Domingo, 25 de Setembro de 2011

O Mirandês e a Literatura Mirandesa (2011)

 

 

O MIRANDÊS E A LITERATURA MIRANDESA

 

 

POSFÁCIO

 

[a A Terra de Duas Línguas.Antologia de AutoresTransmontanos.Coord. de Ernesto Rodrigues e Amadeu Ferreira, edição Academia de Letras de Trás os Montes, IPB – Instituto Politécnico de Bragança, e a Associação das Universidades de Língua Portuguesa, 2011, pp. 545-549]

 

 

 

1. A língua mirandesa pertence à família de línguas asturo-leonesas e, como elas, é filha do latim. Constitui-se a partir de um dos romances que se desenvolvem a partir dos escombros do império romano e vai ganhando características próprias a partir da sua integração no reino de Portugal, pois já nessa altura se falava como língua principal da corte e do reino de Leão. O contacto com o português e o castelhano influenciaram-na, mas as suas caratcterísticas de língua astur-leonesa mantiveram-se até aos nossos dias, atravessando séculos e sobrevivendo ao permanente ataque que usa como arma o descrédito, a vergonha, a humilhação, um feito que é um autêntico milagre cultural. A sua forte estrutura como língua, a situação de diglossia dos seus falantes, sobretudo a partir do século XV-XVI e, em especial, o facto de se integrar num amplo espaço de falantes com boas relações sociais e económicas, ignorando as fronteiras políticas, eis as principais razões que permitiram a sobrevivência da língua mirandesa. Hoje é uma língua falada na ponta mais Nordeste de Portugal, no distrito de Bragança, junto às Províncias de Zamora e Salamanca, numa área de pouco mais de 500 km2, e contando com uns 7 000 falantes, aí consideradas também algumas comunidades que residem nas maiores cidades de Portugal e no estrangeiro. Desde 1999 é uma língua reconhecida oficialmente pelo Estado Português, através da lei n.º 7/99, de 21 de Janeiro, e é ensinada nas escolas públicas de Miranda do Douro desde a pré-primária até ao 12.º ano, sendo dados cursos por várias instituições, em especial a Associaçon de Lhéngua Mirandesa, na região de Lisboa. Sendo uma língua de tradição oral, apenas se lhe conmhecem escritos desde 1882, depois de ‘descoberta’ e estudada por José Leite de Vasconcelos, escrevendo-se hoje de acordo com a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, publicada em 1999. A forte presença da língua leonesa, até à Idade Média, na maior parte do actual distrito de Bragança é responsável por uma grande quantidade de leonesismos no português falado nessa parte de Trás-os-Montes, o que ainda hoje lhe dá um ar de família próxima em relação ao mirandês.

 

2. Sempre existiu uma riquíssima literatura mirandesa de tradição oral, nos mais diversos domínios da expressão popular: poesia, romance, conto, cantiga, oração, etc. Algumas das formas dessa literatura são mesmo específicas da terra de Miranda, como é o caso dos lhaços, poemas que acompanham a dança dos chamados pauliteiros. Uma parte importante desse património está ainda por recolher e, sobretudo, por organizar e estudar. Muita dessa literatura é em português e em castelhano, mas um núcleo significativo é em mirandês. Pareceu-nos importante dar aqui conta dessa literatura, pois em antologias da poesia do país apenas uma composição foi até agora publicada, em Rosa do Mundo. 2001 poemas para o futuro (2001). É uma pequena amostra, mas permitirá fazer uma ideia mais clara dessa literatura oral de tradição popular. São de realçar as recolhas, publicações e estudos feitos sobretudo por José Leite de Vasconcelos, Serrano Baptista, António Maria Mourinho, Domingos Raposo, Mário Correia, António Bárbolo Alves, Amadeu Ferreira, Duarte Martins e Mariana Gomes, entre outros.

 

3. Não consideramos aqui os textos medievais escritos em astur-leonês e datados da terra de Miranda, pois são textos particulares não literários, ainda que apresentem uma linguagem muito próxima da actual. A literatura escrita em língua mirandesa inicia-se em 1884, com a publicação do poemário de José Leite de Vasconcelos, Flores Mirandesas. A este autor se devem também algumas traduções de Luís de Camões. Ainda no século XIX, assistimos à publicação de poemas originais por Francisco Meirinhos, de traduções de Camões e de Antero de Quental por Manuol Sardina / Manuel Sardinha, de Luís de Camões e de Os Quatros Evangelhos por Bernardo Fernandes Monteiro, autor que também publica a tradução de contos e diálogos vários. Deve-se a Francisco Garrido Brandão uma peça de teatro em mirandês, Sturiano i Marcolfa, publicada por José Leite de Vasconcelos, e uma versão de vários lhaços em mirandês, ainda inéditos.

Já no século XX, António Maria Mourinho publica vários poemas em mirandês, depois reunidos no volume Nuossa Alma i Nuossa Tierra (1961), a que se veio juntar mais tarde o poema Scoba Frolida an Agosto (1979) e outros poemas dispersos. A um autor não mirandês, Alfredo Cortês, se deve uma importante peça de teatro em mirandês, As Saias (1938), que chegou a ser representada no Teatro Nacional D. Maria II. Também Manuel Preto escreve poemas em mirandês, reunidos postumamente no volume Bersos Mirandeses (1993). Caracteriza este primeiro período da literatura mirandesa a preocupação de estabelecer um corpus que fixasse um património linguístico ameaçado, como é expressamente referido pelos principais autores, em particular por José Leite de Vasconcelos e António Maria Mourinho. Predominam os tradutores e, em matéria de obras originais, a poesia, em boa parte de de escasso valor literário. Um dado a ter em conta é que esta literatura nunca esteve ao alcance dos mirandeses, pelo que não teve influência efectiva na língua, nos falantes e, em geral, na cultura mirandesa.

Desse período aqui deixamos uma amostra do que nos pareceu mais representativo. Desde logo o poema mais conhecido de José Leite de Vasconcelos, publicado em Flores Mirandesas (1884), mas também as cartas escritas a esse investigador por Manuel Sardinha e por Bernardo Fernandes Monteiro, que estiveram inéditas até agora, bem como excertos de um poema de Francisco Meirinhos. Um segundo grupo de textos é uma amostra de poetas populares cujas produções orais foram por outros reduzidas a escrito. Estão nesse caso Francisco Garrido Brandão, no teatro, António Luís Fernandes e Domingos Augusto Ferreira na poesia, escolhidos entre muitos outros que aqui não é possível referir ou antologiar. Por fim, deixamos ainda poemas dos três autores mais significativos deste período, e que já escreveram na segunda metade do século XX, António Maria Mourinho, Manuel Preto e Moisés Pires, todos padres, este último ainda inédito. Realce-se que neste período apenas contamos com originais de poesia, não sendo do nosso conhecimento qualquer texto de ficção e em prosa.

 

4. Um segundo período da literatura mirandesa apenas se inicia no início do século XXI, em consequência da conjugação de vários factores: o início do estudo do mirandês nas escolas; o interesse da autarquia pela língua mirandesa; o desenvolvimento dos estudos académicos que culminaram na aprovação da Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa; a aprovação da lei n.º 7/99 de21 de Janeiro que oficiliazou o mirandês como língua de âmbito regional. O pontapé de saída para esta nova etapa e que podemos considerar como o início da literatura mirandesa moderna é a publicação de uma colecção de livros em mirandês, dirigida por Amadeu Ferreira, pela que era uma das principais editoras do país na altura, a Campo das Letras. Aí se publicaram, logo em 2000, Cebadeiros, de Fracisco Niebro, e Cuontas de la Tierra de las Faias, de António Bárbolo Alves, e, em 2001, Las Cuontas de Tiu Juquin de Fracisco Niebro. Dos dois primeiros se deixam nesta antologia exemplos de composições que iniciaram a renovação da literatura mirandesa no domínio da poesia e do conto.

De então para cá o número de autores a escrever e a publicar em mirandês multiplicou-se. Primeiro em jornais, em particular o Jornal Nordeste, que, desde 2003, passa a contar com uma folha semanal em mirandês. Também a revista da UNEARTA – União dos Escritores e Artistas de Trás-os-Montes e várias publicações periódicas de Portugal e Espanha passam a publicar regularmente poemas em mirandês. Todo este processo culmina com um extraordinário desenvolvimento da escrita em blogues e sítios da Internet, onde o mirandês tem vindo a lançar raízes e a expandir-se, como pode ver-se pela lista de ligações publicadas no blogue http://frolesmirandesas.blogspot.com

É por esta altura que começam a ser publicadas traduções de grandes obras para mirandês, que tornam esta língua conhecida de todos os portugueses e muito contribuem para aumentar o seu prestígio e afastar o tradicional sentimento de vergonha que foi incutido aos seus falantes ao longo de séculos. Dessas traduções se destacam as feitas por Amadeu Ferreira, ora com nome próprio ora com os pseudónimos Fracisco Niebro e Marcus Miranda, de Ls Quatro Eibangeilhos, Asterix l Goulés, L Galaton (este em co-autoria com José Pedro Ferreira), Ls Lusíadas, Catulo, Horácio Flaco e Virgílio, bem como muitas dezenas de poetas de todo o mundo, neste caso através do blogue http://lhengua.blogspot.com. Por fim, deve realçar-se L Princepico, tradução de Le Petit Prince de Antoine de Saint-Exupéry, feita por Ana Afonso.

A pouco e pouco, a literatura mirandesa tem vindo a alargar-se a todos os géneros literários, embora ainda predominem a poesia e o conto. Porém, já é muito frequente a crónica, a reportagem, o teatro e até começam a despontar a novela e o romance. Hoje há coleções em língua mirandesa em editoras comerciais como a Editora Âncora e a Editora Zéfiro, que a cada ano têm vindo a alargar o número de autores e de obras publicados, e também na editora Apenas Livros. Entre os autores deste período cabe referir, na poesia, Adelaide Monteiro, Alcides Meirinhos, Amadeu Ferreira (e os seus pseudónimos Fracisco Niebro i Fonso Roixo), Célio Pires, Conceição Gonçalves Lopes, Domingos Raposo, Emílio Martins, José António Esteves, José Francisco Fernandes, Marcolino Fernandes e Rosa Martins. Já na prosa sobressaem os nomes de Adelaide Monteiro, Alcides Meirinhos, Alcina Pires, Alfredo Cameirão, Amadeu Ferreira (e os seus pseudónimos Fracisco Niebro i Marcus Miranda), Ana Maria Fernandes, António Bárbolo Alves, António Cangueiro, Bina Cangueiro, Carlos Ferreira, Cristóvão Pires, Duarte Martins, Faustino Antão, José Almendra e Válter Deusdado. A estes autores devem acrescentar-se vários escritores jovens que se têm revelado nos jornais escolares L Cartolica e L Pouliteiro e na revista La Gameta. Muitas outras pessoas têm vindo a escrever mirandês com regularidade, mas já não no domínio literário ou apenas de modo muito esporádico, razão por que não são aqui referidas.

Nem todos os autores podem ser aqui antologiados pois várias razões, até de espaço, nos obrigam a conter-nos dentro de limites estreitos. Tal não significa menos merecimento dos omitidos, pois estamos certos de que dentro de poucos anos já será muito diferente o panorama da literatura mirandesa, atento o ritmo a que ela se renova e se alarga. Na poesia escolhemos poemas de Adelaide Monteiro, Domingos Raposo e Fracisco Niebro. Na prosa deixamos textos de Alcides Meirinhos, Alfredo Cameirão, António Bárbolo Alves, Bina Cangueiro, Carlos Ferreira, Domingos Raposo, Duarte Martins, Faustino Antão e Válter Deusdado, todos eles no domínio do conto, um capítulo do romance de Fracisco Niebro La Bouba de la Tenerie e uma crónica de Amadeu Ferreira.

 

5. A capacidade de gerar literatura em vários níveis e em diversos géneros tem sido seguramente um dos modos de afirmação da língua mirandesa. Apesar de todos os avanços já conseguidos, a literatura mirandesa é sobretudo uma literatura do século XXI, pois nos poucos anos deste século se escreveu mais do que em toda a história da língua. Embora ainda muito presa ao seu próprio passado, de cunho memorialista, e muito agarrada ao tema da própria língua, a literatura mirandesa cada vez mais se aventura pelos caminhos da modernidade, nenhum tema ou forma literária lhe sendo alheios. Os meios electrónicos, em particular os blogues na Internet, são hoje a principal forma de divulgação da literatura mirandesa, pois aí publicam com facilidade dezenas de autores. A modernidade, que alguns anteviam como um problema para uma língua minoritária como o mirandês, acabou por tornar-se numa oportunidade única. É certo que a literatura mirandesa ainda é reduzida e de qualidade ainda muito irregular, mas chegou a um ponto a que há bem pouco tempo ninguém imaginava que pudesse chegar, tendo ainda um longo e importante caminho à sua frente para trilhar.

 

Amadeu Ferreira

puosto por fracisco n. às 19:23
| comentar | ajuntar als faboritos
|

.mais subre mi

.buscar neste blogue

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.testos nuobos

. Apersentaçon de L PASTOR ...

. TOQUES DE SINOS NA TERRA ...

. Anterbençon ne l salimien...

. Ls Quatro Eibangeilhos - ...

. Intervenção do professor ...

. Anterbençon ne l salimien...

. É POSSÍVEL A SOBREVIVÊNCI...

. TEMPO DE FOGO no Jornal d...

. O Mirandês e a Literatura...

. "La Bouba de la Tenerie",...

.arca

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds