Segunda-feira, 7 de Março de 2011

Modos de tratamiento ne l Auto de dom André

 

 


[Este pequeinho studo corresponde a la 3.ª parte dua palhestra feita an Miranda de l Douro, ne l Cumbento de ls Frailes Trinos, an júlio de 2005, a cumbite de l dr. Domingos Raposo. Eiqui se deixa tai i qual cumo nessa altura fui apersentada, deixando-se bien claro l sou carátele datado.]

 

 

 

L Auto de Dom André, de que nun conhece l outor, pertence a la scuola de Gil Vicente i haberá sido screbido ende puls meios de l seclo XVI[1]. Pa l que aqui mos anteressa hai que dezir que l outor faç ua çtinçon bien çclarada antre l pertués falado pulas pessonas de l campo i la lhéngua fidalga. La defrença ye tan grande que l outor pon ua de las figuras de campo a dezir que l fidalgo fala an lhatin i el nun l’antende. De modo defrente de outros quelóquios daquel tiempo, este ye solo screbido an pertués. L que anteressante ye ber que hai muita palabra i algues spressones desse quelóquio que inda hoije eisísten an mirandés, que tanto correspónden a la fala fidalga cumo a la fala que ye apersentada cumo charra, falada puls aldeanos. Ye anteressante dezir que nin ua de las pragas, ou spressones populares ou palabras yá anton cunsideradas arcaicas ou berbos rústicos, nada desso lo achamos hoije an mirandés[2]. Neste quelóquio aparécen uito ditos dezideiros i nanhun deilhes lo achamos hoije an mirandés[3], mas aparece alhá un remense, l Conde de Almanha, que quedou subretodo an Trás de ls Montes i na Tierra de Miranda.

 

Para alhá de algues palabras i spressones, poucas, l mais anteressante nua lheitura mirandesa de l Auto de Dom André ten a ber cul modo de tratamiento de respeito, dado pulas figuras de l campo als fidalgos. I esse modo de tratamiento ye, quaijeque siempre, la treceira pessona de l singular, tal i qual cumo inda hoije se passa ne l mirandés de Sendin. Mas essa forma de tratamento tamien ye ousada antre fidalgos, muita beç acumpanhada de la palabra «senhor». L normal ye que ls fidalgos antre eihes ou las pessonas de l campo antre eilhas solo úsan l tratamiento por «bós», na segunda pessona de l plural, aparecendo quaijeque siempre cumo un tratamiento antre eiguales. L tratamiento por «tu» solo ye ousado pa ls anferiores, assi i todo scassas bezes.

Bamos a ber, an special, l modo de tratamiento pornominal – ele / ela – an que l berbo bai pa la terceira pessona de l singular.

 

L Ratinho, que ye d’ourige de l campo[4], derige-se a la Senhora assi:

Eu a servirei, senhora

como ela bem verá. (vs. 335-6)

 

Mas la mesma figura, noutras falas cula mesma Senhora usa l tratamento «vós» cul berbo na segunda pessona de l plural. Ye tamien por «vós» que trata l armano de l, que faç la figura de l Pajem. Mas lhougo apuis, l mesmo Ratinho, deregindo-se a Ilária, ua criada que el pon arriba del, diç:

 

Mão são, Senhora, os danos

que por ela passo e dores

que [me] secam os tutanos.

Ela tem logo assi un jeito

de ser mais dura que seixo... (771-75)

 

Que quero? Pesa da morte,

que saiba que são eu seu. (806-807)

 

Bofé, Senhora Ilária,

se ela ora não zombasse.

Eu lhe fico que ganhasse

indulgência plenária,

se me ora abraçasse. (814-15)

 

Senhora, não se vá a zombar! (823)

 

Mas las mesmas bacilaçones desta figura de l Ratinho quanto al modo de tratar, tamien se repíten an relaçon a Ilária, pus la trata bárias bezes por «vós» na segunda pessona de l plural (786-803, 811-812, 829). L mesmo Ratinho deregindo-se al amo, l Fidalgo, torna al tratamento na terceira pessona:

 

Ele, di-lo, assi viva ele,

como ele o quer dizer. (1313-14)

 

Ua outra figura de l campo ye l Vilão. Tamien usa bárias bezes l tratamento na terceira pessona al deregir-se al Fidalgo. Yá a la tie del trata-la por «vós», i l mesmo faç al filho Fernando, anque a las bezes lo trate por tu[5], i este trata tamien l pai por «vós»[6]. Diç-le l Vilão al Fidalgo:

:

Cuidei que era com’essa

em que ele, senhor, sê. (523-4)

 

Ele, senhor, o há-de dizer

e, despois que o eu ouvir

então lhe hei-de responder. (537-39)

 

Fala homem assi ao desdém,

ele, senhor, há-de perdoar,

se lhe homem não falar bem. (542-44)

 

Ama, senhor, e de quê?

Quant’a eu, estou enleado.

Diga-me, por sua fé, porventura Vossa Mercê

ele de ser seu criado? (565-9)

 

Fale-me ele português,

porque eu não sei latinar. (573-4)

 

Senhor, ele há-de perdoar,

eu hei-de ficar também,

se ela houver de ficar. (612-14)

 

Faço-lhe também saber,

Senhor, que é já casado

e sabe tão bem reger

ua casa, que pasmado

ficará, só de o ver. (1232-33)

 

Tamien la criada Ilária usa l tratamento na terceira pessona, al menos dues beszes, cun Belícia, armana de la Senhora:

 

... e Dom André há-de ter

sempre dela essa sospeita.... (690-91)

 

... Minha senhora a chama,

não sei o que lhe quererá. (708-709)

 

La figura de l Veador, amportante funcionário de l fidalgo, tamien usa algues bezes l modo de tratamento na terceira pessona, deregindo-se al Fidalgo:

 

Não há i mais que deter

bem pode partir, senhor,

na hora qu’ele quiser. (vs. 1537-39).

 

L mesmo Veador trata assi, ua beç, al Ratinho, mas de caçuada:

 

Porque não vindes, Vilão?

É ele logo, senhor?

 

Tamien hai un uso, anque ralo, de la 3ª pessona de l singular antre fidalgos i por eilhes. Diç la Senhora pa l Fidalgo, tiu deilha:

 

Se bem lhe parece, senhor,

eu são desse parecer. (31-32)

 

Belícia, que ye fidalga, trata a Dom Belchior, que, sin ser fidalgo, ye apersentado cumo asno i bien falante, por «vós», mas algues bezes tamien usa la treceira pessona de l singular:

 

A mercê que me fará,

se algua lhe mereço:

por aqui não passará

e, fazendo-a agravar-me-á. (949-952)

 

 

Eiqui chegados, hai que dezir que este special modo de tratamento nun ten sido zambolbido puls outores que desse assunto ténen tratado. An special CINTRA nada diç subre el, mesmo quando trata de las formas mais antigas de tratamento an pertués. Ne ls squemas que esse outor apersenta de la eibeluçon de las formas de tratamento, diç que l tratamiento an que ye ousada la 3ª pessona de l singular de l berbo solo aparece de l seclo XVIII an delantre cumo forma de tratamiento de respeito generalizada[7]. I mesmo ende nunca aparece l uso de ls pornomes personales «ele» i «ela», mas solo la terceira pessona de l singular de l berbo apuis de ciertas spressones (vossa mercê, vossa senhoria, vossa alteza, vossa majestade, vossa excelência, etc.)[8] ou apuis de ciertas palabras (o senhor, o senhor doutor), ou ligado a ciertos nomes (o António, a Maria, o pai, a mãe, o meu amigo, o cavalheiro, etc) (CINTRA, 107-108). Ora, l Auto de Dom André amostra que l tratamento de respeito na terceira pessona de l singular yá era ousado ne l seclo XVI pulas classes populares, anque an alguns de ls casos apersentados se sínta que se ten na cabeça la spresson Vossa Mercê, subretodo quando se usa l lhe[9], i tamien se bei que esse modo de tratamiento inda nun era giral pus hai inda algue bariaçon na forma cumo las figuras lo úsan. Assi i todo tenemos un uso çclarado de l berbo na terceira pessona de l singular, i tenemos algo que nunca passou pa l pertués padron: l uso de ls pernomes pessonales «ele» i «ela», pornomes stranhos porque la regra ye que séian ousados para referir ua terceira pessona cun quien nun se stá a falar. Ye esso que ye nuobo i ye esso que se manten ne l tratamento de respeito ne l mirandés de Sendin. Cumo se splica esta eibeluçon.

 

L que talbeç se puoda dezir ye que l tratamento na terceira pessona nun será de antes de l seculo XV-XVI. Parece que solo por essa altura se ampeçou a ousar l tratamento de Vossa Mercê i Vossa Senhoria[10], que parece haber stado na ourige de l tratamiento na terceira pessona de l singular. Cuido que haberá sido esta quelocaçon de l berbo na terceira pessona de l singular que haberá traído l uso de ls pornomes pessonales que le correspónden, «ele» i «ela». Tamien me paredce que essa correspundéncia ten ua marca popular ne l uso destes pornomes: purmeiro tenerá habido ua sempleficaçon deixando-se de ousar las spressones Senhor, Vossa Mercê, Vossa Senhoria, i ousando-se solo l berbo na terceira pessona de l singular; apuis, stando l berbo el solo, bundou poner-le l pornome cierto que le sirbe de sujeito a essa terceira pessona de l singular. Pássa-se, assi, de la forma berbal pa la forma pornominal de tratamiento. Podemos dar este eisemplo que amostra la eibeluçon habida: Senhor, perdoe-me Vossa Mercê > perdoe-me > ele perdoe-me. Deste modo, cuido que stará achada nun solo la ourige desta forma de tratamiento cumo las sues caratelísticas speciales. L Auto de Dom André ye un decumiento fundamental a marcar esta eibeluçon, you al menos nun conheço outro.

 

Amadeu Ferreira


 

 

 



[1] Solo se tubo coincimiento deste quelóquio an 1910, altura an que fui achado por Menéndez Pidal na Biblioteca Nacional de Madriç. Fui publicado an 1922 por D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, an Madriç.

[2] Deixo eiqui ls seguintes eisemplos: a) de pragas de fondo relegioso: Esse é o demo, samica! (v. 275); que o vivo demo (v. 451); ó demo que eu a dou (v. 474); oh, renego do diabo! (v. 483); Pela corpa de São Fernando (v. 488); comendo ao demo (v. 515); como demo lhe diria? (v. 744); rogo eu a Deos que má dor (v. 826); comendo à demo, cortiço (v. 845); que são piores que o demo (v. 1034); comendo ao demo a relé (v. 1227); qu’é pior que o Antecristo (v. 1245); guardai-vos do diabo (v. 1255); b) outras pragas: pesar de minha mãe torta! (v. 458); juro ao corpo de mi (v. 478); oh, pesar não sei de quem! (v. 739); pesa da morte (v. 806); pareço vossa mãe torta (v. 1222); c) formas arcaicas ousadas pula giente de l campo: abofé, bofá, bofé, bofás, eramá, padar, sicaes, samicas, samica; desengula, fasquer, semelhar, trager; d) saludos: mantenha Deus Sua Mercê (vv. 509, 1377); mantinha-vos Deus (v. 1416).

L mesmo bal para outras palabras i spressones de ls populares. L mesmo se passa an Camões, por eisemplo quanto a la fala de las classe mais baias (ANF,  Feliseu i Brómia). AES: Oh! fideputa bargante! (80); pesar de meu avô torto (87)

[3] Quem honra desejar, / convém-lhe sempre d’estar / ... / sem ver, ouvir, nem falar (vv. 396-399); Bem segurais vossa nao / antes que saia da barra! (vv. 545-546); cantando traz homem ora / a sua casa com que chora (vv. 1148-1149); que poucas vezes se alcança / aquilo que é desejado (vv. 673-674); porque o mal, enquanto é novo, / é mais fácil de curar (vv. 1270-1271); que contra fortuna e amor / não há i força nem poder (vv. 1280-1281); quem bem ama de presente / em ausência sempre ama (vv. 1285-1286); que quando os olhos não vêem / não deseja o coração (vv. 1290-1291); quem quiser amigos peite / e senão não os terá (vv. 1489-1490)

[4] Nun ye fácele saber an que region de l paíç l outor pon las pessonas de l pobo que úsan essas formas de tratamiento. Fala-se an Lamego, Mora (Alanteijo? vs. 1346), Tojal. Mas las personaiges que assi fálan son apersentadas cumo sendo de Tojal, l que serie tierra acerca de Lisboua (adonde todo se passa, pus Dom André poderie haber ido a falar cul rei, vs. 297-299)[4]. Mais alantre l Ratinho fala dun tal Juan da Lousa, l que puode ser tierra inda hoije cun esse nome a seguir a Loures. I el mesmo se scapou para Lisboua para fugir a la justícia. Por esso nun habie de ser loinje de Lisboua. Mas l mesmo Ratinho i l armano, l Pajem, diç que ls pais móran acerca de Lamego (v. 259). Yá Fernando bai a besitar l pai, que ye criado de l fidalgo Dom André i parece ser de acerca. Parece que ls personaiges populares seran, ls mais deilhes, de la chamada «region saloia». Mais que la lhéngua dua sola region, talbeç stéiamos delantre de tipos tal cumo se passa an Gil Vicente, cumo diç Paul Teyssier.

[5] CINTRA (1986, 55) diç que an Gil Vicente l home i la mulhier siempre se trátan por «vós» i que ls pais trátan ls filhos por «tu».

[6] CINTRA (1986, 56) diç que an Gil Vicente ls filhos trátan siempre als pais por «vós».

[7] Alguns casos ralos yá aparécen zde l seclo XIV, cumo formas de tratamiento nominales (CINTRA, 17-21)

[8] An nota al Auto dos Anfatriões de Camões, diç H. Cidade a perpósito de uso de tratamiento cul berbo na terceira pessona: “Não devia – subentende-se – Vossa Mercê. Eis a explicação do tratamento na 3ª pessoa do singular, frequente nestes autos” (p.2). I mais alantre - Anfatrião: Avós quem vos convidou; Belferrão: Sósia por cuidado seu – diç H. Cidade (p. 64): “seu (de Vossa Mercê)”

[9] Maria José Palla, que apersenta la obra, nada diç subre l’amportança deste modo de tratamiento, anque le faga ua brebe referéncia (nota, pp. 101: “Ela – forma de cortesia da terceira pessoa que designa aqui uma segunda pessoa, ‘Vossa Mercê’.) Mas cuido que esso solo ye claro an alguns casos, subretodo quando se usa l pornome lhe.

[10] Coincemos bárias lhonas desse tiempo, reinado de D. Juan III, an que l tratamento por «vós» yá ye cunsidrado ua oufénsia i falta de respeito por ciertos fidalgos, mas esse pensar inda nun serie giral senó ls casos nun serien apersentados cumo lhonas. Nas cortes feitas por Don Sabastian houbo un fidalgo que fura gobernador de la Índia, Martim Afonso, que tratou ls delgados por «vós outros» i un deilhes, que era de Lamego, respundiu-le assi: “Vós outros não estão aqui, nem Martim Afonso está na Índia” (SARAIVA, 1997, 152, 393-394, 442).

puosto por fracisco n. às 18:11
| comentar | ajuntar als faboritos
|

.mais subre mi

.buscar neste blogue

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.testos nuobos

. Modos de tratamiento ne l...

.arca

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds