Tradicionais Mirandesas, vol. I (pp. 257-276), onde são publicadas à volta de 40 orações, das quais só uma é em mirandês, dedicada a Santo António (p. 259-260) e outra é em mirandês e em castelhano (p. 122-125). Alguns outros elementos são publicados em outras obras do autor, que deu grande importância à religiosidade do povo mirandês, embora sejam muito poucas as orações recolhidas (ver, em particular, Terra de Miranda... cit.)

Domingos Raposo (“Lhéngua Mirandesa – Muolo de Cultura Biba”, in Entre Duas Margens. Douro Internacional, João Azevedo Editores, Mirandela, 1998, p. 68) publica uma versão do “Padre Nuosso Pequenino”  e uma oração para rezar quando se mete o pão no forno.

Em Lhiteratura Oral Mirandesa. Recuôlha de textos an mirandés, Granito Editores e Livreiros, Porto, 1999, coord. por António Bárbolo Alves, é publicada uma oração em mirandês e duas benzeduras em português (vd. p.61).

Carlos Ferreira publicou cinco orações recolhidas em Sendim (www.mirandes.no.sapo.pt), quatro em mirandês e uma em mirandês e castelhano.

Foi também publicada uma oração a Santa Bárbara, em mirandês, no sítio da internet www.eb2-miranda-douro.rcts.pt/mirandes/

Numa recente recolha de literatura oral efectuada em Malhadas por Duarte Martins (no prelo) são também apresentadas várias orações recolhidas da tradição oral, todas em mirandês. Algumas são versões em mirandês de orações já publicadas por António Mourinho, mas em português.

Eu próprio tenho recolhido em Sendim, de forma não sistemática, algumas orações até agora não publicadas, mas que tive em conta para este estudo.

 

Do que fica dito, com base nas recolhas publicadas e em inquéritos pessoais realizados, não se comprovam as afirmações de J. Leite de Vasconcellos e de António Maria Mourinho quanto à língua usada pelos mirandeses para rezar. O que se pode concluir é, afinal, bem simples, embora desconcertante: o uso da língua em relação às orações não difere, em grau, do uso da língua em relação às outras situações da vida e à literatura oral em geral. Assim, quando usou a célebre e hoje ultrapassada fórmula de que o mirandês era a língua do campo, do trabalho e do amor, J. Leite de Vasconcellos devia ter acrescentado, glosando a belíssima expressão de Guerra Junqueiro, que o mirandês também é uma língua de falar com Deus. Se tivesse percebido isso, talvez encarasse duma outra forma a capacidade de resistência do mirandês.

 

Amadeu Ferreira

 

 

 

puosto por fracisco n. às 16:03
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quinta-feira, 31 de Março de 2011

La cidade de Miranda de l Douro i la lhéngua mirandesa

[Este artigo fui publicado na Rebista EL FILANDAR / O FIADEIRO, 2004, Çamora]

 

 

 

 

1. Ye Leite de Vasconcellos quien diç que la lhéngua mirandesa se falou na cidade de Miranda de l Douro i deilha haberá zaparecido quando passou por un cierto zambolbimiento, antre ls seclos XVI i XVII: “... quando a cidade prosperava, o idioma desaparecia; um facto era consequência do outro, porque, perante a lingoa portuguesa, ao mesmo tempo literária e nacional, a mirandesa não passa de falla local, caçurra ou charra, que só se emprega nos usos domésticos, e não podia aspirar a servir de órgão ás pastoraes dos senhores bispos de Miranda, nem a ser entoada do pulpito da sé cathedral pelos doutores, ou pelos abbades, em sermões de maravilhosa doutrina, nem ensinada por mestres caturras, nem finalmente adoptada nos actos officiaes que a nova cidade era chamada a desempenhar.” (VASCONCELLOS, I, 150) Assi, por esse camino, fácele ye de cuncluir que esse fin de la lhéngua nun se stendiu a las aldés porque nun haberan sofrido la mesma anfluença que la cidade. Talbeç l eilustre sábio tenga rezon, mas esso nun mos puode ampedir de poner eiqui algues preguntas i alhebantar algues dúbedas.

 

 

 

I. Falou-se mirandés an Miranda de l Douro?

 

2. J. Leite de Vasconcellos diç que si, que se falou mirandés an Miranda: “Creio que fica assim demonstrado, por considerações theoricas, pela noticia de Severim de Faria, e pelos vestigios do onomástico e da lingoa commum, que o mirandês se fallou até certo tempo na propria cidade de Miranda” (VASCONCELLOS, I, 126-127). Apuis del, to la giente passou a defender la mesma oupenion, mas sin que ls sous argumientos háian tornado a ser analizados. La drª Cristina MARTINS (1994, 95-105) faç ua analze teórica de l porblema, mas sin çcutir ls argumientos i las cunclusiones de J. Leite de Vasconcellos, pus nun era esse l sou oujetibo. Pul mesmo camino bai, por eisemplo, la porsora doutora Clarinda de Azevedo MAIA (1999, 164-165). Por mi, cuido que bal la pena tornar als argumientos daquel sábio i ber-los cun atencion, un por un.

 

3. Ls argumientos teóricos apersentados por L. Leite de Vasconcellos, l que el mesmo chama ua “prova, meramente a priori”, son las seguintes: “Sendo a cidade de Miranda, por assim dizer, a capital do território onde o mirandês tem o seu dominio, e fallando-se este ao Norte, ao Sul e ao Occidente, torna-se muito natural suppôr que também outr’ora se fallou na propria cidade, e que só com o andar do tempo deixou de lá se usar” VASCONCELLOS, I, 105). Esta eideia ganharie inda mais fuorça por Miranda ser tan rural cumo las aldés, mesmo quando passou a ser cidade i staba na sue maior fuorça. (VASCONCELLOS, I, 106-108). Que dezir destas cunsideraçones? Que esta heipótese teórica ten que ser cunfirmada cun outros argumientos stóricos, assentes an fatos.

 

4. Quanto a la notícia de Manuel Severim de Faria[1], parece nun haber grandes dúbedas de que las anformaçones le haberan sido dadas subretodo puls clérigos cun quien stubo. Essas anformaçones respeitában tanto a la situaçon de l’eigreija ne l bispado de Miranda, cumo a las colheitas, al clima i tamien a la lhéngua de la Tierra de Miranda. Al ampeçar, fala solo de la cidade: “He esta çidade de Miranda pouoação antigua deste Reyno ... A pouoação he pequena e não passa de quatrocentos vizinhos, posto q. a cerca ocupa maior lugar”. Mas daqui an delantre passa a falar, yá nó de la cidade mas de la Tierra de Miranda ou de ls alredores de la cidade i de todo l que eilha daba: “He terra abundantíssima de pão e de senteio, mas de pouca sevada. Vinhos tem muitos bons e baratos, e grande copia de carnes principalmente de vitelas e carneiros, os quais pella maior parte são de lam negra, e os porcos pello contrario todos de çeda branca”. Ora ye neste seguimento que fala de la lhéngua daqueilha giente. Assi i todo l testo nun ye claro i l mais de las bezes mistura anformaçones subre la cidade i anformaçones subre l sou termo.

Sabemos que Manuel Severim de Faria stubo an Miranda uns uito dies, antrou a 28 de Nobembre pula fin de l die i saliu l 7 de Dezembre pula manhana. Anquanto stubo na cidade “foi o Sõr chantre uizitado de todos os conegos, e dignidades da Sé e banqueteado sempre do Bpº. esplendidissimamente. E do mesmo modo o forão seus criados aos quais seruirão sempre com baixella de prata, e mtas iguarias.” Nesta besita Manuel Seuerim de Faria há-de tener sido anformado de todas las cousas que mos cunta, pus nun tenerie cundiçones para el mesmo ouserbar todo l que cunta: la stória, l que benie de Spanha, las décimas pagas al bispo, ls dies de feira, i até l tiempo que fazie de berano, stando a fazer la besita ne l eimbierno. “he no verão de tão calido clima q. seccão nella todas as fontes e duas grossas ribeiras q. junto della correm. Em todo este tempo se não ue nella folha verde”. Assi, l’oupenion que mos deixa subre la lhéngua, serie la que l bispo i ls cónegos de Miranda tenien subre eilha, amostrando cumo essa era ua lhéngua stranha para eilhes i que nun la sabien.

An cunclusion, la notícia de Severim de Faria nun sirbe cumo argumiento, al menos defenitibo, para probar que na cidade de Miranda se falou mirandés, anque seia talbeç la mais antiga notícia de que na Tierra de Miranda se falaba ua lhéngua defrente de l pertués.

 

5. Un treceiro argumiento de J. Leite de Vasconcellos ten a ber cun alguns chamadeiros de l termo alredror de la cidade: Costanilha, Molinho ou Molino Encaleado, Richana, Terronha, Lhagonica. Todos estes chamadeiros son de sítios fuora de la cidade, l que ye algo de eissencial, i seran todos eilhes mui antigos. Mesmo l chamadeiro Costanilha,  “nome de campos da freguesia, e tambem nome antigo de uma rua que hoje se chama da Costa”, se refire a campos fuora de la cidade i l nome de la rue solo ye esse porque dá salida para esses campos.[2] Ye possible que esses chamadeiros yá eisitíran antes de la criaçon de la bila de Miranda por Don Deniç, i houbíran sido puostos pula giente de las quintas alredror que lhaboriában essas tierras i pali íban culs sous ganados. Portanto, que haba chamadeiros an mirandés al redror de la cidade de Miranda nun proba que na cidade se houbira falado mirandés, mas que esses chamadeiros fúrun criados por giente que falaba mirandés, la giente que trabalhaba essas tierras i podie morar nas bárias quinticas que habie eilhi alredror, possiblemente inda antes de ser criada la bila de Miranda.

 

6. Por fin, diç J. Leite de Vasconcellos que un outro argumiento se tira de la “lingoagem comum”: “Passando do onomástico à lingoa commum, achamos tambem um rasto do mirandês em Miranda. Nesta cidade ouvi, como de uso geral, a palavra burrona, que significa “burra grande”; o sufixo –ona, de que já a cima tratei, é outro exemplo de manutenção de n, como em Lhagonica” (VASCONCELLOS, I, 126) Cumo l própio outor mos diç,  trata-se de ua palabra eizolada.

 

7. Eiqui chegados, podemos cuncluir que se falou ou que nun se falou mirandês na cidade de Miranda? Cuido que qualquiera de las cunclusiones serie andeble. L que mos parece cierto ye que ls argumientos apersentados nun próban que essa lhéngua se houbira falado na cidade de Miranda. Sendo assi, tornamos al punto zero i hai que ir por outros caminos.

 

 

 

II. Quien fui la giente que fizo la bila de Miranda de l Douro?

 

8. Las ambestigaçones feitas até agora nun mos premíten inda cunclusiones ciertas quanto a la ourige de Miranda[3]:

- Uns dízen que Miranda eisistirie yá de antes de la nacionalidade ou haberá sido criada por essa altura, i que Don Fonso Anriqueç le haberá dado carta de foral. Hoije sabemos, cun certeza, que l foral de Don Fonso Anriqueç ten a ber cun Miranda do Corvo i nó cun Miranda de l Douro, cumo diç Cristina PALMEIRÃO (). Esse fui un erro de leitura, purmeiro de Alexandre Herculano i apuis de l ABADE de BAÇAL (IV, 81) que hoije stá defenitibamente sclarecido, anque muita giente cuntine a zirrar na mesma eideia solo cun assento na outeridade destes dous outores. An qualquiera caso, nun custa a aceitar que ls nuossos purmeiros reis s’acupáran mais de la recunquista i menos cun ua terrica que nun le daba porblemas, nua altura an que l porblema de las frunteiras de l reino inda nun se habie puosto cun to la fuorça.

- Outros dízen que haberá nacido solo quando fui criada por Don Deniç, an 1286, cumo ye l caso de l dr. Hermínio BERNARDO (1997, 559): “... tudo aponta para que se possa considerar D. Dinis como o fundador de Miranda em 1286. E será uma criação de raiz.” Artur Carlos ALVES (1972, 47-48; 1974, 89) fala nun decumiento de 1256 an que yá se trata Miranda por villa, mas parece-me que ua buona leitura de l decumiento nun premite essa cunclusion. L decumiento, de 28 de Setembre de 1256, trata dua compra feita pul mosteiro de Moreiruola a Sancha Laurenz de Angueira i diç assi: “Saban todos aquellos que viren aquesta presente carta que yo Sancha Laurenz en sembla con mias filias Maria Rodriguez e Fronilla Rodriguez vendo / a vos don Pedro abbat e al convento de Sancta Maria de Morerola elas duas partes dela quarta dela villa que ya dita Anguera que iaz en Miranda e en / sous terminos de aquella villa.” (ALFONSO ANTON, 1986, 455, sublinhado miu). Ora l decumiento solo fala de la villa de Angueira, mas Artur Carlos Alves faç outra leitura porque adonde stá l pornome “aquella”, lei “aquesta”, l que altara ls dados[4]. Qual ye la leitura cierta? Por mi nun conheço l decumiento oureginal, mas parece-me ser de cunfiança la leitura feita pula storiadora Isabel Alfonso Anton, naqueilha obra que ye la sue tese de doutoramiento pula Ounibersidade Cumplutense de Madriç, an 1980.

Ye anteressante ua carta de l rei D. Pedro I, de 4 de Márcio de 1358 que “confirmou e outorgou ao concelho e homeens bons de mjranda a noua de Riba de doiro todos seus priuylegios foros liberdades e boons costumes” (MOREIRINHAS, 1964, 105). Beia-se que se le chama a Miranda “a noua”[5], l que solo se antende se houbira ua bielha, talbeç Miranda do Corvo. I la nuoba ye la nuossa pus ye “de Riba de doiro”[6]. Siempre se poderá dezir que l adjetibo “noua” solo se refire a la bila criada por D. Deniç, abó de D. Pedro, i que esso nun ampide que antes alhá houbira ua quintica.

 

9. Eisistira Miranda yá antes de Don Deniç ou fura criada por el, cuido que podemos aceitar la notícia de Jeronymo Cardoso ne l Agiologio Lusitano (seclo?), cumo buona: “Era ella, antes que el-rei D. Dinis lhe pusesse os olhos, hua aldeia ignóbil”, quier dezir, era ua quintica, tal cumo le chamamos a estas terricas an mirandés. Tenerie ua meia dúzia ou, al maior, ua dúzia de pessonas. Serie tal i qual cumo outras que hai por alhá acerca, nun cacho de termo a que an algues aldés inda le cháman Las Quintas: Bal de Mira, Peinha Branca, Palancar, San Pelaio, Réfega[7], Bal d’Aila. Bendo bien l cabeço adonde queda la cidade, aqueilho darie para un tagalho i para algues huortas a la borda de l Frezno i pouco mais. Este punto parece-me eissencial, pus quier dezir que la bila de Miranda tenerie que ser custruída cun giente de fuora. I quien era essa giente que bieno de fuora?

 

10. Antes de mais fúrun ls repersentantes de l rei i sous criados, assi cumo ls curas de l’eigreija de la nuoba bila. Hai un decumiento de 20 de Febreiro de 1298 (ALFONSO ANTON, 1986, 499-500), screbido an bun pertués por un tal “Martin Anes tabalion publico del rey en Miranda”, subre un cuntrato antre l abade de l mosteiro de Moreiruola i l arcebispo de Braga, i que fala de las seguintes pessonas: “Monio Fernandez vicario en terra de Miranda” e “Asenço Viviaez abade de Santa Maria de Miranda, yo Johanio clerigo ... alfayate moradores en Miranda”. Tenemos, portanto: 1 tabelian, 3 curas i un alfaiate.

 

11. Pula altura an que se scribe este decumiento starie an custruçon l castielho de Miranda i, para esso, tamien muita giente haberie benido de fuora lhebando a un oumento de giente anquanto durou la custruçon. D’adonde bieno essa giente? Canteiros para cortar la piedra, pedreiros, carreteiros pa la acarrear, i mestres de la obra pa la ourientar, cuido que ye giente que nun haberie nin na vila de Miranda nin na Tierra de Miranda, rezon por que l mais deilha há-de tener benido de fuora. Era giente que nun falaba mirandés.

 

12. Fazendo-se un castilho hai que poner alhá alguns suldados cun sous oufeciales, pa lo çfender. Nun me parece que fura giente de la bila ou de la Tierra de Miranda, mas l mais deilha serie de fuora, sendo, portanto giente que nun falaba mirandés.

 

13. Nun me parece que haba grandes dúbedas de que, apuis la criaçon de la Bila de Miranda por Don Deniç, l mais de la giente de Miranda era giente de fuora, cumo se diç an mirandés, era giente de baixo que nun falaba mirandés. Tamien ye cierto que essa giente inda era mui pouca pus ls reis nun se cansórun de criar cundiçones para que alhá fúran a morar mais pessonas de fuora. Claro stá que ls mirandeses cuntinában a bibir nas sues aldés i a tratar de l sou lhaborico, pus ir a bibir pa la bila era nun tener adonde ganhar la bida, i esse percípio de outonomie era la base de l’eiquenomie mediabal. L remédio para oumentar la populaçon era la giente benir de fuora. Fui esso que ls reis tratórun de ancentibar.

 

14. Lhougo mui cedo, an 1379, la bila de Miranda fui çclarada cumo couto de houmiziados. Ls coutos de houmiziados éran tierras de frunteira para adonde se mandában ciertos creminales an beç de íren pa la cadena ou de lhebáren un castigo mais fuorte. Essas pessonas benien pa ls coutos i por alhá podien quedar bários anhos. Algue de la giente de Miranda, nun sabemos an que porcentaige, serie dessa giente que benie cumo houmiziado. Inda an 1907, José Maria NETO (1907, 15) mos diç subre ls houmiziados de Miranda: “A maior parte dos indivíduos, quando terminam o tempo do desterro, em vez de regressarem às suas terras, naturalizam-se mirandèses, ficando assiduos frequentadores das muralhas e immediações da cidade, onde dormem, de dia e quando há sol, as suas sonécas, empregando mui pouco tempo no trabalho, mas que chega para o seu alimento quotidiano.” Quanto al couto de houmiziados de Miranda fazemos l seguinte resumo de ls dados tirados de l Porsor Humberto Baquero MORENO (1986, 93 ss.): l couto de houmiziados de Miranda ye criado pul rei D. Fernando an 1379, cun duzientos houmiziados; an 30 de Agosto de 1406, D. Juan I reconhece que Miranda i outras tierras “se despovoaram em tal  guisa, que pellos que ahi moram se nam podem manter e se mester de guerra lhes aviesse, nom se poderiam deffender”, rezon por que deixa ir para alhá quien houbira sido cundanado, ourdenando que ls houmiziados de Antre-Douro-i-Minho fússen pa l couto de Miranda; l mesmo rei D. Juan I, a 14 de Nobembre de 1406, stabeleciu “que ataa sasenta vizinhos naturaes da nossa terra, que som homjziados por malleficios que fosem feictos ante hum ano da feitura desta carta, se se quiserem hir morar e pobrar aa dicta villa de Mjranda posam star e viver e andar seguramente em a dicta villa e seu termo...”; ye inda l mesmo rei D. Juan I que, an 15 de Maio de 1408, manda que ls  houmiziados que andubíssen por Castielha poderien benir para Miranda; las medidas de D. Juan I, quanto a Miranda, son cunfirmadas por D. Juan II an 21 i an 23 de Nobembre de 1486, por D. Manuel I an 18 de Júnio de 1486 i por D. Juan III an 17 de Outubre i an 4 de Nobembre de 1525. Fui D. Pedro II, an 10 de Janeiro de 1692, que acabou culs coutos de houmiziados.

L oujetibo de ls coutos de houmiziados era mandar giente pa las tierras de frunteira, cumo dízen ls própios decumientos, “por sse os dictos lugares pobrarem”, l que quier dezir que se querie que essa giente quedasse por alhá. Nun sabemos quanta, mas muita haberá quedado, até porque fazien família, tenien filhos, trabalhában nas tierras i yá nun tenerien muito para adonde ir. Diç MORENO (1986, 97): “...os que houvessem cometido homicídio ou adultério, passível de pena de morte, apenas obteriam o perdão após 20 anos de estada nesses locais. Aqueles que também merecessem a pena capital devido a furto, roubo ou «forças», seriam perdoados ao fim de 12 anos. Os outros crimes susceptíveis de degredo perpétuo, castigo de açoites ou pagamento de multa, seriam relevados após 5 anos.” Cumo bemos, ye muito tiempo para se afazéren a la tierra para adonde íban. Las cousas inda éran mais facelitadas porque muitos de ls houmiziados se dedicában a la agricultura, quedando agarrados a la tierra[8].

 

15. Passemos an rebista, mui por alto, las bárias classes de giente que fúrun para Miranda i fazírun la bila: funcionairos de l rei, curas, suldados i oufeciales, trabalhadores de l castielho, houmiziados. Cumo bemos, muita dessa giente era culta i tenie ls sous criados que oubrigában a falar la sue lhéngua. Cun essa giente eirie muita beç la sue família ou fazien família por alhá. Outros grupos houbo, mas de que eiqui nun trataremos, cumo giente que benirie de Spanha, an special ls judius, giente de ls oufícios. Todos eilhes éran giente que nun falaba mirandés. I éran an númaro muito, mas mesmo muito mais grande que la giente de la tal quintica de Miranda. Delantre destas cunclusiones, nun me parece que steia cierta la caratelizaçon de la situacion feita por J. Leite de Vasconcellos quando diç a respeito de las medidas de D. Juan I: “...todavia este augmento de população não devia ser tal, que fizesse que o idioma local e indigena soffresse muito, porque não se trata de população culta, mas de população pela maior parte, senão completamente, composta de analphabetos, a qual era logo mais ou menos absorvida pela preexistente; ainda que os que chegavam de novo não aprendessem o mirandês, as crianças nascidas em Miranda aprendiam-no, como sucede em circumstancias analogas” (VASCONCELLOS, I, 106-107).

 

16. Hai que cuncluir quanto a esta parte: la bila de Miranda de l Douro fui feita quaije que solo por giente que bieno de fuora i que nun falaba mirandés. Se defendirmos que yá eilhi habie ua quintica quando D. Deniç criou la bila, la sue giente, zde la purmeira hora, quedou an lharga minorie. Se defendirmos que la bila solo fui criada por D. Deniç, neilha l mais de la giente serie de fuora. An qualquiera de ls dous causos, la lhéngua que mais se falaba na bila serie l pertués, dando-se l cuntrairo de l que ye dezido por J. Leite de Vasconcellos: fúrun ls poucos falantes de mirandés i ls sous filhos que passórun a daprender l pertués. La cunclusion nun ye defícele de sacar: ou an Miranda nunca se falou mirandés ou solo se falou por ua minorie mui scassa, nas dues ou trés purmeiras giraçones apuis de criada la bila. Quando fui feita cidade, era l pertués que se oubie pulas rues de Miranda i nó l mirandés. Mais amportante que essa parece-me outra cunclusion a sacar: la lhéngua mirandesa nun zaparece debido al zambolbimiento traído pula criaçon de la cidade de Miranda.

 

 

 

III. Nuobos tiempos, nuoba giente, outra alma

 

17. Ls tiempos de que acabemos de falar yá ban mui loinge. Muita cousa mudou i fura qual fura l passado, Miranda ende stá a mirar pa l feturo, subertindo las treiçones, ls abandonos, l çprézio a que muitos la botórun. Cul passar de l tiempo, Miranda anchiu-se de spanholes i daprendiu a falar l castelhano, tornando an bantaige l ser tierra de frunteira que, datrás, tantos delores de cabeça le trouxo. Hoije muita giente de las aldés tornou a Miranda, cumo datrás, an tiempos defíceles, s’ancostaba a las muralhas de l sou castielho. Essa giente lhebou cun eilha la sue lhéngua, l mirandés. Anton, tenemos hoije trés lhénguas bibas na cidade de Miranda de l Douro: l pertués, l castelhano i l mirandés. Possiblemente nun hai nanhue cidade an Pertual cun essa situaçon lhenguística. Cuido you que l feturo de Miranda tamien passa muito por ende.

 

18. Tubira-se ou nó falado mirandés na cidade de Miranda, l cierto ye que el fui para alhá nestes anhos mais acerca. Anda inda mei scundido i ambergonhado, mas stá alhá: nas pessonas que benírun de las aldés; nas scuolas, nas anstituiçones. Mas todo esso inda ye mui pouco i stá ne l sou ampeço, percisando dun nuobo fuolgo, dua nuoba alma, capaç de tornar la cidade de Miranda de l Douro nun solo na capital de l cunceilho, mas tamien na capital de la lhéngua i de la cultura mirandesas. I esso nun se fai por decreto.

Para esso ten que cuntinar a ambestir, i de modo mais çclarado, na lhéngua i na cultura mirandesas: zambolber l ansino i fazer-lo chegar zde ls ninos a l’ounibersidade; ser la sede de las antituiçones centrales de la lhéngua i la cultura mirandesas, nó a modo de parasita de las aldés, mas por dreito própio; apostar nun turismo cultural de culidade de que eilha será la percipal beneficiária i passar a eisigir que quien trabalhe ne l turismo fale pertués i mirandés, para alhá de l castelhano i de l anglés; passar a ancentibar que quien trabalhe nas anstituiçones públicas fale i scriba l mirandés. Solo ten a ganhar cun esso, subretodo an termos eiquenómicos. Nun antender esso, ye perder ua ouportunidade que agora stá ende a la mano de sumbrar. I las ouportunidades ou se agárran ne l tiempo cierto ou pássan ou, anton, há-de haber quien s’aporbeite deilhas.

 

 

 

Bibliografie citada:

ABADE de BAÇAL - Francisco Manuel Alves Memórias Histórico-Arqueológicas do Distrito de Bragança, tomo IV.

ALFONSO ANTON, Isabel (1986) “Coleccion Diplomatica del Monasterio de Moreruela, siglos XII-XIV”, in La Colonizacion Cisterciense en la Meseta de l Duero. El Dominio de Moreruela, Zamora.

ALVES, Artur Carlos (1972) Cadernos Históricos Mirandeses. II. A Terra de Miranda, tentame histórico, Miranda do Douro.

ALVES, Artur Carlos (1974) A Terra de Miranda nas Inquirições de D. Afonso III, Miranda do Douro.

BERNARDO, Hermínio (1997) “Século XVI – O tempo de Miranda do Douro”, in Páginas da História da Diocese de Bragança-Miranda. Congresso Histórico. 450 anos da Fundação. Actas. Bragança.

FARIA, Manuel Severim (1609) Itinerario da jornada q. fez o Sôr M.el Seuerim d’faria chantre e Cónego da See d’Euora a Miranda no anno d’1609, in Nação Portuguesa, vol. VII, fasc. XI-XII, 1933.

FERNANDES, Hirondino da Paixão (1996) Bibliografia do Distrito de Bragança. Documentos (textos) Publicados,  Tomo I. 569-1870, Bragança.

HERCULANO, Alexandre, História de Portugal, III.

MAIA, Clarinda de Azevedo (1999) “Mirandés”, in Manuel Alvar, dir., Manual de dialectología hispánica, ed. Ariel, Barcelona.

MARTINS, Cristina (1994) “O desaparecimento do mirandês na cidade de Miranda do Douro: uma leitura dos Estudos de filologia mirandesa de José Leite de Vasconcellos”, in Variação Linguística no espaço, no tempo e na sociedade”, ed. Colibri, Lisboa.

MOREIRINHAS, Regina A.C. (1964) Documentos da Chancelaria de D. Pedro I. 137-1359. Leitura e alguns comentários. Coimbra.

MORENO, Humberto Baquero (1986) Os Municípios Portugueses nos Séculos XIII a XVI. Estudos de História, ed. Presença, Lisboa.

NETO, José Maria (1907) Rabiscos dedicados a Miranda do Douro.

PALMEIRÃO, Cristina, Os forais de Miranda – 1286-1510, Miranda do Douro.

VASCONCELLOS, J. Leite de (1900 /1901) Estudos de Philogia Mirandesa, I i II.

 

 



[1] Severim de Faria era cónego de la Sé de Évora i bieno a Miranda de l Douro a saludar l bispo que habie acabado de ser nomeado cumo arcebispo de Évora.

[2] Era quemun dar als caminos i a las rues l nome de l sítio adonde íban a tener ou para adonde dában salida, sendo essa ua regla mui amportante para antender ls chamadeiros, subretodo mediabales. Cumo tal: Camino las Binhas, dá salida pa l sítio adonde hai binhas; Camino Prado dá salida pa l prado baldiu de l lhugar, Rue de l’Eirmita ye la que bai pa l’eirmita, etc..

[3] L porblema de la Tierra de Miranda i l de la bila / cidade de Miranda son defrentes: ye la Tierra de Miranda que dá nome a la bila, a que solo mais tarde se le junta l qualificatibo “do Douro”, pus muito tiempo se chamou “Miranda a nova” ou “Miranda de riba doiro”, cumo ben ne ls decumientos. Assi, sacar l sentido de la palabra “Miranda” de l qualificatibo “douro”, cumo l mais de ls outores ténen feito, lhieba por caminos arrados i falsefica la berdade stórica. L berdadeiro sentido de la palabra Miranda ten que baler tanto pa la Tierra de Miranda cumo pa la cidade de Miranda de l Douro.

[4] Artur Carlos Alves parece apersentar la sue bersion de l testo cumo ua leitura de António Maria Mourinho, l que nun sabemos al cierto. L testo apersenta muitas outras defréncias solo ne l cachico citado. Deixo eiqui l testo publicado por aquel outor para quien quejir fazer la acumparaçon cul que stá arriba: “Saban todos aquelles que virem aquestra presente carta que yo Sancha Lourenzo en sembla com mias filias Mari Rodriguez y Fronilla Rodriguez vendo a vos don Pedro abbade y al convento de Santa Maria de Morerola elas duas partes de la quarta della villa que ya dita Anguera que iaz en Miranda y en terminos de aquesta villa.” Las palabras an eitálico son las que aperséntan algues defréncias i, cumo bemos, inda son bien grandes.

[5] Esta çtinçon antre las dues Mirandas nun se ampuso, tal cumo acunteciu noutros casos (Montemor-o-Belho e Montemor-o-Novo; Idanha-a-Velha e Idanha-a-Nova, etc.) se calha porque outro qualificatibo parecie mais fácele, neste caso l Douro.

[6] Outras tierras deiqui ténen l riu Douro cumo referéncia an decumientos antigos, mas esse nome nin siempre antrou ne ls usos. Damos cumo eisemplos: Sanctum Johanem de Ripa Dorii (que pensamos ser San Juan de las Arribas), nas Anqueriçones de D. Afonso III de 1258; Bemposta de Riba Douro (atual Bempuosta de l cunceilho de Mogadouro), an cartas de D. Deniç de 1316 e 1319 ou Bemposta de cerca do doyro, an carta de D. Fernando de 1372.

[7] Esta quintica yá aprece nas Anqueriçones de D. Fonso III, an 1258, culs nomes de Refega, Arrefega e Arefega. Nessas Anqueriçones tamien mos aparece Sanctum Johanem de Ripa Dorii, que cuidamos ser San Juan de las Arribas, hoije un sítio ermo pus la giente passou mais tarde para ua nuoba tierra mesmo al lhado, chamada Aldé Nuoba. Yá J. Leite de Vasconcellos ponie l porblema, mas sin l resolber: “o nome Aldeia-Nova presuppõe a existencia de outra Aldeia que devia chamar-se Velha, mas d’ella não tenho mais notícia que a que theoricamente se deduz” (VASCONCELLOS I, p. 62). Quanto a las outras quintas, la situacion poderá ser defrente, porque alguas deilhas haberan sido resultado de tierras dadas a nobres i clérigos que téngan querido ir para Miranda.

[8] Son coincidos muitos casos  de que eiqui deixo alguns eisemplos, anque estes casos eizolados nun séian ls mais amportantes: Afomso Eanes de Gralhas ye perdonado çque “vaa servir e estar en a nossa villa e couto de miranda tres anos”; an 1439 Afonso Gonçalves, de la region de Chabes ye perdonado çque baia a serbir an Miranda “dous anos conpridos”; an 1440 Men Carvalho ye perdonado çque baia a cumprir degredo an Miranda an beç de Ceuta; an 1452 Constança Fernandes, que “ffora barregãa de huu homem casado”, an beç de dous anhos para Ceuta bai quatro para Miranda porque staba “prenhe”; 1482, Fernão Delgado, scudeiro de l Anfante don Anrique, de l Muntijo, bai cundanado para Miranda  an beç de Ceuta por ser bielho i nun aguantar la biaige de mar. Eilemientos tirados de FERNANDES, 1996).

 
puosto por fracisco n. às 16:31
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Sexta-feira, 25 de Março de 2011

O MÍNIMO SOBRE A LÍNGUA MIRANDESA

 [Estudo publicado na Revista do Festival Intercéltico, Sendim, 2010]

 


 

1. O que é o mirandês?

 

O mirandês, ou língua mirandesa, é o nome de uma língua falada no Nordeste de Portugal, já desde antes da fundação da nacionalidade portuguesa. Quanto à estrutura é uma língua românica, que teve a sua principal origem a partir do latim. Históricamente pertence à família de línguas astur-leonesas, onde também se incluem o asturiano e o leonês.

Até 1884 foi uma língua apenas oral. Desde então, tem sido também escrita, dispondo de uma Convenção Ortográfica desde 1999. Nomeadamente a partir do século XVI e apesar de ser uma língua falada em Portuugal desde o começo da sua existência, o mirandês é uma língua menorizada quer em termos culturais e sociológicos quer em termos políticos, levando a que Portugal fosse apresentado, até há muito pouco tempo, como o único país monolingue da Europa, afinal falsa excepção à regra do bilinguismo ou multilinguismo dos diversos países. Em 1999, com a lei nº 7/99, de 29 de Janeiro, o mirandês foi oficialmente reconhecido como língua regional de Portugal,

 

 

2. Onde se fala mirandês?

 

A língua mirandesa é falada em todas as aldeias do concelho de Miranda do Douro, com excepção de duas (Atenor e Teixeira), e em três aldeias do concelho de Vimioso (Vilar Seco, Angueira e Caçarelhos), no distrito de Bragança. O mirandês foi, apressadamente, dado como extinto em aldeias como Caçarelhos, porém, apesar de muitíssimo debilitado, continua aí a ser falado por pessoas de idade. A área ocupada pela região onde se fala o mirandês tem à volta de 500 km2 de superfície e situa-se na fronteira com a província espanhola de Zamora (Aliste e Sayago). O mirandês é também falado por muitos mirandeses que imigraram para as principais cidades do país ou que emigraram para o estrangeiro.

 

Na cidade de Miranda do Douro, onde segundo alguns autores deixou de se falar mirandês no início do século XVII, a língua tem vindo a regressar com as pessoas das aldeias que, nos últimos anos, aí têm vindo a fixar residência. Também desde há alguns anos as crianças da cidade usufruem do ensino da língua mirandesa nas escolas públicas. Apesar disso, a fala mirandesa não é de uso normal na cidade, mas sim o português e, dada a quantidade de turistas espanhois que a visitam para fazer compras ou simplesmente comer, o castelhano.  Daí que, para se ouvir falar mirandês, a cidade de Miranda do Douro não seja o local adequado, razão porque são apressadas e sem fundamento as conclusões que apontam para a extinção do mirandês pelo facto de não se falar na cidade que é capital administrativa da terra de Miranda. 

O espaço onde se falou mirandês ou outras variedades do astur-leonês já foi bastante mais vasto, incluindo, em traços gerais e grosseiros, toda a zona do distrito de Bragança que se situa entre a margem esquerda do rio Sabor e a fronteira com Espanha. Terá sido assim na Alta Idade Média, regredindo progressivamente em direcção à fronteira. Além do mirandês, outras falas astur-leonesas se mantiveram até há pouco tempo na zona fronteiriça do concelho de Bragança, chamada Lombada, em particular nas aldeias de Rio de Onor, Guadramil, Deilão e Petisqueira. Porém, a fala leonesa tem sido dada como extinta nestas aldeias, embora não seja totalmente clara a situação de Rio de Onor.

Apesar de já não se falar mirandês nessa região mais vasta, ainda pode falar-se de uma cultura comum, em particular na área correspondente à medieval Terra de Miranda (concelhos de Miranda do Douro, Vimioso, Mogadouro e parte dos concelhos de Freixo de Espada à Cinta, de Bragança e de Macedo de Cavaleiros), cultura essa que se manifesta pelo ar de família que o vocabulário usado continua a manter, pela fonética e muitas construções sintácticas do português falado nessa zona, pela similitude de festas, tradições, música e dança.

 

 

3. Quantas pessoas falam mirandês?

 

Não existe um cálculo rigoroso do número de falantes de mirandês, tendo esse número evoluído quer por razões demográficas quer por razões sócio-linguísticas.

José Leite de Vasconcelos, por volta de 1900, calculou que seriam, em termos gerais, 15 000 falantes, baseado nos censos populacionais da época e tomando como boa a ideia de que era de 100% a percentagem de falantes nas aldeias identificadas como falando a língua mirandesa. Essa consideração deve considerar-se como correcta, apesar de os mirandeses serem, já na altura, bilingues, pois eram obrigados a usar a língua portuguesa em situações de relação institucional, quer de natureza política (mais ocasional) quer de natureza religiosa (contínua desde o século XVI). Até há relativamente pouco tempo, esse número tem vindo a ser repetido, porém a situação alterou-se profundamente. Se outras razões não existissem, bastaria ter em conta a diminuição da população, a partir de meados dos anos sessenta do século XX, para que tal número não possa já ser aceite. 

Recentemente têm-se apresentado números que variam entre um mínimo de 5000 falantes, contando apenas os residentes na região de origem, e um máximo de 10 000, contando também os imigrantes e emigrantes. Na fixação desses números tem-se também em conta o menor ou maior conhecimento da língua e o seu uso menos ou mais regular. Se nos fixarmos num número entre aqueles dois acima referidos, poderemos não andar muito longe da realidade do número de falantes, isto é, de conhecedores da língua. Porém, se atendermos estrictamente ao uso regular da língua em situações de vivência social e familiar, o número de pessoas que a usam com regularidade poderá ser um pouco inferior.

Um facto notório e por todos reconhecido é o da diminuição do número de falantes ao longo de todo o século XX, em particular a partir dos anos sessenta, erosão que ainda não se pode considerar estancada. Essa erosão tem levado muitos autores a anunciar a extinção da língua mirandesa para muito brevemente, chegando mesmo a dizer-se que não iria além dos anos 80 do século XX, mas a verdade é que ela continua viva e as profecias têm-se revelado apressadas.

Apesar de viva, a língua mirandesa tem vindo a sofrer alguma erosão, em particular desde meados do século XX, perdendo em número de falantes para a língua portuguesa que, por razões várias, não tem cessado de aumentar a sua pressão sobre a língua mirandesa, a construção das barragens do Douro internacional (Picote, Miranda do Douro e Bemposta), trouxe à região de Miranda milhares de falantes de português, que passaram a viver nas aldeias, até aí exclusivamente falantes de mirandês, forçando a que o português passasse a ser usado com regularidade nos actos externos da comunidade e inibindo a fala pelo uso de chacota em relação à língua mirandesa; um segundo momento deu-se com a generalização do ensino, primeiro ao nivel da escola primária, até aos anos 50, e depois até ao ensino secundário, o que ocorreu ao longo dos anos 60 e 70 do século XX; por esta altura também se generalizou em todo o país o uso do rádio e da televisão em português; ao longo dos anos sessenta daquele século, praticamente todos os jovens foram incorporados no exército por períodos muitos longos, devido à guerra colonial, facto que foi decisivo para que o português ganhasse terreno e profundidade como língua do dia a dia, pois muitos desses jovens passaram a ter mais competências em língua portuguesa do que em língua mirandesa; por fim e, em geral, deu-se uma melhoria das condições de mobilidade das pessoas, aparecendo outros sectores de actividade económica como alternativos à agricultura, onde o emprego exigia o domínio falado da língua mirandesa, facto que foi essencial para que o mirandês tivesse vindo a perder terreno como língua de primeira escolha da família.

Hoje, a língua mirandesa é ameaçada na sua sobrevivência tanto por factores internos, em particular a desertificação da região onde se fala e o enfraquecimento do modo de transmissão familiar, como por factores externos, em particular os resultantes da pressão exercida pelos meios de comunicação social, pela escola e pelos meios considerados de sucesso económico, em particular a empregabilidade, continuando, em cúmulo, e essa é uma questão essencial, excluido como língua das instituições, em particular das instituições políticas locais.

 

 

4. Qual a origem da língua mirandesa?

 

A língua mirandesa tem a sua origem num dos romances que se formaram na Península Ibérica a partir do latim, o romance que deu origem à família de línguas astur-leonesas – onde a língua mirandesa se integra - , que se formaram entre os séculos VI-VIII. Toda a região estava integrada no império romano e era habitada pelo povo Astur, e era a tribo dos Zoelas ou Zelas que tinha assento no que é hoje a terra de Miranda, embora ocupando uma área mais vasta que abrangia uma parte importante do actual distrito de Bragança, em Portugal, e a região de Carvalheda, de Alba e de Aliste, delimitada pela serra de Culebra e os rios Esla e Douro, na actual província de Zamora, em Espanha.

É necessário lembrar que, além do latim, outras línguas contribuíram para a conformação do astur-leonês. Desde logo a língua falada pelos povos que tinham assento na região, mesmo antes da chegada dos romanos, isto é, os astures e, no caso particular da terra de Miranda, os zoelas. Sucessivamente, por esta região passaram, dito de forma muito geral e imprecisa, suevos, visigodos e árabes que foram deixando a sua marca, embora pouco pronunciada no caso dos suevos e dos árabes. Em qualquer caso, a terra de Miranda foi sempre, desde há mais de dois mil anos, uma terra de fronteira, facto que é sempre gerador de influências dos povos vizinhos e daqueles que para lá se deslocam para estarem mais afastados do poder dos reis. Essa característica de terra raiana, no período do nascimento da língua, foi particularmente significativa nos séculos VI-VIII, pois sabemos que por aqui passava o limes (faixa de fronteira) entre os reinos suevo e visigodo, facto bem documentado pelo topónimo Mogadouro.

O astur-leonês foi a língua falada no reino de Leão, desde a sua origem, com excepção da zona galaico-portuguesa. Nessa altura era a língua da corte e dos mosteiros, escrita em milhares de documentos até aos séculos XIII-XIV. Era, portanto, uma língua de cultura e jurídica, seguida pelas instituições, nomeadamente os mosteiros, sendo de destacar na terra de Miranda a influência dos Mosteiros de Moreruela, junto a Zamora, e de San Martin de Castañeda (Sanábria). No tombo do mosteiro de Moreruela ficaram-nos inúmeros documentos relativos às Terra de Miranda nos séculos XII-XIV, muitos deles escritos num leonês muito próximo do mirandês actual.

Deve dar-se um particular destaque à influência moçárabe na línbgua mirandesa, já que muitos foram os colonos moçárabes que vieram para a terra de Miranda depois da expulsão dos árabes, logo do início da expansão do reino de Leão. Essa influência mocárabe, porém, ainda está pouco estudada.

Desde a sua fundação, a fronteira política de Portugal não coincide com a fronteira linguística do galaico-português. Sempre se falou outra língua em Portugal, além do português, a língua astur-leonesa, que, nesta região, evolvuiu para o actual mirandês. Pode mesmo dizer-se que uma parte importante da nobreza essencial à formação de Portugal, como os Bragançãos, e os próprios príncipes que estão na sua origem, como D. Teresa e seu filho, D. Afonso Henriques, eram também falantes de leonês. Portanto, em conclusão, a língua mirandesa é, a justo título, uma língua de Portugal, elemento essencial da sua história, da sua cultura, da sua identidade e da sua existência.

Alguns autores procuraram demonstrar que o mirandês não era originário da terra de Miranda, mas se devia a colonização leonesa levada a cabo nos séculos XIII e XIV, quer pelos frades do Mosteiro de Moreruela quer por outros colonos leoneses. Porém, além de sabermos hoje que essa colonização foi muito pouco profunda e se limitou a algumas aldeias da terra de Miranda, temos todo um conjunto de outros elementos e documentos que nos mostram inequivocamente que a língua mirandesa sempre teve assento no seu actual território e não resulta de uma importação tardia. Desde logo, em documentos do século XII, relativos a aldeias da terra de Miranda e muito anteriores à colonização cisterciense de Moreruela, já encontramos topónimos escritos em língua astur-leonesa, com as características da língua mirandesa, como é o caso da doação do reguengo de Palaçoulo por D. Afonso Henriques, em 1172, a Pedro Mendes, L Tiu, topónimos esses que ainda hoje continuam a ser usados com a mesma forma que apresentam nesse documento. Além disso, a tese do despovoamento da região de Miranda durante o período posterior à conquista árabe, em que assentam as opiniões acima referidas, não lhe é hoje reconhecido qualquer fundamento, pois está demonstrado que houve continuidade de povoamento da terra de Miranda desde antes da fixação dos romanos nesta região, habitada por uma específica tribo astur, os zoelas ou zelas, persistindo um número significativo de topónimos anteriores à vinda dos árabes.

A partir da criação da vila de Miranda, em 1289, mas sobretudo a partir do século XVI, com a elevação de Miranda do Douro a cidade e a criação do bispado (1545), a língua mirandesa enveredou por caminhos que lhe fizeram ganhar características próprias no conjunto das línguas astur-leonesas, embora sem pôr em causa a sua pertença a essa família de línguas. As características próprias que o mirandês veio a ganhar exigem a sua consideração como língua, e não como mera expressão dialectal de alguma outra língua astur-leonesa.

Até ao fim do século XIII a região de Miranda não teve contactos com o português, tal apenas acontecendo, em grau diminuto, após a elevação de Miranda a vila (1298), com a vinda de funcionários do rei. Esse contacto com o português não cessou de aumentar, sobretudo a partir da constituição do bispado de Miranda (1545), trazendo uma significativa influência à língua mirandesa, outro tanto se dando com o castelhano, nomeadamente dos séculos XVII a XIX, factos que ajudaram a que a língua mirandesa ganhasse características muito próprias quer ao nível da sua estrutura quer ao nível do seu vocabulário, embora sem deixar perder a sua essência leonesa.

Tal como a língua mirandesa, também outras línguas astur-leonesas ganharam algumas características próprias, de que é exemplo o asturiano, falado no principado das Astúrias e reconhecido como língua por estatuto do principado. Apesar das diferenças, essas várias línguas nunca perderam o ar de família que as continua a unir, quer em termos estruturais quer em termos históricos. É nessa base de reconhecimento dos laços históricos comuns, mas de aceitação das diferenças que os ventos da história lhe fizeram ganhar, que é possível restabelecer e desenvolver laços seguros entre as várias línguas astur-leonesas, sem menorizar quem quer que seja e sem deixar de reconhecer as diferenças efectivamente existentes. Esse é um processo delicado, necessariamente lento, e que vai exigir ainda muito trabalho e algum tempo, já que deve ser um processo não apenas exigido por alguns intelectuais, mas pelos falantes em geral e pelas suas instituições representativas.

 

 

5. Como se deu o processo de menorização da língua mirandesa?

 

O desaparecimento do Reino de Leão privou a língua astur-leonesa de um centro de poder que permitisse a sua irradiação e, sobretudo, a sua uniformização e consolidação como língua. É preciso lembrar que, nessa altura dentro de cada língua predominava uma grande diversidade de local para local, fruto de influências e origens com diferenças importantes e ausência de uma política centralizada capaz de a unificar quanto a todas as suas características, levando ao seu acantonamento progressivo nas zonas rurais.

Nessa situação, as línguas astur-leonesas, e também o mirandês, ficaram excluídas dos grandes movimentos culturais dos séculos XV-XVI, como o humanismo e o renascimento, que permitiram o enorme salto dado pelas línguas de poder, ditas nacionais, como o português e o castelhano. É por essa altura que se inicia ou acentua o processo de menorização dessas línguas, bem expresso, por exemplo, em alguns autos de autores teatrais do século XVI como Juan del Encina, em Espanha, e Gil Vicente, em Portugal, mas presente como tópico obrigatório em quase todos os autores desse tempo, incluindo Miguel de Cervantes. É por este período que culminam os processos de implantação das chamadas línguas nacionais, quer como línguas da administração pública, quer como línguas institucionais em geral. De grande eficácia institucional foi o chamado movimento para «rezar em lingoagem» (português), desencadeado e imposto pelas Constituições Episcopais, sobretudo nos séculos XV e XVI,  que impôs o português como a única língua digna de falar com Deus. É essencial não esquecer que a evolução histórica que liga o mirandês às outras línguas astur-leonesas é também a raiz das características que a conformaram como uma língua de Portugal, razão que talvez seja a principal da sua subsistência até aos nossos dias.

Sobretudo desde essa altura, o mirandês passou a ser considerado como fala de gente inculta, como «fala charra» ou «fala caçurra», objecto de chacota. A regra a seguir, por parte da quase totalidade dos mirandeses letrados, era abandonar a fala materna em favor da língua «grabe» ou «fidalga», o português. Havia-se perdido o elo com a sua origem, e essa perda de memória histórica levou a que lançasse raízes a ideia de que o mirandês não era uma língua outra, mas um português mal falado, uma mera variedade do português, própria de gente atrasada e inculta. Tal conjunto de factos teve profunda influência na língua em si, mas também no uso que passa a ser exclusivamente intracomunitário, assumindo o português o estatuto de língua institucional a todos os níveis, a partir daí se entranhando nos mirandeses alguns complexos em relação à sua fala, que ainda não desapareceram completamente.

A mesma perda de memória histórica é responsável por tanta gente ter estranhado o reconhecimento, através de lei, do mirandês como língua. Também por isso, alguns ainda pensam que o mirandês nasceu como língua em 1999, mas a lei limitou-se a reconhecer o que já era uma língua há muitas centenas de anos.

 

 

6. Porque se manteve o mirandês até aos nossos dias?

 

A maioria dos autores tem atribuido a manutenção da língua mirandesa a dois factores fundamentais: o isolamento em relação ao resto do país; a contínua e profunda relação com os povos do outro lado da fronteira, em particular das regiões de Aliste e de Sayago.

O argumento do isolamento não tem fundamento, sendo muito limitada a sua valia: por um lado, a terra de Miranda não estava mais isolada do que as terras contíguas, onde deixou de se falar mirandês; por outro lado, a partir da criação do bispado de Miranda e da elevação de Miranda do Douro a cidade (1545), esta passa a ser um centro de poder e de cultura, com um número razoável de pessoas letradas e em estreito contacto com o resto do país; fundamental é dizer-se que os mirandeses são, pelo menos, bilingues desde há vários séculos, isto é, falam o mirandês e o português, o que não sucederia se o isolamento fosse o que se diz.

O argumento do estreito contacto com as regiões fronteiriças contíguas, sobretudo Aliste e Sayago, faz todo o sentido, já que se falava leonês dos dois lados da fronteira, pelo menos até fins do século XIX ou princípios do século XX.

A este argumento há a acrescentar o facto de o mirandês ser uma língua, isto é, de dispor de mecanismos geradores do seu desenvolvimento, geradora de forte consciência linguística e com capacidade de autosubsistência.

Por fim, há ainda que referir o sistema de uso diferenciado do português e do mirandês, de modo muito rígido, permitindo a subsistência e desenvolvimento de ambas as línguas em simultâneo, com usos paralelos que não interferiam um com o outro, o que permitia aligeirar a pressão sobre o uso do mirandês. Este uso diferenciado, sobretudo a partir do século XVI, pode ser assim resumido: o português é a língua institucional e de contacto com elementos estranhos à comunidade; o mirandês é a língua da comunidade, quer nas relações sociais e familiares, quer nas relações de trabalho.

 

 

7. O mirandês é uma língua ou um dialecto?

 

As palavras «língua» e «dialecto» nem sempre têm o mesmo significado para os diversos autores. Porém, é geralmente aceite que uma língua se distingue de um dialecto pelo seu reconhecimento político, o aconteceu com o mirandês através da lei 7/99, de 29 de Janeiro, aprovada pela Assembleia da República. Tal significa que a distinção é colocada em aspectos externos à própria língua, o que diz bem da manipulação política, e até ideológica, a que aquelas palavras estão sujeitas.

Uma língua existe sempre que estejamos perante um sistema linguístico gramaticalmente perfeito e com características distintivas próprias, o que é reconhecido ao mirandês desde que, nos fins do século XIX, foi estudado por José Leite de Vasconcellos.

O uso da língua, independentemente do nome e qualquer que ela seja, é um direito fundamental que radica na dignidade de cada uma das pessoas que a falam, bem como da comunidade que através dela se expressa e com ela se identifica. Esta é a questão essencial que muitos arautos dos direitos humanos ainda não perceberam entre nós, a começar pelos ‘papas’ do constitucionalismo e os certos militantes de uma língua portuguesa. Esta, estou em crer, será tanto maior quanto menos se quiser afirmar de modo colonialista sobre as línguas com quem ao longo da história foi entrando em contacto, e muitas foram. Os mirandeses são hoje bilingues e, a justo título, não ostentam menos orgulho na sua língua portuguesa pelo facto de também falarem o português.

 

 

8. Quais são as principais características da língua mirandesa?

 

Apresentam-se de seguida apenas as principais características, sem as esgotar. Para a sua mais fácil apreensão faz-se uma comparação com o português e com o castelhano, assim melhor fazendo ressaltar essas características, que nuns casos a diferenciam e noutros casos a aproximam de uma ou outra dessas línguas.

 

 

i - O mirandês (salvo no dialecto sendinês) palatiza o ‘l’ inicial, o que não acontece em português nem em castelhano.

 

Exemplos:

lhuna – lua (port.), luna (cast.); lhana – lã (port.), lana (cast.); lheite - leite (port.), leche (cast.); lhino - linho (port.), lino (cast.); lhobo - lobo (port.), lobo (cast.); lhéngua - língua (port.), léngua (cast.); lhargo - largo (port.), largo (cast.); lhabar - lavar (port.), lavar (cast.).

 

 

ii - Há ditongos crescentes [«ie», «uo»] que afastam o mirandês do português. No caso do ditongo crescente «ie» o mirandês aproxima-se do castelhano, embora tenha uma sonoridade completamente diferente. Já no que se refere ao ditongo crescente «uo», ele é bem diferenciado do ditongo castelhano «ue».

 

Exemplos com «ie»:

castielho – castelo (port.); tierra – terra (port.); ciento - cento (port.); miel - mel (port.); abierto - aberto (port.); bien - bem (port.); niebe - neve (port.); siempre - sempre (port.); fierro - ferro (port.); diente - dente (port.); semiente - semente (port.); piedra - pedra (port.), piedra (cast.).

 

Exemplos com «uo»:

fuonte – fonte (port.), fuente (cast.) ; buono – bom (port.), bueno (cast.); puonte - ponte (port.), puente (cast.); uolho - olho (port.), ojo (cast.); buolta - volta (port.), vuelta (cast.); nuoç - noz (port.) nuez (cast.); puorta - porta (port.), puerta (cast.); nuobo - novo (port.), nuevo (cast.); nuosso - nosso (port.), nuestro (cast.).

 

 

iii. O mirandês conseva o ‘l’ e o ‘n’ latinos intervocálicos, que caem no portugês. Nesta parate, o mirandês tem características similares ao castelhano.

 

Exemplos relativos à manutenção do «n» intervocálico:

arena – areia (port.), arena (cast.); tener – ter (port.), tener (cast.); mano - mão (port.), mano (cast.); bena - veia (port.), vena (cast.); sano - são (port.), sano (cast.).

 

Exemplos relativos à manutenção do «l» intervocálico:

pila – pia (port.); pila (cast.) malo – mau (port.); malo (cast.); bolo - voo (port.); vuelo (cast.); palo - pau (port., palo (cast.).

 

 

iv. O ‘ll’ e o ‘nn’ duplos intervocálicos latinos palatizaram-se em mirandês, mas não em português. Neste ponto, o mirandês volta a aproximar-se do castelhano.

Exemplos relativo a «ll / lh»:

cabalho – cavalo (port.), galho (cast.); galho - galo (port.), galho (cast.); castielho - castelo (port.), castillo (cast.); galhina - galinha (port.), gallina (cast.); calho - calo (port.), callo (cast.); calhar - calar (port.), callar (cast.).

 

Exemplos relativo a «nn / nh»:

anganho - engano (port.), engaño (cast.); panho - pano (port.), paño (cast.); canha – cana (port.) canha (cast.); abelhana - avelã (port.) avellana (cast.); anho - ano (port.), año (cast.).

 

 

v - O ‘f’ latino conserva-se em mirandês e português, mas não em castelhano, o que afasta o mirandês dessa língua, mas o aproxima do português.

 

Exemplos:

afogar-se – ahogarse (cast.); forno - horno (cast.); fermoso - hermoso (cast.); filho - hijo (cast.); falar - hablar (cast.); fazer - hacer (cast.); figo - higo (cast.); ferida - herido (cast.); ferradura - herradura (cast.); fidalgo - hidalgo (cast.).

 

 

vi - A nasal ‘ão’ portuguesa não existe no mirandês (salvo em um tipo de casos no dialecto sendinês), o que o afasta do português e o aproxima do castelhano.

 

Exemplos:

 son – são; pan – pão; armano – irmão; perdon - perdão; mano - mão; oupenion - opinião.

 

 

vii - a inexistência de vogais altas átonas em começo absoluto de palavra, o que afastar o mirandés tanto do português como do castelhano.

 

Exemplos relativo a «i», «e», «o», «u»:

 einemigo, eiducaçon, eisame, eiquipa, eidade, eigreija, eigual, eideia.

oufender, oufício, oureilha, oulibeira, oulor, ouraçon, oupenion, oufecial.

 

Exemplos relativos a «in», «en/em»:

anganhar, anfenito, amprego, anformar, angenheiro, anterrar, ancapaç, anjusto, anteiro, antençon, amportante, ambeija, ambentar, anfáncia.

 

 

viii – no que respeita aos modos de formação de palavras em mirandês, este apresenta diferenças muito significativas, bem para além do sufixo dimuntivo –ico que costuma ser indicado; dada a extensão dessas diferenças referirei apenas algumas das mais significativas:

- Prefixos: alte- (altefalante, altemoble), arre- (arrepassar), cus- (custruir), ei (eicelente); stra- (stramuntano, strefigurar, streponer);

- Sufixos: -ulho (cascabulho), -ielho (boubielho), -anco (burranco), -iço (pequerrico), -ieta (ourrieta), -in (foucin, boucin), -uncho (ferruncho), -aige (biaige), -aina (botaina, chitaina), -iego (anhiego, dariego, paniego), -onco/-ongo/-unco (medonco), -orra (machorra), ieça (burrieça), -onda (maronda), -(nineç, belheç, madureç), -able (adorable, amable), -ible (ambencible), -uro (filaduro).

Deve ainda assinalar-se a inexistência em mirandês do prefixo des-, reduzido a z- ou ç-, o que afasta o mirandês tanto do português como do castelhano.

Exemplos:

zamprego, zaparecer, zgrácia, zgusto, zmaio, zbio, zanganhar, zamparado.

çcascar, çclarar, çpedida, çcansar, çcargar, çcoser, çcubierta, çcuntar, çpreziar.

 

 

ix.Em mirandês não existe o som «j», antes de se mantendo o som «lh», o que aproxima doportuguês e afasta do castelhano.

Exemplos:

filho - hijo (cast.); fuolha - hoja (cast.); mulhier - mujer (cast.).

 

 

x. Praticamente não existem em mirandês palavras terminadas em «ia», em «io» ou em «ua», mas em «ie», em «iu» e em «ue».

Exemplos quanto a ia / ie:

frie – fria; tie – tia; die – dia, Marie - Maria.

 

Exemplos quanto a io / iu:

frio – friu; tiu – tio,

 

Porém, as características da língua mirandesa não se esgotam nos apectos que acabámos de referir, nem se pretende, num escrito breve como este, dar conta de todos os aspectos. Mais algumas características essenciais se deixam a seguir se deixam a título indicaticativo e de modo abreviado:

- uma conjugação verbal específica, embora o sistema verbal do mirandês seja semelhante ao do português;

- os artigos definidos l (o) e la (a), ls (os), las (as), distintos tanto do português como do castelhano.

- os pronomes pessoais (you, eu) e possessivos (miu, meu; mie, minha, etc.), muitos diferentes dos portugueses e também com assinaláveis diferenças em relação ao castelhano;

- modos de tratamento de respeito, específicos e distintos, seja em relação ao português, seja em relação ao castelhano;

- várias palavras com género diferente em relação ao português. Ex. la calor, l febre, l quemido, la questume.

- uma série de advérbios e locuções inexistentes em português. Ex. ende, sourtordie, anque, antoce, quantá.

Também a sintaxe do mirandês apresenta muitas características próprias quer em relação ao português quer em relação ao castelhano, afirmação que contraria reiteradas e habituais afirmações que a esse respeito são feitas, sobretudo no que respeita à sintaxe do português e do mirandês. Essas afirmações, porém, apenas se devem à falta de estudo e de conhecimento da língua mirandesa no domínio da sintaxe.

 

Quanto ao vocabulário deve dizer-se que o mirandês apresenta muitíssimo vocabulário distinto do português, apesar de haver uma grande continuidade lexical como acontece em todas as línguas de origem latina da Península. Deve realçar-se que muita da proximidade que existe com o português de Trás-os-Montes Oriental e com a zona de Riba-Côa deriva da influência leonesa que o português sofreu nessas zonas, facto que ainda não está adequadamente estudado, já que até à Alta Idade Média foram zonas de fala leonesa.

 

Mas também há semelhanças entre o mirandês e o português, em particular o do norte interior, que muito o afastam do castelhano de que se destaca:

 

Casos similares ao português do Norte:

- um sistema de quatro sibilantes (por ex. pronunciam-se diferentemente cesta, sesta; maça, massa; cozer, coser; beiço, beiso; trás, traç); neste casos o mirandês afasta-se quer do português padrão quer do castelhano ou mesmo das restantes língua astur-leonesas;

- ausência de «v», existindo apenas «(ex. baliente, biaige, baca).

 

Concluindo, que a exposição já vai longa, apesar de lacunar, pode dizer-se que o mirandês tem características próprias que o distinguem tanto do português como do castelhano e o filiam nas línguas asturo-leonesas. Porém, deve acrescentar-se, partilha igualmente semelhanças e infuências daquelas duas línguas, embora com predomínio da influência do português. Isso em nada afecta a sua autonomia e a sua estrutura perfeita como língua, não sendo uma mistura entre aquelas duas línguas.

 

 

9. A língua mirandesa tem as mesmas características em todo o lado ou apresenta variedades?

 

Desde José leite de Vasconcellos têm sido distinguidas três variedades dentro do mirandês: o mirandês do norte ou raiano, que é falado em várias aldeias junto à fronteira (raia seca) com Espanha; o mirandês do sul ou sendinês, que é falado na vila de Sendim; o mirandês central que é falado nas restantes aldeias e que foi adoptado como padrão pela Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa. Assim, como qualquer língua, e apesar do seu reduzido número de falantes e da pequena área geográfica onde se fala, também o mirandês apresenta importante variação interna, elemento essencial da sua riqueza como língua. Aqui se deixam os mais marcantes traços distintivos de cada uma das variedades.

 

O mirandês central ou padrão

 

As principais características do mirandês central foram apresentadas no ponto anterior, ainda que de modo relativo. Quanto às restantes variedades a melhor maneira de as apresentar é dizer aquilo em que divergem face ao mirandês central. Convém prevenir que essas distinções não são absolutas, já que muitas aldeias onde predomina a variedade do mirandês central apresentam traços do mirandês raiano e do sendinês, e também existe uma grande proximidade entre vários fenómenos do mirandês raiano e do sendinês. Em geral, todas as variedades apresentam algum vocabulário diferenciado, várias formas gramaticais distintas, e também algumas regras sintácticas próprias.

Ainda no que respeita ao mirandês central, anotem-se dois fenómenos que serão relativamente recentes, que também se verificam no mirandês raiano e a que apenas o sendinês tem sido imune:

- a tendência, hoje quase generalizada, para substituir as formas do artigo definido masculino l, ls por al, als;

- a tendência quase generalizada para dizer como an / am as sílabas en / em quando são intercaladas (ou não em início absoluto de palavra) átonas: antender >  antander; tendência > tandéncia; centeno > çanteno.

 

O sendinês ou mirandês do Sul

 

Das variedades do mirandês, a que apresenta diferenças mais sensíveis é o sendinês. Em termos de ortografia, a convenção seguida é a mesma, apenas se permitindo que os sendineses, se o desejarem, possam escrever com l- em início de palavra em vez de lh- (ex. luna / lhuna, para a palavra ‘lua’). Tal liberdade foi consagrada na 1ª Adenda à Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, de Fevereiro de 2000.

Outras distinções a assinalar, além da sintaxe e do léxico, que apresentam diferenças muito significativas, são as seguintes:

i. - o tratamento de respeito é, no mirandês central e raiano, na 2ª pessoa do plural (Exemplo, Á tiu Antonho, bós stais an casa manhana a la purmanhana?), e é, no sendinês, na 3ª pessoa do singular (Á tiu Antonho, el stá an casa manhana a la purmanhana?);

ii. - os ditongos crescentes «ie» e «uo» não têm vigência em sendinês. Por isso, e como exemplo, as palavras castielho, tierra, ciento, miel, abierto; bien, niebe, siempre, fierro, diente, semiente, piedra lêem-se (sem reflexo na escrita) em sendinês castilho, tirra, cinto, mil, bin, nibe, simpre, firro, dinte, seminte, pidra. Também as palavras fuonte, buono, puonte, uolho, buolta, nuoç, puorta, nuobo, nuosso se devem ler an sendinês como funte, buno, punte, ulho, bulta, nuç, purta, nubo, nusso. Em qualquer caso, deve dizer-se que as vogais «i» e «u», nesses casos, se distinguem de modo muito particular, a assinalar características próprias.

iii. - o sendinês tem um sistema próprio de ditongos, correspondente às vogais «i» e «u» tónicas e que soam de modo difícil de representar, mas que se pode dizer que variam entre «ei/ai/uoi» (exemplos: bino, mil, çtino) e «iu/au» (exemplos: burra, mula) respectivamente.

iv. - a queda do «g» depois de –i- tónico [ami(g)o, fi(g)o, tri(g)o], traço que também se verifica em Paradela (zona raiana) e, de modo menos regular, em outras aldeias como Constantim (zona raiana);

v. - a palatalização de «c» em –ico (ex. cachico) e de «g» em –ingo/inga (ex. demingo, spingarda), traço que também se apresenta em outras localidades, embora em algumas de modo menos regular;

vi. – o ditongo mirandês –on tem pronúncia similar ao português –ão (coraçon / coração);

vi. – apresenta significativas diferenças ao nível das formas de quase todos os pronomes (ex.: esto / aquesto, esso / aquesso, aqueilho; algue, nanhue) e forma também específicas em advérbios (ex.: antoce).

 

O mirandês raiano

 

O mirandês raiano apresenta uma grande proximidade do mirandês central, sendo as diferenças mais acentuadas numas aldeias que nas outras, pois uma das características dessa variedade é a sua falta de unidade de aldeia para aldeia. Podem, porém, apresentar-se as seguintes diferenças fundamentais, além de aspectos de léxico:

i. - o artigo definido masculino assume as formas lo, los em vez de l, ls, embora o uso esteja mais vulgarizado na forma do plural, usando-se no singular a forma al, com excepção de Constantim, no que é coincidente com a maioria das expressões do mirandês central;

ii. - o uso de algumas formas de conjunções e advérbios com características próprias, por ex. más em vez de mais, fenómeno que é extensivo a várias aldeias que integram o mirandês central.

Há outros fenómenos a referir, mas que apenas se verificam em algumas aldeias:

i. - queda do «g» intervocálico em termos idênticos ao verificado em Sendim, com particular destaque para Paradela;

ii. - o uso do plural feminino «-es» em vez de «-as», em São Martinho de Angueira;

iii. - o uso de algumas formas do pronome possessivo (esso/aquesso, esto/aquesto) tal como em Sendim;

iv. - sobretudo em Paradela, a palatalização de «c» em –ico (ex. cachico) e de «g» em –ingo/inga (ex. deimingo, spingarda), tal como no sendinês.

 

 

10. Como se dá a transição do mirandês de língua exclusivamente oral a língua também escrita?

 

A língua mirandesa manteve-se como língua exclusivamente oral até 1884, ano em que José Leite de Vasconcelos publicou o poemário Flores Mirandesas, a primeira obra escrita em mirandês. No último quartel do século XIX vários autores mirandeses publicaram obras em mirandês, em particular traduções de autores clássicos e de «Os Quatro Evangelhos», com destaque para Bernardo Fernandes Monteiro, Manuel Sardinha e Francisco Meirinhos. A escrita seguida por José Leite de Vasconcelos era muito complexa, visando expressar toda a riqueza da oralidade, mas um sistema de escrita mais simples foi apresentado por Gonçalves Viana, depois seguido por vários autores. Daí em diante a escrita da língua mirandesa oscilou entre aquelas duas propostas, até que em 1999 é publicada a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, cujo projecto esteve em discussão desde 1995.

A Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa foi elaborada, com o apoio de vários falantes, por estudiosos de mirandês e por linguistas dos Centros de Linguística da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em 2000 foi aprovada a Primeira Adenda à Convenção Ortográfica e está em discussão pública a Segunda Adenda.

A Convenção Ortográfica da Língua Miranesa, e as suas Adendas, veio permitir uma crescente harmonização da escrita da língua, hoje seguida pela esmagadora maioria dos autores que escrevem em mirandês e adoptada no ensino do mirandês nas escolas.

A discussão e investigação em torno da escrita da língua mirandesa ainda não se pode considerar concluída, nomeadamente porque a Convenção Ortográfica e as suas Adendas não abarcam todos os aspectos relativos à escrita da língua. A edição de manuais de ensino, de uma moderna e desenvolvida gramática do mirandês (já existe uma gramática publicada em 1900 por José Leite de Vasconcelos) e de um grande dicionário de língua mirandesa, são também materiais essenciais nesse percurso de normatização da língua.

 

 

11. Qual o actual estatuto jurídico da língua mirandesa?

 

A língua mirandesa é hoje uma língua oficial de Portugal, embora de natureza regional ou local e o elenco de direitos reconhecidos em lei esteja reduzido ao seu mínimo, ou até menos que isso. A aprovação da Lei nº 7/99, de 29 de Janeiro, por unanimidade e aclamação na Assembleia da República, é fruto, em primeiro lugar, dos esforços e da visão do deputado mirandês Júlio Meirinhos. Para tal contribuíram também os esforços de vários mirandeses e de académicos que puseram em destaque os aspectos científicos da língua, alicerçando a sua credibilidade. Dessa lei se destacam os seguintes preceitos: “O presente diploma visa reconhecer e promover a língua mirandesa” (art. 1º); “O Estado Português reconhece o direito a cultivar e promover a língua mirandesa, enquanto património cultural, instrumento de comunicação e de reforço de identidade da terra de Miranda.” (art. 2º); “É reconhecido o direito da criança à aprendizagem do mirandês, nos termos a regulamentar.” (art. 3º); “As instituições públicas localizadas ou sediadas no concelho de Miranda do Douro poderão emitir os seus documentos acompanhados de uma versão em língua mirandesa.” (art. 4º).

A lei do mirandês, como passou a ser conhecida, pese embora a viragem que significou para a alíngua mirandesa, deve ser encarada com todas as suas limitações. Apesar destas, o Estado Português e as Autarquias da região onde se fala a língua continuam, incompreensivelmente, sem assumir os seus compromissos em relação à língua, tal como resultam da lei.

 

 

12. Qual a situação do ensino da língua mirandesa?

 

O ensino da língua mirandesa iniciou-se em 1985/86, na Escola Preparatória de Miranda do Douro, com Domingos Raposo, aí se mantendo por vários anos, reduzido a duas turmas do 5º e do 6º anos.

Entretanto, o ensino foi regulamentado pelo Despacho Normativo, do Ministro da Educação, n.º 35/99, de 5 de Julho, na sequência da lei nº 7/99, de 29 de Janeiro. O ensino é considerado como opcional. Esta regulamentação do ensino sofre de graves deficiências, o que tem levado a uma diminuição do número de horas lectivas (agora reduzidas a uma hora semanal), a um processo de colocação de professores com graves irregularidades, à ausência de apoio à formação de professores e à edição de materiais de apoio ao ensino, entre outros problemas. Aguarda-se um novo estatuto do ensino do mirandês, cuja necessidade já foi publicamente reconhecida pelos dois principais partidos, e para que já foram apresentadas propostas ao Ministério da Educação, que continua sem dar resposta a este problema, tão simples de resolver.

Já em 2000, o ensino estendeu-se às escolas primária e preparatória de Sendim, com Carlos Ferreira. Hoje a língua mirandesa é ensinada em todas as escolas do concelho de Miranda do Douro, da pré-primária ao 12º ano, como disciplina de opção, devendo-se essa expansão aos esforços iniciados por Carlos Ferreira e continuados e levados a bom termo por Duarte Martins.

A língua mirandesa foi também ensinada na UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (Pólo de Miranda do Douro), em cursos ministrados por Domingos Raposo, hoje, infelizmente, abandonados.

Fora do ensino oficial têm sido realizados vários cursos, de diferente natureza, apenas tendo carácter regular o ensino organizado pela  Associaçon de Lhéngua Mirandesa, em Lisboa, desde 2001, em cursos iniciados por Amadeu Ferreira e hoje também ministrados por Francisco Domingues e por Bina Cangueiro.

 

 

13. Existe uma literatura em língua mirandesa?

 

Sempre existiu uma riquíssima literatura mirandesa de tradição oral, nos mais diversos domínios da expressão popular: poesia, romance, conto, cantiga, oração, etc. Uma parte importante desse património está ainda por recolher e, sobretudo, por organizar e estudar. Parte importante dessa literatura é em português e em castelhano, mas um núcleo significativo é em mirandês. Só por desconhecimento dos organizadores se pode compreender que apenas um poema popular mirandês figure na antologia Rosa do Mundo, editada em 2000 e que pretende ser representativa da poesia mundial dos últimos 2000 anos. Essa literatura, a par de outros aspectos da cultura mirandesa, faz parte do património cultural da humanidade

A literatura escrita em língua mirandesa inicia-se em 1884, com a publicação do poemário de José Leite de Vasconcelos, Flores Mirandesas. A este autor se devem também algumas traduções de trechos de Luís de Camões. Ainda no século XIX, assistimos à publicação de poemas originais por Francisco Meirinhos, de traduções de Camões e de Antero de Quental por Manuel Sardinha, de Camões e dos Quatros Evangelhos por Bernardo Fernandes Monteiro, autor que também publica a tradução de contos e diálogos vários. Deve-se a Francisco Garrido Brandão uma peça de teatro em mirandês, Sturiano i Marcolfa, publicada por José Leite de Vasconcelos e uma versão de inúmeros lhaços em mirandês, ainda inéditos..

Já no século XX, António Maria Mourinho publica vários poemas em mirandês, depois reunidos no volume Nuossa Alma i Nuossa Tierra, a que se veio juntar mais tarde o poema Scoba Frolida an Agosto e outros poemas dispersos. A um autor não mirandês se deve uma importante peça de teatro em mirandês, As Saias (1938), que chegou a ser representada no Teatro Nacional D. Maria II.

Este período, sem prejuízo do valor literário das obras produzidas, teve como principal finalidade o estabelecimento de um corpus que fixasse um património linguístico ameaçado, como é expressamente referido pelos autores. Porém, a evolução da língua mirandesa como língua literária, em sentido moderno, não tem parado, apesar de a pouca difusão das suas obras tornar tal realidade menos evidente. Também do ponto de vista literário não há línguas menores, porque nenhuma língua é, à partida, inferior a qualquer outra e a nenhuma está negada a capacidade de expressão literária elevada. É neste contexto que deve ser encarado o surto de literatura mirandesa a partir dos anos 90 do século XX, e o surgimento de autores vários que saliento têm vindo a publicar com mais ou menos regularidade:

i. na poesia, Adelaide Monteiro, Alcides Meirinhos, Amadeu Ferreira (e dos seus pseudónimos Fracisco Niebro, Marcus Miranda i Fonso Roixo), Célio Pires, Conceição Lopes, Domingos Raposo, Emílio Martins, José António Esteves, José Francisco Fernandes, Manuel Preto, Marcolino Fernandes, Rosa Martins.

ii. em prosa, Alcides Meirinhos, Alcina Pires, Alfredo Cameirão, Amadeu Ferreira (e o seu pseudónimos Fracisco Niebro i Marcus Miranda), Ana Maria Fernandes, António Bárbolo Alves, Bina Cangueiro, Carlos Ferreira, Duarte Martins, Faustino Antão, Válter Deusdado.

Várias das obras destes autores estão dispersas por jornais e revistas, em especial o Jornal Nordeste / Fuolha Mirandesa, mas também por sítios e blogs na internet, onde outros autores têm vindo também a fazer o seu caminho. A estes autores devem acrescentar-se vários escritores jovens que se têm revelado nos jornais escolares e na revista La Gameta. Muitas outras pessoas têm vindo a escrever mirandês com regularidade, mas já não no domínio literário, razão por que não são aqui referidas.

A capacidade de gerar literatura em vários níveis e em diversos géneros tem sido seguramente um dos modos de afirmação da língua mirandesa. Apesar de tudo o que fica dito, a literatura mirandesa é sobretudo uma literatura do século XXI, pois nos poucos anos deste século se escreveu mais do que em toda a história da língua. Embora ainda muito presa ao seu próprio passado, de cunho memorialista, e ao tema da própria língua, a literatura mirandesa, em especial a poesia, cada vez mais se aventura pelos caminhos da modernidade, nenhum tema ou forma lhe sendo alheios.

Como tem acontecido em qualquer literatura nascente, também em mirandês é muito significativo o número de traduções de obras de vário tipo, em particular a banda desenhada (Asterix, l Goulés e L Galaton), o conto e a poesia (Ls Lusíadas) e a história (Stória dua Lhéngua i dun Pobo, de José Ruy), para referir apenas alguns exemplos.

Uma boa maneira de ir acompanhando o que de novo se vai fazendo na literatura mirandesa é acompanhar os diversos blogues i sítios da internet acessíveis a partir de http://frolesmirandesas.blogspot.com

 

 

14. Que uso faz o mirandês e os mirandeses da internet?

 

Desde muito cedo o mirandês marcou presença na internet, seja em sites seja em blogues de um ou vários autores. Mais recentemente, já em 2009, o mirandês também passou a dispor de uma Biquipédia que, aos poucos, tem vindo a crescer e afirmar-se, elemento essencial para a divulgação do mirandês. Aí se podem encontrar referências ao essencial da sua bibliografia.

Desde bem cedo alguns sítios da internet começaram a dedicar uma especial atenção à língua mirandesa, de entre os quais é justo destacar o sítio da aldeia de Picote, que contava, então, com o especial empenho de Reis Quarteu. Amadeu Ferreira começa a publicar crónicas em mirandês em www.diariodetrasosmontes.com no dia 2 de Abril de 2001.

O primeiro site dedicado integralmente ao mirandês, e que marca uma viragem no panorama do mirandês na internet, terá sido o www.mirandes.no.sapo.pt promovido e coordenado pela doutora Manuela Barros Ferreira, com início em Dezembro de 2001. É um sítio em que a língua de referência é ainda o português assim como o blogue que lhe estava ligado http://mirandes.blogspot.com/, ambos sem actualização desde 2005.

Pouco depois, em Abril de 2002, é a vez de a Escola EB2 de Miranda do Douro dedicar um site à língua e cultura mirandesa, embora sem actualização desde então http://surf.to/mirandes sítio da Escola EB2

A partir de 25 de Fevereiro de 2003 Orlando Teixeira assina várias crónicas no Jornal Nordeste, semanário de Bragança, tendo por objecto sítios ou blogues que tenham algo a ver com as terras de Miranda ou com a língua mirandesa.

Nomeadamente a partir de 2006 dá-se uma verdadeira explosão de blogues em mirandês, não fazendo sentido estar a falar de cada um deles dado o carácter resumido deste texto. Pode ver-se um panorama relativamente completo de links no blogue http://frolesmirandesas.blogspot.com, aí incluídos blogues de fotografia, de grupos musicais, de povoações e instituições, de programas de rádio, cursos de mirandês on-line, de textos vários, traduções, documentos históricos, etc.

Uma fase nova inicia-se com a tradução de várias ferramentas em mirandês, como foram os casos do hi5, do worpress, i do photoblog. Depois disso, veio http://mwl.wikipedia.org/wiki/P%C3%A1igina_Percipal, a Biquipédia mirandesa. Deve registar-se que o grande obreiro desta nova fase foi o jovem sendinês Cristóvão Pires.

 

 

15. Qual a importância da língua mirandesa para Portugal?

 

A necessidade da defesa das chamadas línguas minoritárias tem vindo a tornar-se uma evidência para cada vez maior número de pessoas. Esse é sobretudo um imperativo orientado a preservar uma parte indispensável do património cultural da humanidade. Daí que todo o processo de defesa e promoção da língua deva ser encarado como uma exigência de cidadania da mais alta importância, que não tem apenas uma dimensão local, mas nacional e internacional.

A diversidade linguística e cultural é uma riqueza para Portugal, integrante da nossa identidade. Aceitando a verdade histórica e sociológica, Portugal deve apresentar-se como país bilingue e integrar essa referência nos programas das nossas escolas, dando a conhecer a todos os cidadãos a existência da língua mirandesa, sua origem e características.

A democracia linguística é um elemento importante da democracia, em geral, assente no respeito pela diferença. Não basta uma lei proclamatória, exigindo-se que o Estado, a nível nacional e local, concretize os compromissos que assumiu em lei, nos mais diversos domínios.

Além de um problema de dignidade dos seus falantes, as línguas são também um problema ecológico, entendido em sentido amplo, que a todos deve preocupar. Pela língua se exprimem culturas, tradições, saberes e modos de viver que são essenciais ao equilíbrio das sociedades e ao bem estar dos cidadãos. Também de Portugal. Se o mirandês desaparecer ninguém ganha nada com isso, mas Portugal, os portugueses e, dentre estes, os mirandeses ficam mais pobres.

Para os mirandeses e para todos os concelhos da terra de Miranda, em particular, o mirandês e a cultura mirandesa assumem-se também como um importante valor económico, que importa ter em conta numa região que está em profunda depressão económica e em acelerado processo de desertificação.

Pelo facto de falarem outra língua, os mirandeses não são menos portugueses que os outros, como o demonstra a sua história, nem nunca quiseram ser outra coisa senão portugueses. Hoje os mirandeses continuam a ser bilingues e a sua afirmação do mirandês não implica a negação do português. Defender, promover e desenvolver a língua mirandesa é um dever de cidadania que se impõe, nomeadamente a todos os mirandeses.

 

Amadeu Ferreira

amadeujf@gmail.com

Maio de 2010

puosto por fracisco n. às 18:43
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Segunda-feira, 7 de Março de 2011

Modos de tratamiento ne l Auto de dom André

 

 


[Este pequeinho studo corresponde a la 3.ª parte dua palhestra feita an Miranda de l Douro, ne l Cumbento de ls Frailes Trinos, an júlio de 2005, a cumbite de l dr. Domingos Raposo. Eiqui se deixa tai i qual cumo nessa altura fui apersentada, deixando-se bien claro l sou carátele datado.]

 

 

 

L Auto de Dom André, de que nun conhece l outor, pertence a la scuola de Gil Vicente i haberá sido screbido ende puls meios de l seclo XVI[1]. Pa l que aqui mos anteressa hai que dezir que l outor faç ua çtinçon bien çclarada antre l pertués falado pulas pessonas de l campo i la lhéngua fidalga. La defrença ye tan grande que l outor pon ua de las figuras de campo a dezir que l fidalgo fala an lhatin i el nun l’antende. De modo defrente de outros quelóquios daquel tiempo, este ye solo screbido an pertués. L que anteressante ye ber que hai muita palabra i algues spressones desse quelóquio que inda hoije eisísten an mirandés, que tanto correspónden a la fala fidalga cumo a la fala que ye apersentada cumo charra, falada puls aldeanos. Ye anteressante dezir que nin ua de las pragas, ou spressones populares ou palabras yá anton cunsideradas arcaicas ou berbos rústicos, nada desso lo achamos hoije an mirandés[2]. Neste quelóquio aparécen uito ditos dezideiros i nanhun deilhes lo achamos hoije an mirandés[3], mas aparece alhá un remense, l Conde de Almanha, que quedou subretodo an Trás de ls Montes i na Tierra de Miranda.

 

Para alhá de algues palabras i spressones, poucas, l mais anteressante nua lheitura mirandesa de l Auto de Dom André ten a ber cul modo de tratamiento de respeito, dado pulas figuras de l campo als fidalgos. I esse modo de tratamiento ye, quaijeque siempre, la treceira pessona de l singular, tal i qual cumo inda hoije se passa ne l mirandés de Sendin. Mas essa forma de tratamento tamien ye ousada antre fidalgos, muita beç acumpanhada de la palabra «senhor». L normal ye que ls fidalgos antre eihes ou las pessonas de l campo antre eilhas solo úsan l tratamiento por «bós», na segunda pessona de l plural, aparecendo quaijeque siempre cumo un tratamiento antre eiguales. L tratamiento por «tu» solo ye ousado pa ls anferiores, assi i todo scassas bezes.

Bamos a ber, an special, l modo de tratamiento pornominal – ele / ela – an que l berbo bai pa la terceira pessona de l singular.

 

L Ratinho, que ye d’ourige de l campo[4], derige-se a la Senhora assi:

Eu a servirei, senhora

como ela bem verá. (vs. 335-6)

 

Mas la mesma figura, noutras falas cula mesma Senhora usa l tratamento «vós» cul berbo na segunda pessona de l plural. Ye tamien por «vós» que trata l armano de l, que faç la figura de l Pajem. Mas lhougo apuis, l mesmo Ratinho, deregindo-se a Ilária, ua criada que el pon arriba del, diç:

 

Mão são, Senhora, os danos

que por ela passo e dores

que [me] secam os tutanos.

Ela tem logo assi un jeito

de ser mais dura que seixo... (771-75)

 

Que quero? Pesa da morte,

que saiba que são eu seu. (806-807)

 

Bofé, Senhora Ilária,

se ela ora não zombasse.

Eu lhe fico que ganhasse

indulgência plenária,

se me ora abraçasse. (814-15)

 

Senhora, não se vá a zombar! (823)

 

Mas las mesmas bacilaçones desta figura de l Ratinho quanto al modo de tratar, tamien se repíten an relaçon a Ilária, pus la trata bárias bezes por «vós» na segunda pessona de l plural (786-803, 811-812, 829). L mesmo Ratinho deregindo-se al amo, l Fidalgo, torna al tratamento na terceira pessona:

 

Ele, di-lo, assi viva ele,

como ele o quer dizer. (1313-14)

 

Ua outra figura de l campo ye l Vilão. Tamien usa bárias bezes l tratamento na terceira pessona al deregir-se al Fidalgo. Yá a la tie del trata-la por «vós», i l mesmo faç al filho Fernando, anque a las bezes lo trate por tu[5], i este trata tamien l pai por «vós»[6]. Diç-le l Vilão al Fidalgo:

:

Cuidei que era com’essa

em que ele, senhor, sê. (523-4)

 

Ele, senhor, o há-de dizer

e, despois que o eu ouvir

então lhe hei-de responder. (537-39)

 

Fala homem assi ao desdém,

ele, senhor, há-de perdoar,

se lhe homem não falar bem. (542-44)

 

Ama, senhor, e de quê?

Quant’a eu, estou enleado.

Diga-me, por sua fé, porventura Vossa Mercê

ele de ser seu criado? (565-9)

 

Fale-me ele português,

porque eu não sei latinar. (573-4)

 

Senhor, ele há-de perdoar,

eu hei-de ficar também,

se ela houver de ficar. (612-14)

 

Faço-lhe também saber,

Senhor, que é já casado

e sabe tão bem reger

ua casa, que pasmado

ficará, só de o ver. (1232-33)

 

Tamien la criada Ilária usa l tratamento na terceira pessona, al menos dues beszes, cun Belícia, armana de la Senhora:

 

... e Dom André há-de ter

sempre dela essa sospeita.... (690-91)

 

... Minha senhora a chama,

não sei o que lhe quererá. (708-709)

 

La figura de l Veador, amportante funcionário de l fidalgo, tamien usa algues bezes l modo de tratamento na terceira pessona, deregindo-se al Fidalgo:

 

Não há i mais que deter

bem pode partir, senhor,

na hora qu’ele quiser. (vs. 1537-39).

 

L mesmo Veador trata assi, ua beç, al Ratinho, mas de caçuada:

 

Porque não vindes, Vilão?

É ele logo, senhor?

 

Tamien hai un uso, anque ralo, de la 3ª pessona de l singular antre fidalgos i por eilhes. Diç la Senhora pa l Fidalgo, tiu deilha:

 

Se bem lhe parece, senhor,

eu são desse parecer. (31-32)

 

Belícia, que ye fidalga, trata a Dom Belchior, que, sin ser fidalgo, ye apersentado cumo asno i bien falante, por «vós», mas algues bezes tamien usa la treceira pessona de l singular:

 

A mercê que me fará,

se algua lhe mereço:

por aqui não passará

e, fazendo-a agravar-me-á. (949-952)

 

 

Eiqui chegados, hai que dezir que este special modo de tratamento nun ten sido zambolbido puls outores que desse assunto ténen tratado. An special CINTRA nada diç subre el, mesmo quando trata de las formas mais antigas de tratamento an pertués. Ne ls squemas que esse outor apersenta de la eibeluçon de las formas de tratamento, diç que l tratamiento an que ye ousada la 3ª pessona de l singular de l berbo solo aparece de l seclo XVIII an delantre cumo forma de tratamiento de respeito generalizada[7]. I mesmo ende nunca aparece l uso de ls pornomes personales «ele» i «ela», mas solo la terceira pessona de l singular de l berbo apuis de ciertas spressones (vossa mercê, vossa senhoria, vossa alteza, vossa majestade, vossa excelência, etc.)[8] ou apuis de ciertas palabras (o senhor, o senhor doutor), ou ligado a ciertos nomes (o António, a Maria, o pai, a mãe, o meu amigo, o cavalheiro, etc) (CINTRA, 107-108). Ora, l Auto de Dom André amostra que l tratamento de respeito na terceira pessona de l singular yá era ousado ne l seclo XVI pulas classes populares, anque an alguns de ls casos apersentados se sínta que se ten na cabeça la spresson Vossa Mercê, subretodo quando se usa l lhe[9], i tamien se bei que esse modo de tratamiento inda nun era giral pus hai inda algue bariaçon na forma cumo las figuras lo úsan. Assi i todo tenemos un uso çclarado de l berbo na terceira pessona de l singular, i tenemos algo que nunca passou pa l pertués padron: l uso de ls pernomes pessonales «ele» i «ela», pornomes stranhos porque la regra ye que séian ousados para referir ua terceira pessona cun quien nun se stá a falar. Ye esso que ye nuobo i ye esso que se manten ne l tratamento de respeito ne l mirandés de Sendin. Cumo se splica esta eibeluçon.

 

L que talbeç se puoda dezir ye que l tratamento na terceira pessona nun será de antes de l seculo XV-XVI. Parece que solo por essa altura se ampeçou a ousar l tratamento de Vossa Mercê i Vossa Senhoria[10], que parece haber stado na ourige de l tratamiento na terceira pessona de l singular. Cuido que haberá sido esta quelocaçon de l berbo na terceira pessona de l singular que haberá traído l uso de ls pornomes pessonales que le correspónden, «ele» i «ela». Tamien me paredce que essa correspundéncia ten ua marca popular ne l uso destes pornomes: purmeiro tenerá habido ua sempleficaçon deixando-se de ousar las spressones Senhor, Vossa Mercê, Vossa Senhoria, i ousando-se solo l berbo na terceira pessona de l singular; apuis, stando l berbo el solo, bundou poner-le l pornome cierto que le sirbe de sujeito a essa terceira pessona de l singular. Pássa-se, assi, de la forma berbal pa la forma pornominal de tratamiento. Podemos dar este eisemplo que amostra la eibeluçon habida: Senhor, perdoe-me Vossa Mercê > perdoe-me > ele perdoe-me. Deste modo, cuido que stará achada nun solo la ourige desta forma de tratamiento cumo las sues caratelísticas speciales. L Auto de Dom André ye un decumiento fundamental a marcar esta eibeluçon, you al menos nun conheço outro.

 

Amadeu Ferreira


 

 

 



[1] Solo se tubo coincimiento deste quelóquio an 1910, altura an que fui achado por Menéndez Pidal na Biblioteca Nacional de Madriç. Fui publicado an 1922 por D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, an Madriç.

[2] Deixo eiqui ls seguintes eisemplos: a) de pragas de fondo relegioso: Esse é o demo, samica! (v. 275); que o vivo demo (v. 451); ó demo que eu a dou (v. 474); oh, renego do diabo! (v. 483); Pela corpa de São Fernando (v. 488); comendo ao demo (v. 515); como demo lhe diria? (v. 744); rogo eu a Deos que má dor (v. 826); comendo à demo, cortiço (v. 845); que são piores que o demo (v. 1034); comendo ao demo a relé (v. 1227); qu’é pior que o Antecristo (v. 1245); guardai-vos do diabo (v. 1255); b) outras pragas: pesar de minha mãe torta! (v. 458); juro ao corpo de mi (v. 478); oh, pesar não sei de quem! (v. 739); pesa da morte (v. 806); pareço vossa mãe torta (v. 1222); c) formas arcaicas ousadas pula giente de l campo: abofé, bofá, bofé, bofás, eramá, padar, sicaes, samicas, samica; desengula, fasquer, semelhar, trager; d) saludos: mantenha Deus Sua Mercê (vv. 509, 1377); mantinha-vos Deus (v. 1416).

L mesmo bal para outras palabras i spressones de ls populares. L mesmo se passa an Camões, por eisemplo quanto a la fala de las classe mais baias (ANF,  Feliseu i Brómia). AES: Oh! fideputa bargante! (80); pesar de meu avô torto (87)

[3] Quem honra desejar, / convém-lhe sempre d’estar / ... / sem ver, ouvir, nem falar (vv. 396-399); Bem segurais vossa nao / antes que saia da barra! (vv. 545-546); cantando traz homem ora / a sua casa com que chora (vv. 1148-1149); que poucas vezes se alcança / aquilo que é desejado (vv. 673-674); porque o mal, enquanto é novo, / é mais fácil de curar (vv. 1270-1271); que contra fortuna e amor / não há i força nem poder (vv. 1280-1281); quem bem ama de presente / em ausência sempre ama (vv. 1285-1286); que quando os olhos não vêem / não deseja o coração (vv. 1290-1291); quem quiser amigos peite / e senão não os terá (vv. 1489-1490)

[4] Nun ye fácele saber an que region de l paíç l outor pon las pessonas de l pobo que úsan essas formas de tratamiento. Fala-se an Lamego, Mora (Alanteijo? vs. 1346), Tojal. Mas las personaiges que assi fálan son apersentadas cumo sendo de Tojal, l que serie tierra acerca de Lisboua (adonde todo se passa, pus Dom André poderie haber ido a falar cul rei, vs. 297-299)[4]. Mais alantre l Ratinho fala dun tal Juan da Lousa, l que puode ser tierra inda hoije cun esse nome a seguir a Loures. I el mesmo se scapou para Lisboua para fugir a la justícia. Por esso nun habie de ser loinje de Lisboua. Mas l mesmo Ratinho i l armano, l Pajem, diç que ls pais móran acerca de Lamego (v. 259). Yá Fernando bai a besitar l pai, que ye criado de l fidalgo Dom André i parece ser de acerca. Parece que ls personaiges populares seran, ls mais deilhes, de la chamada «region saloia». Mais que la lhéngua dua sola region, talbeç stéiamos delantre de tipos tal cumo se passa an Gil Vicente, cumo diç Paul Teyssier.

[5] CINTRA (1986, 55) diç que an Gil Vicente l home i la mulhier siempre se trátan por «vós» i que ls pais trátan ls filhos por «tu».

[6] CINTRA (1986, 56) diç que an Gil Vicente ls filhos trátan siempre als pais por «vós».

[7] Alguns casos ralos yá aparécen zde l seclo XIV, cumo formas de tratamiento nominales (CINTRA, 17-21)

[8] An nota al Auto dos Anfatriões de Camões, diç H. Cidade a perpósito de uso de tratamiento cul berbo na terceira pessona: “Não devia – subentende-se – Vossa Mercê. Eis a explicação do tratamento na 3ª pessoa do singular, frequente nestes autos” (p.2). I mais alantre - Anfatrião: Avós quem vos convidou; Belferrão: Sósia por cuidado seu – diç H. Cidade (p. 64): “seu (de Vossa Mercê)”

[9] Maria José Palla, que apersenta la obra, nada diç subre l’amportança deste modo de tratamiento, anque le faga ua brebe referéncia (nota, pp. 101: “Ela – forma de cortesia da terceira pessoa que designa aqui uma segunda pessoa, ‘Vossa Mercê’.) Mas cuido que esso solo ye claro an alguns casos, subretodo quando se usa l pornome lhe.

[10] Coincemos bárias lhonas desse tiempo, reinado de D. Juan III, an que l tratamento por «vós» yá ye cunsidrado ua oufénsia i falta de respeito por ciertos fidalgos, mas esse pensar inda nun serie giral senó ls casos nun serien apersentados cumo lhonas. Nas cortes feitas por Don Sabastian houbo un fidalgo que fura gobernador de la Índia, Martim Afonso, que tratou ls delgados por «vós outros» i un deilhes, que era de Lamego, respundiu-le assi: “Vós outros não estão aqui, nem Martim Afonso está na Índia” (SARAIVA, 1997, 152, 393-394, 442).

puosto por fracisco n. às 18:11
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quinta-feira, 3 de Março de 2011

Dues notas culturales sacadas de ls quelóquios de Luís de Camões, cun antresse pa l mirandés

 

[Este pequeinho studo corresponde a la 2.ª parte dua palhestra feita an Miranda de l Douro, ne l Cumbento de ls Frailes Trinos, an júlio de 2005, a cumbite de l dr. Domingos Raposo. Eiqui se deixa tai i qual cumo nessa altura fui apersentada, deixando-se bien claro l sou carátele datado.]

 

 

 

1. Caminos possibles pa l studo dun porblema

 

Cumo studar ls porblemas que pon la passaige de l pertués a lhéngua anstitucional na tierra de Miranda i las anfluenças que nessa altura tubo subre l mirandés, subretodo quanto a las heipóteses puostas nun outro studo? Cuido que un modo de tartar l porblema será acumparar la lhéngua mirandesa cula lhéngua pertuesa nessa altura, subretodo ne l modo cumo esta mos aparece ne ls scritos de l tiempo, an special aqueilhes que mais anfluença puoden tener nas pessonas. Ende cuido que hai que çtinguir dous tiempos: l tiempo an que la lhéngua pertuesa inda nun habie sufrido la reboluçon que le bieno culs studos houmanistas; l tiempo an que la lhéngua pertuesa sufriu las grandes streformaçones que le bénen cul houmanismo, subretodo apuis de meios de l seclo XVI. Neste studo hai que ir cun muito cuidado i siempre trocendo las narizes als resultados a que se chegue. Cumo tal, inda hoije nun se sabe bien cumo era l pertués stramuntano nesse tiempo i possiblemente nunca se benerá a saber.

Dezido esto, nun será defícele antender que l que eiqui se faç ye solo l ampeçar dun camino, talbeç inda mais ua antençon do que l própio ampeçar, que quedará para apuis de studos mais lhargos, feitos cun mais outores i agarrando outros tiempos. Eiqui tenerá un lhugar amportante l studo de la lhéngua an Gil Vicente, mas tamien de outros outores que benírun antes del i doutros que benírun apuis[i].

Ye esso que eiqui fago: apersentar quatro quelóquios lidos dun punto de bista mirandés, quier dezir, acumparando las questumes i outros dados culturales cula cultura mirandesa i acumparando la lhéngua desses quelóquios cula lhéngua mirandesa. Este método ye algo tolhido puis la lhéngua mirandesa que coincemos ye la de agora i nó la daquel tiempo. Tengo cuncéncia de la manqueira de l método i por esso tamien tengo cuncéncia de l balor lhemitado de alguns resultados a que chegue.

Scolhi[ii] ls trés quelóquios screbidos por Luís de Camões – Auto de El-rei Seleuco, Anfatriões i Filodemo – i outro de outor çcoincido, mas pertenciente a la scuola de Gil Vicente, chamado l Auto de Dom André. Todos esses quelóquios haberan sido screbidos ende al redror de meados de l seclo XVI, i essa andicaçon bonda, pus ls specialistas inda hoije çcúten datas mais ciertas. Las notas de lheitura que apersento nun ténen an cuonta se esses quelóquios fúrun ou nó repersentados an Miranda, anque sábamos que eiqui fúrun repersentados alguns outores de la scuola de Gil Vicente cumo Baltasar Dias, anque talbeç esso tenga ampeçado mais tarde (Valdemar FERNANDES, 2000, 161). Por agora, anteressórun-me esses quelóquios cumo decumientos que mos aperséntan partes amportantes de la cultura i de la lhéngua desse tiempo ne l que era l centro cultural de l paíç, Lisboua i la corte de l Rei.

De l Auto de El-rei Seleuco bou a tirar dues refréncias que me parécen antressantes: la dança de spadas i l'antroduçon als quelóquios populares; de l auto de ls Anfatriões bou a falar de la cantiga Dongolondron; de l Auto de Dom André çtacarei l modo de tratamento de respeito ousado por ciertas pessonas de l pobo; de todos ls quatro quelóquios sacarei algues caratelísticas de la lhéngua, subretodo ciertas spressones ou modos de dezir i algun bocabulairo, relacionado todo esso cula lhéngua i ciertas partes de la cultura mirandesa. Mais que cunclusiones deixarei algues notas de lheitura, mui suoltas.

 

 

 

2. Camões i la dança de spadas

 

L quelóquio de El-Rei Seleuco ten a modo ua antroduçon al quelóquio para fazer rir ls que stan a ber, cuntando lhonas i arremedando las repersentaçones populares desse tiempo: “temos cá auto com grande fogueira” (p. 79), an que las pessonas s’ajúntan uas anriba las outras para ber. L ton ye de arremedo i amostra que esse modo de fazer ls quelóquios yá nun ye de l gusto de la Corte i de las pessonas mais cultas. Até zomba cul modo cumo se dízen las falas: “...não há tal vida como ouvir um vilão que arranca a fala da garganta, mais sem sabor que ua pera-pão, e ua donzela que vem mais podre de amor, falando como apóstolo[iii], mais piedosa que ua lamentação” (p. 83), l que parece apuntar para ua declamaçon cumo inda se faç an mirandés. Ye l que Duarte Ivo Cruz chama «a desclassificação das comédias» que tamien se bei an António Ribeiro Chiado (Duarte Ivo CRUZ, 2001, 71). Ende se passa l que l mesmo outor chama “simulação de teatro dentro do teatro”[iv].

Ye al acabar essa antrada que se diç l seguinte:

“Mas em breves palavras direi a Vossas Mercês a suma da obra: ela é toda de rir, do cabo até a ponta. Entrarão logo primeiramente quinze donzelas que vão fugidas de casa de seus pais, e vão com cabazes apanhar azeitona; e trás elas vêm logo oito mundanos, metidos em um covão, cantando: Quem os amores tem em Sintra; i despois de cantarem farão ua dança de espadas, cousa muito pera ver. Entra mais El-Rei D. Sancho, bailando os machatins, e entra logo Caterina Real com uns poucos de parvos nua joeira; e semeá-los-à pela casa, de que nascerá muito mantimento ao riso. E nisto fenecerá o auto, com música de chocalho e bozinas, que Cupido vem dar a ua alfèoleira a quem quer bem; e ir-se-ão Vossas Mercês cada um pera suas pousadas, ou consoarão cá connosco disso que aí houver.”

La referéncia mais anteressante ye l falar na «dança de spadas», dando-mos alguns pormenores anteressantes[v]: diç que ye dançada por uito homes (oito mundanos); i que ye «cousa muito pera ver»; ls dançadores son apersentados de um modo cómico, pus ban «metidos em um covão» que ye un cesto de bimes que era ousado para caçar peixes; I ban todos cantando ua cantiga, Quem os amores tem em Sintra. Nada mos diç se la dança ye acumpanhada cun algun strumiento ou se eilha ye feita cunsante las cantiga de ls própios dançadores. Talbeç el nun steia preacupado cun esso, pus l anúncio de la dança ye solo para rir i nun se bai a fazer. Stamos, por esso, bien loinje dua dança guerreira ou dua dança ritual, seia relegiosa ou nó.

L modo cumo la dança ye apersentada todo andica que nun serie de l coincimiento de las pessonas. La risa stá an que aqueilhas pessonas sabien que la spada era ua arma i nó para danças. Que nun serie coincida tira-se de la spresson «cousa muito pera ver». Assi i todo, Camões yá haberie oubido falar deilha, sabendo bien que era dançada por uito homes.

Esta referéncia de Camões a perpósito de la dança de spadas lhieba-mos a pensar na nuossa dança, ls dançadores (pauliteiros), que muita giente cunsidra cumo benindo de la dança de spadas. Essa dança, segundo alguns outores, yá serie mui antiga, sendo yá falada por Tácito an “De Germania” (António Maria MOURINHO, Cancioneiro, 453-511; 595-597). Mas nunca a esse respeito bi referido l nome de Camões.

“As danças de Espadas e de paus (paulitos), sendo só geralmente executadas por homens, a Igreja permitiu-as nas suas solenidades, segundo Luis de Hoyos, a partir do século X” (António Maria MOURINHO, Cancioneiro, 421). Diç que ye ua dança peninsular ou eibérica, menos ne l reino de Granada i que an algues regiones de Spanha era tamien beilada por rapazas (id. 458). Diç que l decumiento mais antigo de la Tierra de Miranda adonde se fala de la dança ye de l seclo XVII, de la Confraria de Santa Bárbara de Fonte Aldeia (p. 469).

Outras notas subre esta antroduçon al quelóquio de Camões: tamien l falar-se an El-rei D. Sancho ten oujetibos de fazer caçuada (“bailando os machatins”). Esse rei tamien entra an situaçones cómicas al menos nun lhaço de la dança mirandesa, «Don Rodrigo» (MOURINHO, Cancioneiro, 509); na fin las pessonas son cumbidadas a quemer, algo que, inda nun hai muito, tamien se passaba na fin de ls quelóquios mirandeses.

 

 

 

3. La moda de l Dongolondron

 

L Auto de ls Anfatriões, de Luís de Camões apersenta-mos a cierta altura la moda de l Dongolondron, Dongolondrera. Esta moda ye apersentada an castelhano:

 

Dongolondron con Dongolondrera

Por el camiño de Otera,

Rosas coge en la rosera

Dongolondron con Dongolondrera

 

Cuando yo vengo a pensar

Que uno matarme quisiera,

No hago sino temblar

Porque creo si muriera,

No pudiera mas cantar.

Porque estando a un rincon

De la casa adó quedé,

Sentí muy grande ronrón,

Y mirando, que miré?

Vi que era un gran ratón.

 

Ye l porsor Hernani Cidade an nota a la eidiçon desse auto (p. 31, nota), quien chama l'atençon pa la aparecéncia que la lhetra desta moda ten cula de la moda mirandesa de l Galandun. Cuido que el ten toda la rezon. La pregunta que se pon ye la seguinte: i que anteresse ten essa aparecéncia pa la cultura mirandesa?

Bamos por partes. Essa aparecéncia eisiste mesmo? Cuido que si ne l que ten a ber cun essa spresson, yá nó cul restro de la letra i nun sabemos cumo era beilada i se era beilada.

La palabra Dongolondron ye cumpuosta de Don + Golondron, tal cumo la palabra Dongolondrera yue cumpuosta porDon + Golondrera.

Ora, an mirandés, l que bemos ye que la palabra Don ye traduzida por Senhor, apersentando la outra palabra algues modeficaçones: Senhor + Galandun i Senhor + Galandaina. Mas tenemos outras bersiones de la cantiga an que mos aparécen las palabras Galandrun, Galandraina ou Galhandrun, Galhandraina. António Mourinho apersenta esta bersion cumo sendo de San Pedro de la Silba (MOURINHO, 1984):

 

“Sinhor Galhandrun!

Galhandrun del Galhandraina!”

 

Siempre oubi cantar esta moda an Sendin cula forma Galandrun. Segundo António Maria Mourinho serie ua moda raiana (MOURINHO, 1953), anque mais tarde mos apersente la bariante de San Pedro de la Silba. Acrecenta que “... a canção é nitidamente de origem espanhola ... É das mais típicas danças e canções que sobrevivem em terra de Miranda desde o século XVII ou XVIIII” (MOURINHO, 1984, 533)[vi].

Ye amportante dezir algo subre l modo cumo la moda era cantada i qual la funcion que era zampenhada pula spresson Galandun ou Galandrun. Mais ua beç diç António Maria Mourinho que las lhetras i ls “... trejeitos eram de fazer corar as pessoas...” Assi, dá-mos l’eideia de que l refran podie serbir para acumpanhar letras mui defrentes, que podien ser até andonadas pulas pessonas. L que mos lhieba outra beç a la moda de l quelóquio de Camões adonde parece zampenhar la mesma funcion, pus la letra de la moda ye de rir i sin sentido. La moda ye cantada por ua sola figura (Sósia) i nun mete dança.

António Mourinho pon la heipótese que la dança yá benira de l seclo XVII ou XVIII. Quanto a la dança nun sei, mas la moda nun benirá de antes desse tiempo pus yá parece ser coincida an Lisboua ende pul seclo XVI? Serie pul camino de la raia que essa cantiga antrou ou seria por outro camino que daba la buolta por Pertual, pus nin siempre l camino mais curto ye l lhieba menos tiempo? Seia cumo seia, bemos que ua moda aparecida yá ben al menos de l seclo XVI i era ousada por Camões nun de ls sous quelóquios.

 

 

Amadeu Ferreira

 

 



[i] Cumo diç Paul TEYSSIER (2005)  A Língua de Gil Vicente, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, p. 15: “O teatro de Gil Vicente é sem dúvida o documento linguístico mais rico e mais variado de todos os que nos deixou o Portugal do século XVI”.

[ii] Para que nun se cuide que essa scuolha oubedece a rezones lhenguísticas speciales hai que dezir que oubedeciu mais a rezones culturales, ne l caso de ls quelóquios de Camões, i solo a rezones lhenguísticas – l caso de ls modos de tratamiento – ne l Auto de Dom André.

[iii] Cumo se fura ua prática de ls jesuítas, nessa altura coincidos por esse nome (H. Cidade, Auto dos Anfatriões, Introdução e notas, 83, nota).

[iv] CRUZ (2001, 55). Diç l outor a respeito de l’antroduçon a El Rei Seleuco: «Do ponto de vista do espectáculo, as cenas introdutórias do Seleuco ... dão luz aos hábitos da época, ao menos na expressão cortesã: amigos que juntam para celebrar umas bodas, e assistem, em casa de um deles, à representação de um «auto com grande fogueira» (...) Ora, talvez o mais feliz exemplo dessa conciliação medievo-renascentista seja El-Rei Seleuco» (p. 56).

[v] Yá l Cancioneiro de Garcia de Resende fazie ua referéncia a la dança de spadas: “[Pareceis] guia de dança d’espadas, / gram malassada d’estopas, / guia de dança de copas / todas cheas, arrasadas” (IV, 329-330). Segundo Aida Fernanda Dias (Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Dicionário (Comum, onomástico e toponímico), volume VI, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 223) esta dança antiga haberá antrado ne l folclore i sido zambolbida antre ls seclos XIV i XVIII. L que este testo acrecenta an relaçon al testo de Camões ye que alguns de ls dançadores se chamában guias, tal i qual cumo na dança de ls palos.

[vi] Algo de aparecido mos aparece ne l lhaço La Puonte (vd. António MOURINHO (1984) Cancioneiro e Danças Populares Mirandesas, 1º vol., Miranda do Douro: Por la puente de Digolondera, / De Dingolondan, / Veinte cinco ciguenhos van, / Fuera de la villa, / Fuera del lhugar, / Fuera de la feira / Y de lo anramar...”

puosto por fracisco n. às 19:49
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

L pertués na region de Miranda ne l seclo XVI: de lhéngua marginal a lhéngua anstitucional

 

 

[Este pequeinho studo corresponde a la 1.ª parte dua palhestra feita an Miranda de l Douro, ne l Cumbento de ls Frailes Trinos, an júlio de 2005, a cumbite de l dr. Domingos Raposo. Eiqui se deixa tai i qual cumo nessa altura fui apersentada, deixando-se bien claro l sou carátele datado.]

 

 

 

1. L mito de l eizolamiento de Miranda.

 

An 1545 Miranda de l Douro passou a ser sede dua nuoba diocese. Essa decison trouxo fondas modeficaçones pa la nuoba cidade, que agora nace. Nun cierto sentido, Miranda passa de bila na fin de Pertual i de l’arquidiocese de Braga a sítio dua nuoba centralidade, cun lhigaçones diretas al rei i a Roma. Na resume, passa a ser un centro de poder de adonde sálen leis, ordes, cun amanaças i cunsequenças para quien nun cumprir. L poder, que staba loinje, agora passa a quedar mais acerca, puis nun podemos squecer que un bispo era ua outoridade mui fuorte, an muita cousa que iba para alhá la relegion. Mas Miranda passou tamien a ser un centro de cultura, a bários nibles: acá passa a morar un númaro amportante de pessonas eilustradas, passa a tener scuolas abançadas, oumenta l númaro de pessonas que ban pa l’Ounibersidade i deilha bénen yá formados, bei nacer ua nuoba arquitetura pa la region, etc. An cunsequença de todo esso, ye tamien reforçado l papel melitar de Miranda que bei oumentar l’amportança de ls sous gobernadores melitares i l númaro de ls suldados acá stablecidos.

 

Esta rialidade stá inda pouco studada, anque algues puortas yá se hában abierto. Inda nun fui studada l’anfluença dessa nuoba situaçon de la cidade de Miranda de l Douro an relaçon a la lhéngua mirandesa, tirando l que screbiu José Leite de Vasconcellos subre l çtino que ende tubo la lhéngua mirandesa[i]. L que nun stá studada ye l’anfluença que essa nuoba situaçon de la cidade de Miranda tubo na lhéngua mirandesa eilha mesma, na sue strutura, ne l sou bocabulairo i noutros puntos que ténen que ber cula lhéngua eilha mesma. Claro que l porblema nun puode resumir-se a la lhéngua: hai que mirar ls nuobos modos de ber que parqui benírun, nuobas questumes, nuobos balores, nuobas eisigéncias subretodo relegiosas, nuoba arquitetura i até nuobos modelos sociales a eimitar.

Hai que poner un punto final nun mito que se scriou i que, a la falta de melhor, ten serbido de splicaçon para muita cousa: l mito de l eizolamiento de Miranda. Nesse mito cuntina a assentar la splicaçon mais quemun pa la suberbibéncia de la lhéngua mirandesa i l’eideia de que eilha poucas modeficaçones haberá sufrido até a la purmeira metade de seclo XX.

 

 

 

2. L pertués ampon-se cumo lhéngua anstitucional de la Tierra de Miranda

 

La question puode poner-se assi, an termos generales: até pul meio de l seclo XVI puode dezir-se que dominou an Miranda un paradigma castelhano-lhionés, l que oubriga a poner las relaçones frunteiriças i sues anfluenças cumo eissenciales; zdende para acá podemos dezir que passou a amponer-se, de modo creciente[ii], un paradigma pertués. Esse paradigma pertués assenta nun claro apartar de l uso de las lhénguas ousadas pulas pessonas: l pertués ampon-se defenitibamente cumo lhéngua anstitucional; l mirandés ye ampurrado para andrento la família i las relaçones antre la quemunidade; l castelhano i l lhionés [nesse tiempo inda mais achegado al mirandês] son ousado nas relaçones cul outro lhado de la frunteira, cunsantes essas relaçones fúran anstitucionales ou nó.

Quando digo que l pertués se ampon cumo lhéngua anstitucional, nun stou a querer dezir que esso solo agora acuntecisse. Nó, yá benie de trás. Mas la fraqueza de l pertués correspundie a la fraqueza de las anstituiçones[iii]. Agora bemos que las anstitutiçones se refórçan i pássan a tener un papel mais atibo, chegando muito mais a la bida de las pessonas que móran nas aldés i nun quedando solo pula cidade, cumo se passaba até ende. L que agora se zeinha i ampon, de modo mui claro, ye a modo un tratado de Tordesilhas lhenguístico.

Cumo lhéngua anstitucional, la lhéngua pertuesa passa a adominar todas las anstituiçones: políticas, religiosas i culturales. Sendo la sola lhéngua de l poder, l mirandés solo le deixa al mirandés ls spácios adonde nun ten meios para anterbenir. Esta nuoba situaçon ten cunsequéncias pala lhéngua mirandesa, anque nun téngamos andicaçones diretas quanto al que se haberá passado. Assi, pon-se l porblema de saber se, al menos andiretamente, podemos abançar algue cousa i que camino seguir.

Un camino possible ye buscar las nuobas situaçones anstitucionales que poderien tener anfluéncia nas aldés ou na giente de l campo i que palabras le poderien correspunder: ansinar a rezar ‘em lingoagem’ passa a ser ua berdadeira cruzada, an que ls faltosos son cuntrolados i pássan mesmo a pagar multas; ls besitadores de ls bispos son rigorosos, andando siempre anriba de ls padres de las aldés i begiando l cumportamiento de las pessonas; ls nuobos padres letrados de la cidade habien de querer quien le oubira ls sermones pulas aldés, nas fiestas, dies santos i subretodo na Quaresma;  la giente que ben de la cidade passa a ser l nuobo modelo de las aspiraçones de ls lhabradores mais ricos de l campo[iv]. Sabemos que l paradigma de cultura i questumes dessa giente letrada ben de la corte i ye por mano dessa giente que chega até la tierra de Miranda i ten anfluença an toda la bida de las pessonas i tamien na sue lhéngua. Zdende, la lhéngua mirandesa queda assujeita a ua presson nuoba, la presson de la lhéngua pertuesa: ye ende que, possiblemente, bai ganhando fuorça l’eideia de fala stranha i charra, caçurra[v]; ye zdende que l pertués se ampeça a amponer cumo modelo de lhéngua; ye zdende que l’anfluença de la lhéngua pertuesa passa a ser fuorte i permanente.

 

 

 

3. L Renacimiento / Houmanismo i las streformaçones lhenguísticas

 

Ye sabido que, por esta altura, la lhéngua pertuesa passa por grandes streformaçones debido al mobimiento coincido cumo Houmanismo / Renacimiento. Son miles las palabras nuobas que bénen a la lhéngua, subretodo de l lhatin, la lhiteratura ten un zambolbimiento einorme apersentando nuobas formas lhiterárias, i l pertués apersenta-se defenitibamente cumo lhéngua de cultura, arremansando las falas populares pa l cesto de las cousas de giente atrasada i anculta.

Esse mobimiento que se dou na lhéngua pertuesa i noutras lhénguas de l tiempo nun chegou, diretamente, a la lhéngua mirandesa. Mas chegou a la Tierra de Miranda i a las pessonas que eiqui passórun a bibir, por bias de las anstituiçones que eiqui funcionában i se amponien a las pessonas. Esso quier dezir que, na sue fala de l die a die, ls mirandeses tubírun necidade de: dar nome a rialiades nuobas i bariadas que chegában a Miranda, zde las cousas mais solenes até cousas tan simples cumo ls nuobos bestidos; passórun a oubir falar l pertués mais do que stában aquestumados, por cierto aceitando nuobas palabras que nun coincien; oubindo pernunciar las palabras de nuobas maneiras; sendo oubrigados a formas de tratamiento an relaçon a tanta giente amportante que porqui se passeaba; oubindo nuobas cantigas, bendo nuobas danças, oubindo nuobos remanses i poemas, etc. Criou-se, assi, a modo un corredor que premitie l cuntato antre las dues lhénguas i l antendimiento de las pessonas an relaçon a la lhéngua pertuesa.

Possiblemente yá se falarie porqui un pertués que tenerie aparecéncias cul de las tierras alredror, mas que serie el tamien lhemitado an bocabulairo i inda cun fondas anfluéncias lhionesas[vi]. Portanto, tamien esse pertués nun starie purparado para dezir la nuoba rialidade que se habie criado. Esso quier dezir que muitas de las anfluéncias de l pertués ne l mirandés, que se dan por essa altura, nun bénen pul camino de l pertués popular, mas pul camino de l pertués de las classes mais cultas, l pertués ousado pulas anstituiçones i pulas pessonas que stában eilhi a la frente deilhas i, al menos an parte, habie de tener a ber cul pertués falado na corte i na Coimbra. Assi, puode-se dezir que aquel mobimiento de l Renacimiento tubo ua anfluéncia na lhéngua mirandesa, anque de modo andireto i solo lhemitado a algues situaçones: pongo la heipótese de nessa altura habéren antrado na lhéngua mirandesa muita palabra de l pertués culto, talbeç tamien alguns modo de pernunciar, talbeç alguns modos de tratamiento. Cuido que essas anfluéncias poderan haber streformado, an buona medida, l mirandés que eiqui se falaba, subretodo quanto al bocabulairo ousado, anque me pareça que la strutura de la lhéngua nun tenga tubido altaraçones de fondo. Muitas dessas palabras yá nun se úsan hoije an pertués i passórun a fazer parte de l património de l bocabulairo mirandés, podendo dezir-se que son palabras mirandesas.

 

 

 

4. Ua nuoba lheitura de las ouserbaçones de Severim de Faria: l bilhenguismo de ls mirandeses

 

Bistas las cousas deste modo cuido que ye possible fazer ua outra lheitura de las notas que Severim de Faria mos deixou subre la lhéngua mirandesa[vii]. L eissencial a dezir, pa l que agora mos anteressa, ye l seguinte:

a) L’oupenion que Severim de Faria mos trasmite subre la lhéngua mirandesa corresponde nó a ua análeze que houbira feito el mesmo, pus nun tubo tiempo para tanto an uito dies que alhá stubo, mas era l’oupenion que le fui transmitida pula la classe derigente, subretodo l clero, de l bispado de Miranda;

b) Mais do que de la cidade, el trata de la lhéngua que se fala na Tierra de Miranda[viii];

c) Queda claro que l mirandés era cunsiderado cumo outra lhéngua defrente de l pertués i de l castelhano, las lhénguas cunsidradas ‘cultas’ al tiempo, al punto de assentar essas defrenças an defrentes ouriges i pobos[ix];

d) Tanto Severim de Faria cumo la classe derigente de l bispado de Miranda éran pessonas cultas, que coincien bien l pertués i l castelhano, para alhá de l lhatin i de l griego. Ora ye de spantar que la lhéngua mirandesa le traísse tanta stranheza se fusse l que ye hoije ou mesmo la lhéngua que J. Leite de Vasconcellos mos çcrebiu que eisistie na fin de l seclo XIX. Habie de ser ua lhéngua cun amportantes defréncias tanto de l castelhano cumo de l pertués[x] a puntos de a eilhes le aparecer cumo un einigma que solo se podie splicar nó por ser qualquiera outra lhéngua mal falada, mas pulas sues ouriges i pulas caratelísticas de l pobo que la falaba. Éran bastante bien coincidas al tiempo las defréncias antre la lhéngua pertuesa falada pulas classes cultas i la lhéngua popular[xi].

e) Parece poder dezir-se que, nesse tiempo, ls mirandeses de las aldés inda nun éran berdadeiramente bilhingues i que l pertués solo zdende se haberá zambolbido. Ye sabido que ls mirandeses solo fálan l mirandés antre eilhes i nó cula giente de fuora nin cula giente que pertence a ua classe social defrente. Ora parece poder cuncluir-se de las afirmaçones de Severim de Faria que eilhes inda falában subretodo na sue lhéngua cun to la giente i, se lo fazien, era porque outra inda nun la coincerien bien. Al modo que l bilhenguismo se zambuolbe tamien las trocas antre las dues lhénguas ban ganhando cuorpo, nun solo de l pertués pa l mirandés, mas tamien de l mirandés pa l pertués falado na region de Miranda.

Ora zdende l mirandés tenerá benido a ancorporar muitas anfluéncias de l pertués, que teneran ampeçado ne l seclo XVI i se teneran zambolbido ne ls tiempos a seguir, subretodo anquanto Miranda mantubo l sou poder de centro político, religioso i cultural.

Mas l mesmo se passou cul pertués falado na region: ye un pertués cheno de lhionesismos, nun solo ne l bocabulairo cumo na fonética i na sintace.

Todas estas afirmaçones ban a eisigir nuobos studos, cun temas bien specíficos, mas esso queda para outra altura.

 

 

Amadeu Ferreira



[i] Assi i todo ye J. Leite de Vasconcellos quien mos dá ua eideia mais clara de la nuoba rialidade de Miranda de l Douro apuis de passar a sede de bispado i a cidade (Estudos de Philologia Mirandesa, 2 volumes, Lisboa, 1900 / 1901, pp. 128-146). Diç el an resume: “Como consequencia dos titulos de séde de bispado, e de cidade, attribuidos à sua patria, grandes modificações se introduziram na vida dos Mirandenses. De toda a parte chegaram empregados de differentes categorias, para se juntarem aos que Miranda já possuia na qualidade de villa e de praça de armas; organizaram-se estudos litterarios; criaram-se instituições que d’antes não existiam” (id., 130). I mais: “Os novos empregados que affluiam a Miranda eram pela maior parte, como se vê, pessoas de certa instrucção, que não desciam a fallar mirandês, e que pelo contrario o vinham directa ou indirectamente atacar.” Mas Vasconcellos bei todo pul lhado de la fin de la lhéngua mirandesa na cidade de Miranda i nun bei las nuobas anfluencias cumo algo que muda l mirandés de las aldés i assi cuntribui pa la sue mudança i zambolbimiento: “Quando os bispos fossem intelligentes e instruídos, deviam rodear-se de pessoas igualmente cultas, que acompanhavam, de proposito ou não, o trabalho da demolição linguística” [eitálico miu]. (id,. 137). I cunclui: “... a revolução intellectual a que a cima me refiro era tamanha, que até já da Terra-de-Miranda saíam escritores!” (id,. 139).

Inda hai pouco tiempo apersentei ua outra maneira de ber las cousas an relaçon al porblema de l mirandés na cidade de Miranda (FERREIRA, 2004).

[ii] Digo “creciente” pus las cousas lhebórun l sou tiempo a alhargar, mas tamien porque antre 1580 i 1640 Pertual stubo ounido a Spanha i, por fin, alguns bispos i outras gientes que andubírun por Miranda éran castelhanos.

[iii] La lhéngua pertuesa era la lhéngua de ls repersentantes de l rei, que solo anterbenien an atos formales, cumo era l caso de ls notairos i solo na fin de seclo XIII mos aparece un decumiento an pertués, screbido an Miranda pul notairo de l rei; era la lhéngua de ls repersentantes a las cortes; era la lhéngua de ls juízes; yá an relaçon a l’eigreija, anque nun téngamos dados ye de poner an dúbeda que l pertués fura la sola lhéngua ousada ou até la mais ousada.

[iv] Para alhá de ls nomes apuntados por J. Leite de Vasconcellos, hai que acrecentar l houmanista Diogo de Teive, que ansinou an bárias ouniberdades francesas i an Coimbra i fui reitor de l Coleijo de las Artes. Fui cundanado pula Anquesiçon i acabou por passar la fin de sue bida an Miranda, culas rendas de la Abadie de Bilachana (Vd. Artur Carlos Alves, Cadernos Históricos Mirandeses. I. Retalhos de História, 1971, Miranda do Douro, 18-19). I muitos outros haberá.

[v] Esso queda bien claro na eideia que Severim de Faria mos deixa de la lhéngua mirandesa, assente na oupenion de l clero que bibie na cidade de Miranda de l Douro, alredror de l bispo.

[vi] Digo “possiblemente” porque ls outores que stúdan estas cousas, al apersentar l mapa de l pertués i las sues bariadades, déixan siempre de fuora la region adonde se fala mirandés, nun dando amportança a que las pessonas son eilhi bilhingues i que l pertués que eilhas fálan tamien ye ua bariadade de l pertués, mui aparecido ou armano al pertués stramuntano de las tierras mais acerca. La berdade ye que nun se sabe al cierto quando ye que ls mirandeses teneran ampeçado a ser bilhingues.

[vii] Diç Severim de Faria quanto a las caratelísticas de la lhéngua: “Falão mal, se os compararmos com a lingoagem de hoje politica, porque, alem de usarem de alguas palavras antigas, pronuncião os vocabulos com grande pressa, fazendo sómente accentos agudos e prolongos na primeira e ultima siliba da dicção...”.

[viii] Anque Vasconcellos diga (ib., 112): “note-se que o A. está tratando, não da gente dos arredores, mas da própria cidade).”

[ix] J. L. de Vasconcellos nun dá amportança a estas ouserbaçones de Severim de Faria, pus diç: “O autor acrescentou erradamente que este modo de pronunciar provinha dos Suevos e Godos, e de outras populações do Norte que habitaram em Tras-os-Montes. Pondo de parte a última afirmação, puramente subjectiva, e que é inadmissível, vemos que a notícia de Severim de faria encerra, no seu laconismo e na sua imperfeita enunciação, as tres seguintes proposições, que hão de corresponder a factos reaes: 1ª) que no vocabulario do povo de Miranda havia nos princípios do seculo XVII alguns archaismos; 2ª) que a pronuncia dos vocabulos se caracterizava pela rapidez; 3ª) e pela acentuação das syllabas extremas”. Mas, mais alantre, acaba por cuncluir: “... o nosso auctor tinha de tal modo consciencia das particularidades do mirandês, e estas impressionavam-no tanto, que elle chegou a determinar-lhes uma base histórica, posto que falsa: influencia da lingua dos povos do Norte!” (ib.., 120).

[x] L mesmo J. Leite de Vasconcellos (ib., 118) diç an comentairo a las ouserbaçones de Severim de Faria: “D’aqui devemos concluir que a lingoagem de Miranda continha bastantes particularidades, e que por isso, attentas as razões expostas no decurso d’este capitulo, não era outra senão o mirandês”.

[xi] Esse ye assunto tratado por bários outores, subretodo an quelóquios, cumo fui l caso de Gil Vicente i outros. Mas tamien ls studiosos de la gramáticas apúntan las percipales defréncias de la fala de cada region i la fala de las classes mais cultas de Lisboa, cumo ye l caso de Fernão de Oliveira (1536), de João de Barros (1540) e de Duarte Nunes de Leão (1576). Para un resume dessas posiçones vd. CASTRO Curso de História da Língua Portuguesa, Lisboa, Universidade Aberta 1991, pp. 39-42.

 

 

 

puosto por fracisco n. às 23:52
| comentar | ajuntar als faboritos
|

.mais subre mi

.buscar neste blogue

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.testos nuobos

. Subertindo Frunteiras

. Ernesto Rodrigues: interv...

. O oracionário mirandês: a...

. La cidade de Miranda de l...

. O MÍNIMO SOBRE A LÍNGUA M...

. Modos de tratamiento ne l...

. Dues notas culturales sac...

. L pertués na region de Mi...

.arca

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds