Sábado, 8 de Setembro de 2012

Apersentaçon de L PASTOR QUE SE METIU DE MARINEIRO


Apersentaçon de

L PASTOR QUE SE METIU DE MARINEIRO

de Faustino Antão, Editora Zéfiro, 2014

an Zenízio, l 12 de agosto de 2014, na sede de la Associaçon Sol Naciente

 [texto lido por Francisco Domingues, yá que nun pude star persente]



Buonas tardes a todo mundo i un special saludo al amigo i scritor Faustino Antão.

Ampeço por bos pedir çculpa por nun poder star eiqui persente , cumo serie grande gusto miu, seia pula amizade cun Faustino Antão, seia pul grande aprécio que tengo por toda la giente de Zenízio, que tanta beç eiqui yá me recebiu. Mas bien sabeis que nun podemos star na todo l lhado, i un grabe problema de salude dun familiar zarredou me deiqui.

Assi i todo, nun quije deixar de bos mandar algues palabricas, fazendo me repersentar por une ilustre zeniziense, Francisco Domingues, un grande amigo, a quien le agradeço haber aceite este miu pedido, i publicamente le presto sentida houmenaige por todo l que ten feito pu la lhéngua mirandesa, subretodo cumo porsor nas classes de la Associaçon de Lhéngua Mirandesa.

L Pastor que se metiu de marinheiro, ye l segundo lhibro de Faustino Antão que, assi, bai fazendo ua berdadeira carreira de scritor, que spero nun se quede porqui. You próprio, na Antrada que le fago al sou lhibro, digo, meio de risa meio a sério, que talbeç l sou próssimo lhibro se benga a chamar L Pastor que se metiu de scritor! Eiqui le deixo, publicamente, ls mius parabienes i l recoincimiento por todo l que ten feito pula nuossa lhéngua i tamien pul nome de la tierra, Zenízio, i pulas sues gientes. I isso ye bien assi porque ls harois, ls personaiges prencipales de ls dous lhibros de Faustino, an special deste segundo lhibro, son la sue tierra i la sue giente, la giente que lo criou i que lo biu crecer cumo home. Tanto l feito de Faustino, cumo que estes harois díran para screbir lhibros, era algo ampensable inda nun hai muito tiempo, i a muitos inda hoije le custa a acreditar.

Este nuobo lhibro de Faustino Antão ye un lhibro de mimórias. Quando le fiç l zafiu pa lo screbir, bai para uns dous anhos, lhougo el respundiu apersentando l que ides a poder ler: la bida dun rapazico, filho de la giente desta tierra, que daprendiu a ser pastor pul termo desta tierra, a puntos de esse oufício le haber quedado agarrado a la teç de l’alma, del sacando ls ansinamientos pa la bida que acabou por bibir por esse mundo fuora. El cunta mos essa bida cun toda la sue dureç, las sues dificuldades, l sou atraso material, la pequenheç desse mundo adonde muita beç era custoso respirar, subretodo un moço que querie coincer mundo, namorar, que tenie outras eideias. Poderie haber feito l que outros ténen feito que ye falar cun romantismo dessa bida, falseficando-la i apersentando-la mais quelor de rosa, que ye un mdo de nun la respeitar nien de respeitar la giente que la bibiu. Las giraçones nuobas i las que han de benir, cumo la sue filha Suzana i sou nieto Afonso i tantos outros cumo eilhes, ténen dreito a coincer essa berdade i ténen de saber quanto fui preciso chubir de tan fondo até chegarmos adonde stamos agora.

Muitas de las pessonas que eiqui stan persentes poderan recoincer-se ne l que Faustino mos cunta, puis bibírun ua bida aparecida por estes campos afuora. Este ye un modo de cuntar la stória dun pobo, nó pula boca de outros que nun mos conhécen i que, ne l fondo, até mos çprézian, mas cuntada por un de ls nuossos, que nunca se bendiu nien arrenegou las sues ouriges. L pobo mirandés ten un passado an que muitos, ende ancluídos muitos de ls sous filhos, lo botórun al çprézio, tanto por bias de la nuossa fala cumo por bias de sermos probes, mas tamien ten un passado de lhuita, de bencir deficuldades sien cunta, de nunca zistir, de amostrar que bibir i lhuitar bal la pena i esse ye un patrimonho mui grande que tenemos pa le deixar als nuossos filhos, esses son ls prencípios que traírun la houmanidade até als nuossos dies i por esso son un patrimonho coletibo.

Yá nun era sien tiempo que ls próprios mirandeses screbíssen subre eilhes mesmos i nó outros que porqui fúrun passando, ou l çcurso de l poder, mesmo de l lhocal, que siempre tubo un mirar de çprézio an relaçon al pobo i a la sue cultura, mesmo quando ten necidade de falar bien del. Mas essas son outras cuontas que la stória nun deixará de acertar a sou tiempo. Hoije ye die de fiesta i cumo die de fiesta tem de cuntinar.

La Associaçon de Lhéngua Mirandesa bai a cuntinar l sou trabalho de lhuitar pula nuossa lhéngua i la nuossa cultura i stou cierto que nuobos scritores de Zenízio han de aparecer i nuobas miomórias seran publicadas, para que la nuossa stória seia melhor coincida i ls nuossos balores puodan quedar mais a la muostra. 

Eiditar un lhibro destes ye ua dificuldade mui, mui grande, que nun serie possible sien l apoio de la nuossa Associaçon de Lhéngua Mirandesa i, neste causo, tamien de la Associaçon Nial de la Boubielha. Cuntamos cun l buosso apoio an cumprar l lhibrico, puis nun hai outros apoios pa la nuossa lhéngua i cultura para alhá de l pobo. Tenemos que ser nós a cuidar de l que ye nuosso.  Son mui poucos ouros que se le píden a cada pessona para ua obra que ye de todos, puis nun se cunta cun apoios de mais naide, subretodo de mais nanhue anstituiçon, mesmo daqueilhas que tenien oubrigaçon de dar l sou apoio, inda que pequeinho.

Acabo apersentando mais ua beç ls mius parabienes a Faustino Anton, mas tamien al pobo de Zenízio que tales filhos ten. Spero que antre todos seia possible ir palantre, als poucos oupindo la nuossa lhéngua i la nuossa cultura al nible an que merece star. Bamos a cuntinar a lhuitar para ber se antre todos nun q~deixamos que se muorra, ansinando la als mais nuobos i falando la. I isso fai-se cun einiciatibas cumo esta i outras aparecidas, pequeinhas cousas, mas que fáien parte dun todo que ye mui grande, un menumiento que ye de l pobo i als poucos bamos custruindo i amostrando.

Bien háiades.


Amadeu Ferreira

Lisboua, 11 de Agosto de 2012
puosto por fracisco n. às 13:25
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 12 de Agosto de 2012

TOQUES DE SINOS NA TERRA DE MIRANDA, de Mário Correia [Âncora Editora]


(Texto em que se baseou a apresentação da obra na Feira do Livro de Lisboa, no dia 13 de maio de 2012 e mais tarde em Mogadouro)


1. A obra de Mário Correia, agora em 2.ª edição da Âncora Editora, Toques de Sinos na Terra de Miranda, reveste-se de grande importância não apenas para ajudar a recompor uma paisagem sonora hoje em desaparecimento muito acelerado, mas para ajudar a reconstituir uma marca essencial do viver no campo, avaliar o seu ritmo, os seus medos, as suas crenças, determinar os seus tempos essenciais.

Mário Correia fez uma importante investigação relativa à cultura do Planalto Mirandês, que é comum a outras regiões nomeadamente transmontanas, que vai desde a origem dos sinos à sua função, à sua evolução e até à sua forma e ornamentos, dedicando-se também a descrever vários tipos de toques de sinos, de que nos apresenta gravações em CD que acompanha o livro. A realidade aqui retratada está em desaparecimento progressivo, sendo já muito difícil encontrar quem execute determinados tipos de toques, alguns dos quais deixaram de ser executados há vários anos.



2. Os toques de sinos desempenhavam funções várias nas comunidades em que eram utilizados: funções civis, funções mágicas, funções estritamente religiosas.


As funções puramente civis dos sinos e dos seus toques foram as primeiras a desaparecer: os toques a rebate em caso de incêndio ou outra calamidade, os toques a concelho ou a caminhos ou para juntar o gado, exemplo vivo dos hábitos comunitários da bezeira, mas também para anunciar qualquer evento do interesse de toda a aldeia, a estes se devendo juntar, em muitas localidades, o toque para chamar para a escola, e o toque do relógio a marcar as horas, talvez o único que ainda perdura, embora seja desligado durante a noite e em muitos casos lhe sejam associadas músicas que, por serem repetidas tantas vezes (pelo menos de meia em meia hora), se tornam maçadoras, acabando mesmo por dar o efeito contrário do pretendido. Não vai longe o tempo em que a maioria das pessoas não tinha relógio e se guiava apenas pelo sol e as estrelas, sendo o toque das horas e meias horas pelo relógio do campanário um elemento complementar que não chegava a todos os locais do termo onde se desenrolavam os trabalhos do campo.


Havia toques com funções mágicas , é assim que gosto de as considerar, também já desaparecidos, de que se destaca o toque contra as tempestades [toque a tinta nubrada], e a que eu juntaria os toques da noite do dia de Natal e da noite de sábado para domingo de Páscoa, que antigamente se prolongavam por toda a noite durante a qual a juventude procedia aos entrancamentos ou entroncamentos , mas recentemente foram proibidos e de perto vigiada essa proibição pela GNR, sendo toques muito associados à juventude, como o eram os chamamos toques de paga vinho que existiam em algumas aldeias.


Os toques de sinos que mais têm perdurado são os toques com funções estritamente religiosas, não apenas aqueles que se ligavam ao anúncio de certas funções religiosas em regra repetidas mais ou menos vezes ao longo do ano (missas, festas, etc.) ligados a todos os aspectos que envolviam momentos essenciais quer da vida individual das pessoas, quer da comunidade:

- em termos individuais, os sinos tocavam em exclusivo para cada pessoa, pelo menos em duas ocasiões: o nascimento (festejado com o baptizado) e a morte; mas podiam ainda ser tocados mais duas vezes: no casamento, o que abrangia a maioria das pessoas, e com a extrema-unção, em que a pessoa fazia os últimos preparativos para morrer e a morte era anunciada rua fora, até com alguma pompa e o toque dos sinos era um repicado festivo, o que mostra bem quão distante está a sociedade de hoje dessas vivências da morte;

- em termos colectivos, os toques estavam associados a todo o tipo de celebrações religiosas que envolviam a comunidade (missas, novenas, festas principais);

- havia ainda toques que, não estando associados a quaisquer celebrações religiosas, tinham a função de ordenar a religiosidade privada de toda a aldeia e eram executados pelo menos quatro vezes ao longo do dia, repetindo-se todos os dias ao contrários de todos os restantes que eram sempre associados a um determinado evento: eram os toques das almas [de madrugada e à noite], o toque das ave-marias [ao meio dia] e o toque de trindades [ao por do sol], por eles se ordenava a religiosidade privada dos fiéis, embora acabassem por desempenhar outras funções menos religiosas.

Só por esta esquemática apresentação se pode ver a importância que os sinos tinham na vida das pessoas, faziam parte dessa vida e da aprendizagem das pessoas e foram objeto de muitos e muitos poemas, de que lembro em especial Rosalía de Castro e Fernando Pessoa, em que o ‘Sino da minha aldeia’ era o sino da Igreja dos Mártires, junto à sua casa, como o próprio Pessoa esclareceu em carta a João Gaspar Simões.



3. Sempre o som e o toque dos sinos me impressionou e desde que nasci me habituei a esse toque, a distinguir-lhe as modalidades e o significado, a obedecer-lhe e por ele acertar o ritmo do dia. Já em 2000, publiquei um poema em Cebadeiros[Campo das Letras] intitulado campanas, campaninas, campanairo e em que a certa altura se diz:


Todo l que ye amportante na mie tierra inda stá agarrado a 

campanas a campaninas i al campanairo:

nacer i spertar morrer i drumir

sonhar sufrir i fazer pula bida

fiestas i perciones anterros i casamentos

todo a cunjugar berbos siempre ne l amperatibo.


O livro do Mário Correia não necessita de apresentação. Tudo está ordenado de forma adequada e muito bem escrito. O que aqui posso deixar é o breve testemunho de alguém que ainda viveu toda a cultura dos toques de sinos e a traz gravada dentro de si, acrescentando às notas históricas e musicais de Mário Correia um toque sociológico e até psicológico. Pois os sinos e os seus toques não são apenas técnicas de construção ou de toque e execução musical, em que este aspecto musical é o que mais sobressai. Além disso, os sinos são 

- uma vivência individual tão forte que o seu código fica inscrito em quem o viveu, e por isso bem se compreende toda a carga emotiva que muitos poetas lhe associaram: Ó sino da minha aldeia / dolente na tarde calma, / cada tua badalada / soa dentro da minha alma [Fernando Pessoa];

- e uma instituição coletiva que marca de modo indelével a paisagem sonora e social de uma comunidade, além de serem uma espécie de linguagem, um código que todos entendem e tem a força imperativa de uma verdadeira lei a que, em certo tempo, era proibido e até perigoso desobedecer.  É o que farei, de modo sucinto.

Sempre o toque dos sinos esteve associado pelas pessoas a uma forma especial de linguagem, sendo mesmo certos toques associados a determinadas expressões:

- tocava o sino para a missa ou outra função religiosa e dizia-se: mira yá stan a chamar a missa ou l cura yá stá a chamar;

- sempre ouvi dizer que os sinos quando tocavam em caso de morte diziam: neto meu, lembra-te de mim, de mim foi para teu pai e de teu pai foi para ti.



4. Havia um toque que qualquer criança aprendia em primeiro lugar e desde muito cedo, o toque de Trindades: essa era a hora de recolher a casa, a partir da qual uma criança não podia ser vista na rua sozinha e os pais eram rigorosos nos castigos para quem não respeitava esse toque de recolher. Era um toque constituído por três grupos de três badaladas e era dado ao pôr do sol entre abril e setembro e ao início da noite entre outubro e março. Não é do meu conhecimento que as pessoas usassem esse toque para rezar [as avé marias], como devia ser, costume que já se teria perdido pelo menos para a maioria das pessoas. Por aqui se vê como o toque das Trindades tinha associadas ou foi ganhando outras funções além das religiosas. As crianças sabiam bem que qualquer brincadeira ou jogo em que estivessem envolvidas tinha que ser imediatamente largado, pois as ordens dos pais costumavam ser muito precisas: quando acabar de tocar las Trindades quiero te an casa.

As avé marias eram um toque idêntico às Trindades e tocavam-se também ao meio dia, e bem me lembro das correrias à saída da escola a ver quem chegava primeiro à corda do sino para tocar as avé marias ao meio-dia, não raro dando lugar a lutas, até que o toque foi proibido por essas razões.



5. Recordo-me bem do medo que incutiam os toques a rebate e, sobretudo, a tinta nubrada. 


Os toques a rebate estavam relacionados com situações de calamidade, como incêndios, ou outras que exigiam a imediata intervenção de todo o povo. Era um toque rápido e contínuo feito com apenas um dos sinos, a dar bem a ideia de urgência e de aflição.


No caso dos toques a Tinta Nubrada as crianças recolhíamo-nos em casa ou debaixo de algum cabanal, sempre com medo ainda aumentado pelas muitas histórias que se contavam sobre o poder destruidor dos astros e das suas centelhas, acreditando-se que eram pedras em fogo que desciam dos céus . Enquanto as mulheres rezavam a Santa Bárbara Bendita, nós muitas vezes cantávamos a canção dos sinos, talvez para espantar o medo, talvez para lhe intensificar o efeito:

Tinta de la tinta

de la tinta nubrada

nun bengas tan cargada

bai te a çcargar 

a la tierra de la Saiada.


De uma maneira geral, acreditávamos no efeito mágico daquele toque contra as trovoadas, começando o sino a tocar mal a trovoada se anunciava ao longe. Quanto tal não acontecia as pessoas impacientavam-se: ai bala-me Dius, antoce nun hai naide que baia a tocara tinta nubrada! Tal acontecia mesmo durante a noite, o que significa que sempre alguém podia estar desperto, pois a vida nem sempre deixava dormir descansado. Enquanto as trovoadas estavam associadas à força maléfica de seres chamados Astros, o toque dos sinos era uma força benfazeja que eles temiam, assim se travando uma luta muito dura entre o Bem e o Mal e os seus representantes, que as pessoas sentiam presentes em todo o lado e que podia interferir nas suas vidas de modo catastrófico. Este era um toque mágico, muito associado ao culto dos astros e que, como tal perdurou, até à sua extinção, apesar de a Igreja sempre o ter procurado acolher e explicar religiosamente, ao defender a ideia de que a força do toque dos sinos vinha de eles serem benzidos. Nas aldeias havia homens que desempenhavam as funções de verdadeiros tempestários, que não só não deviam ter medo dos astros vingativos quando iam tocar, como deviam saber tocar muito bem os sinos para que pudesse o toque surtir efeito. Esses homens eram muito respeitados na aldeia, autênticos sacerdotes dos astros.

Quando o toque dos sinos não conseguia afastar de todo a tempestade, as pessoas pensavam que sem eles ainda poderia ser pior. Mas nem sempre se tocava a tinta nubrada quando se anunciava uma tempestade, mas apenas quando se pensava que poderia ser destruidora das culturas, razão por que esse toque era sobretudo usado entre maio e setembro. Lembre-se que maio era considerado o pior mês das trovoadas, nele se celebrando a festa de Santa Bárbara que depois foi em muitos casos transferidas para o mês de agosto, altura em que mais pessoas se juntavam na aldeia e os trabalhos mais intensos do campo sofriam uma pausa.



6. O toque das almas era um toque que muito impressionava, pois era executado durante a noite: 

- de madrugada, por volta das seis da manhã, 

- e por volta das dez da noite, altura em que as pessoas estavam na cama. 

Hoje é difícil imaginar o ambiente que então se vivia, mas os ingredientes eram os seguintes: devemos juntar um profundo silêncio à mais completa escuridão, pois as aldeias ainda não tinham iluminação eléctrica, o que nas crianças era muito acrescentado com as histórias que ouviam contar, e em que a noite era o tempo de todos os males, dos ladrões, do demónio, das bruxas, dos lobos, das almas do outro mundo, etc. 

Esse toque era em certas noites associado, ainda que não coincidisse necessariamente, com o cantar das almas, a cortar o silêncio da noite com vozes que pareciam sair do ventre da terra, e quem acordava ouvia debaixo dos cobertores um canto que tinha a ver com um outro mundo, pois acreditávamos piamente que as almas do outro mundo andavam por ali esperando um dia entrar no descanso eterno. A oração e o canto das almas tinham como função apaziguar as almas penadas, que importunavam os vivos para que livrassem dos encarregos com que tinham morrido sem se poderem desobrigar, e para pedir pelo seu descanso, quando eram almas que ainda devessem espiar alguns pecados. Quer este toque quer este cantar das almas, sentia-se sempre muito longe, como vindo dum outro mundo. São práticas pré-cristãs que têm a ver com o culto dos mortos, talvez o culto mais antigo da humanidade, segundo os vestígios que chegaram até nós, culto esse que o cristianismo manteve e adaptou, embora sofrendo modificações até aos nossos dias.



7. O tocar a rebate usava-se sobretudo quando havia fogo, mas também diante de outra calamidade qualquer que exigia juntar o povo para lhe fazer frente. Este toque bem cedo foi substituído pela sirene dos bombeiros. Era um toque rápido, que exigia pressa todo ele e que agoniava o peito. Mas começava as pessoas começavam a sair à rua perscrutando o ar à procura de fumo que pudesse identificar o local do incêndio e caso não descobrissem dirigiam-se invariavelmente para a praça, levando balde e outros utensílios apropriados. E de todas as ruas confluía aquela massa de gente, aos gritos, com lamentos adequado à situação, misturados com votos e com orações, enquanto o toque continuava como se a aflição saísse do próprio peito, pois com a sua associação a determinados eventos, o toque como que os reproduzia dentro de nós num crescendo à medida que o tempo passava.



8. Tocar a concelho ou caminhos quando se queria juntar o povo para decidir ou para trabalhar. Estes são sempre toque de chamamento, muito simples, pois consistem em dar algumas badaladas seguidas no sino.



9. Os toques individualmente orientados, são dos toques mais interessantes, sobretudo porque assinalam factos individuais em sociedades de grande comunitarismos, nomeademante os factos que têm a ver com o acolhimento de alguém na comunidade ou com a sua saída, altura em que toda a comunidade se concentra nessa pessoa concreta: São toques em que os sinos tocam apenas para uma determinada pessoa, é um seu direito inalienável, seja quem for essa pessoa:

- o nascimento / baptizado: na aldeia todas as crianças eram batizadas logo a seguir ao nascimento e o toque dos sinos eram não só a festa religiosa, mas também o anúncio do nascimento de alguém à comunidade e o seu recebimento nessa comunidade: era este um toque festivo, um repicado executado em simultâneo por dois sinos; começavam a tocaar os sinos e logo se espalhava a notícia relativa à pessoa que era celebrada;

- a morte: este toque, a que também se chamava encordar, começava invariavelmente pelo identificação do tipo de pessoa morta através de um acorde dado em simultâneo no sino grande e no sino pequeno, acordes esses a que se chamavam pousas: duas para as mulheres e três para os homens; mal ouvíamos a primeira pousa, como que uma descarga eléctrica percorria o corpo e a pergunta saía naturalmente: quien se morriu? e em poucos minutos a informação circulava de boca em boca por toda a aldeia, toda a gente sabendo quais as cerimónias comunitárias que iam ter lugar a partir daí, nomeadamente para velar a pessoa morta e rezar-lhe por alma.

Além das pousas, o toque de mortos assumia três formas: 

- de repiquete, no caso de morte de uma criança, pois se pensava que ela ia directamente para o céu e portanto o toque era festivo como em qualquer outra festa; 

- de voltear, que era sempre um toque solene, mas a que se sobrepunha uma badalada de vez em quando no sino mais pequeno, o que produzia um efeito de arrepio pela conjugação do acorde menor executado em contratempo; 

- de um outro tipo toque, quando as pessoas não tinham condições para fazer voltear o sino, era dar uma badalada alternada no sino grande e no sino pequeno, o que produzia um intervalo menor no som que era muito triste ou que pelo menos nos habituáramos a ver como tal.

- o casamento: em que o toque era festivo, de repiquete, tal como no baptizado e outras festas.

- a extrema-unção: o toque tinha características próprias, mas era um misto dos anteriores isto é, de um toque de mortos com um repiquete festivo, como é muito bem explicado no livro do Mário Correia, sendo esta uma das cerimónias comunitárias mais extraordinárias a que era dado assistir, com a sua característica de socialização e anúncio público da morte, realidades que ainda vivi muito intensamente, mas tão longe da preocupação que hoje existe em esconder a morte, que raramente é um evento que interessa á comunidade, mas apenas às pessoas mais próximas do morto ou da sua família.



10. Os toques relativos às funções religiosas eram tantos quantas as funções religiosas, com particular destaques para os repiquetes processionais ou molineras, que era um tipo especial de repiquete, sempre toques festivos, e os toques de chamamento, em particular para a missa.

Os repiquetes ou toques festivos eram executados quer como anúncio e fim da função, quer durante a mesma. Eram executados sobretudo em baptizados, casamentos, morte de crianças, extrema-unção (durante o trajecto do cortejo com o padre entre a igreja e a casa do moribundo) e as procissões.

O repiquete das procissões das festas podiam assumir uma especial solenidade, como era o caso das molineras, que são um tipo especial de repiquete executado sobretudo quando a procissão saia da igreja e nela voltava a entrar.



11. As técnicas para a execução do toque dos sinos eram as mais variadas, conforme o número de sinos do campanário e a sua dimensão. De uma maneira geral todos os campanários tinham pelo menos dois sinos, o sino grande e o sino pequeno, pois a articulação entre ambos era essencial para executar os toques mais complexos, em particular os repiquetes e os toques a mortes. Muitas vezes havia um terceiro sino, usado para certos toques de chamamento ou para o relógio.

Dos toques de chamamento o mais solene e espectacular era o toque que consistia em fazer voltear os sinos sobre si próprios, que além disso eram toques que se podiam ouvir mais ao longe, em torno deles se criando um verdadeiro cerimonial pois exigia força e muita habilidade para fazer o sino rodar sobre si próprio. O voltear usava-se sobretudo em duas ocasiões: o chamar para a missa de domingo ou de um outro dia festivo; o toque de finados, quando a pessoa falecida era adulta. Por vezes, com força e habilidade fazia-se o sino dar várias voltas sobre si mesmo, sendo o voltear sempre dado com o sino grande. O toque de voltear tinha particular solenidade na missa do galo, na noite de 24 de dezembro, em que havia três toques com intervalo de uma hora, às 9, às 10 e às 11 da noite.

O toque normal de chamamento era invariavelmente constituído por uma sequência compassada de toques de um só sino, podendo no caso da missa de domingo alternar, isto é, com uma série de badaladas num dos sinos cuja frequência ia aumentando até o som ser contínuo, repetindo-se o processo no outro sino. No caso das missas de domingo, mais solenes, além do chamamento normal através do voltear do sino, havia o chamamento dado pelo padre quando chegava à igreja, conhecido como las cinco, pois era um toque que terminava com cinco badaladas espaçadas, e havia ainda o toque de duas badaladas, las dues, que era dado com o começo da missa e que era uma espécie de aviso aos mais retardatários.

O toque de mortos exigia sempre uma determinada combinação do sino grande e do sino mais pequeno que, devido ao intervalo musical produzido e ao espaçamento entre eles, com uma pausa pelo meio, produziam um efeito de arrepio que tenho bem gravado no corpo.

Já o toque festivo de repiquete era também a combinação do roque rápido dos dois sinos, produzindo uma ideia de festa que nos deixava em euforia a que acrescia o estalar dos foguetes e o toque da gaita ou da filarmónica a percorrer as ruas.



12. Quero dar os meus parabéns ao Mário Correio por nos deixar este testemunho tão importante, quer em termos descritivos quer em termos de gravações, nalguns casos de pessoas que já faleceram, também elas grandes músicos, como o tiu Eduardo Afonso de Travanca.

Espero que um dia possa este trabalho ser alargado ao estudo de outros aspectos como aqui por mim referenciados, quer de natureza sociológica quer de natureza comunitária, quer ainda outros aspectos e testemunhos das pessoas que viveram a cultura dos sinos, hoje irremediavelmente a caminho do desaparecimento, ainda que alguns toques continuem a perdurar e a ouvir-se o seu aspectos externo e musical, mas já desligado de toda uma cultura constituída por um sistema de crenças de vário tipo e por hábitos e práticas comunitárias que são um elo na cadeia do desenvolvimento das comunidades humanas



Lisboa (Feira do Livro), 13 de maio de 2012

Amadeu Ferreira
puosto por fracisco n. às 02:06
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Sábado, 3 de Dezembro de 2011

Anterbençon ne l salimiento de LS QUATRO EIBANGEILHOS (Miranda)

 

Anterbençon ne l salimiento de

LS QUATRO EIBANGEILHOS

na Sé Catedral de Miranda de l Douro

 

 

Buonas tardes

 

Bou-bos a falar ne l mirandés a la moda de Sendin, puis fui esse que mius pais me ansinórun a falar. I an toda la riqueza de modos de falar mirandés que tenemos, an todos mos antendemos. Assi, este testo aporbeita la facelidade dada pula 1.ª Adenda a la Cumbençon Ourtográfica de la Lhéngua Mirandesa, de screbir «l-» an apeço de palabra an beç de «lh-».

 

 

1. Bien háiades por haberdes benido. Ye ua honra para mi la buossa perséncia, mirandesas i mirandeses. Ye a bós que saludo antes de mais. A bós ardeiros de ls miles i miles de mirandeses çcoincidos, anónimos, que traírun la nuossa léngua até a nós. I fago-lo nesta amponente catedral adonde solo se falou mirandés quando ls oubreiros la fazírun bai yá para quaije quenhientos anhos. Zdende sabemos que l mirandés nun antraba na eigreijas. Mas hoije eiqui stamos i se outras rezones nun houbira, que las hai, este serie un die mimorable.

 

2. Deixai me cuntar-bos ua cuonta, que se passou de berdade i faç parte de la nuossa stória. Hai arrimado a quatrocientos i cinquenta anhos, l treceiro bispo de Miranda (1560-1570), l senhor D. Julião d’Alva, publicou uas Custituiçones para séren respeitadas na sue diocese, an que todo mundo tenie que saber de cor i dezir las percipales ouraçones an pertués [em lingoagem, cumo se dezie naquel tiempo, puis inda nun era questume chamá-le pertués a essa outra nuossa léngua]. Esso benie dua eisigença de l Cuncílio de Trento, que aprobou l Catecismo que habie de ser eiditado an cada léngua. La eideia era que las pessonas soubíran la doutrina, de modo armano an todo l lado. Mas la berdade ye que zdende l mirandés deixou de poder antrar n’eigreija, solo se ousando nas ouraciones dezidas an casa. Cul tiempo las pessonas até parece que se cumbencírun que l mirandés nun era ua léngua de falar cun Dius. I esse fui talbeç l feito mais fuorte de menorizaçon de la léngua mirandesa, tamien ende fala charra, fala caçurra. Nós siempre ousemos la fala grabe ou fidalga para falar cula pessonas de baixo, las de fuora, ou las que sentiemos que stában loinge de nós. Tamien por esse lado Dius aparecie cumo alguien cun quien solo se falaba an fidalgo, an grabe, cumo alguien que staba loinge, alguien que nun pertencie a la nuossa quemunidade.

 

An 1999 you screbi un Manifesto por ua Léngua Marimunda, que ampeçaba assi:

Nuosso Senhor ye cumo ls de Miranda, nun fala mirandés.

Quando ũa léngua nun sirbe para rezar. Quando se dízen todos ls pecados a Dius, sin miedo, i se ten bergonha de rezar an mirandés. Quando ye assi, nun hai léngua que s’aguante. Parece que Dius, quando andubo pul mundo a daprender las lénguas, chegou eiqui i passou an zlado. You acho que lo zbiórun. Ye tiempo de Dius nun tener bergonha de falar an mirandés.

 

Hoije cuido que se puode ampeçar a ancerrar un ciclo na stória de l mirandés: D. Julião D’Alva botou l mirandés para fuora l’eigreija; D. José Cordeiro stá-lo a traier outra beç para andrento.

 

Por esso, ye cun ua grande eimoçon que bos saludo, Senhor Bispo pula buossa perséncia eiqui i pul mui fondo sentido que essa perséncia ten, que bai muito para alhá deste die i de todos nós ls que eiqui stamos. Saludo-bos pula buossa coraige, pul buosso sentido de la stória, pul buosso géstio tan amigo de ls mirandeses que, stou cumbencido, deiqui a outros quatrocientos i cinquenta anhos inda nun haberá sido squecido. Hai géstios que fázen stória, este ye un deilhes i qualesquiera outras palabras que you eiqui puoda dezir, seran poucas para çcrebir todo l sou sentido. Senhor bispo, bien háiades por este géstio que mos honra i que saberemos hounrar.

 

 

3. Para eiqui chegarmos houbo que criar cundiçones, i bien sabemos todos cumo fui i stá a ser defícele. Hai un ato fundador que eiqui quiero lembrar i tamien l grande mirandés que lo lebou palantre al fazer aprobar la lei que reconhece l mirandés cumo léngua oufecial. Stou a falar, yá antendistes, de Júlio Meirinhos a quien le debemos, a la par de muitos outros, que l mirandés ampeçasse um camino que lo lebou a que el fura berdadeiramente ua léngua fidalga an todos ls sentidos que essa palabra ten para nós: ua léngua de cultura, ua léngua de ansino, ua léngua de literatura, ua léngua de trabalho. Mas ye altura de lembrar i porclamar que ua léngua fidalga siempre l mirandés fui pui la berdadeira fidalgue ten l sou aliçace na denidade houmana de las pessonas que la fálan, ls mirandeses.

Esta cerimonha que eiqui se stá a passar ye un marco nessa caminada de fidalguie de la léngua mirandesa. Yá muitos anhos que eilha fui spulsa de las anstituiçones, séia de las anstituiçones de l stado i de las cámaras ou de la scuola seia de l’eigreija. I para adonde fui nestes seclos todos?

Als poucos, l mirandés ten stado a bolber a las anstituiçones. Bolbiu a la scuola, stá agora a bolber a l’eigreija, mas percisa tamien de antrar na Cámara i ne l Stado. A la par de l pertués que tamien ye ua nuossa léngua i gustamos muito de dambas a dues, cumo quien ten dous filhos. Ye esta caminada que ten de cuntinar, puis l mirandés nun tenerá feturo se nun fur tamien léngua de las bárias anstitutiçones, mas de modo sério i cun denidade.

 

 

4. Cun esta traduçon tube an bista oujetibos sclusibamente literários i culturales. Oujetibos literários porque se trata dun testo clássico de literatura que ben a acrecentar ls testos an literatura mirandesa i a lebar la léngua mirandesa a ajuntar-se als cientos de lénguas adonde la obra yá stá traduzida. Oujetibos culturales puis este ye un testo que cun que la giente de las tierras de Miranda cumbibe hai muito tiempo i que stá ne ls fundamentos de la nuossa cultura ou cebelizaçon chamada oucidental, a la par de outras obras tamien eissenciales, seia de la filosofie griega seia de outras paraiges.

 

Era perciso que Ls Quatro Eibangeilhos pudíran ser lidos an mirandés, cada pessona ou anstitutiçon le dando l uso que antenda mais al modo. Ye agora ampossible que alguien querga negar que la léngua mirandesa ye ua léngua de quemunicaçon para todos ls temas i oucasiones i tamien ua léngua de falar cun Dius.

 

 

5. Yá an testos que publiquei spliquei cumo fui l porcesso de traduçon. Ye hoije  sabido que l mirandés, assi cumo las outras lénguas de la familha stur-lionesa, ten la sue ourige ne l latin, habendo-se formado zde ls remanses que se fúrun acamando al largo de seclos na zona acupada puls pobos stures, nun purmeiro tiempo agarrando l bielho reino de Lion, se ende nun cuntarmos la zona galhega. Ls Quatro Eibangeilhos habien de haber sido traduzidos zde l oureginal griego, mas l miu saber de griego nun dá para tan largo tranco. Por esso se me pareciu natural agarrar cumo punto de salida l testo latino de la UULGATA, dado cumo sendo de San Jerónimo que, por pedido de l papa Dámaso I, haberá feito la traduçon ou al menos parte deilha, antre la fin de l seclo IV i ls ampeços de l seclo V. Esta traduçon latina fui oufecializada pul Cuncílio de Trento (1546), la chamada Uulgata Clementina. L Papa Paulo VI, apuis de l Cuncílio Baticano II, mandou reber esse testo, quedando la nuoba bersion acabada an 1979, que zdende quedou coincida cumo Noua Uulgata. Fui nesse testo que assentou esta mie traduçon, feita antre 2002 i 2004, bárias bezes rebista até al die an que passou a l’ampresson.

 

 

6. Na bibliografie mirandesa de la Bíblia quiero eiqui lembrar l pioneiro Bernardo Fernandes Monteiro, esse grande mirandés de la Pruoba, que fizo las purmeiras traduçones de Ls Quatro Eibangeilhos yá na fin de l seclo XIX, dibulgadas an parte por Manuel Ferreira Deusdado, por Trindade Coelho i por José Leite de Vasconcelos. Ye esse un grande mirandés squecido i quien ls sous cuorre peligro quanto al sou feturo. [Esta parte stórica fui muito mais zambolbida ouralmente]

 

 

7. Quiero le agradecer al senhor padre Basileu Pireç por haber aceitado l miu cumbite, el que ye falante de mirandés i que yá un die tube la honra de anterbistar pa la Fuolha Mirandesa. El repersenta eiqui muitos padres que nunca deixórun l sou mirandés, padres cun que l mirandés tan loige fui, cumo l abade Sardina de San Martino, l reitor Francisco Meirinhos de Abelanoso, l Padre António Maria Mourinho, L Padre Manuel Preto, l Padre Moisés Pires i tantos outros. [Esta parte fui zambolbida ouralmente, subretodo quanto al abade Manuol Sardina].

Bien háiades padre Basileu Pireç pul buosso teçtemunho, pula buossa amisade, eisemplo pa ls mirandeses.

 

 

8. Quiero le agradecer al Dr. Timóteo Cavaco, de la Sociedade Bíblica, l tener eiditado esta obra, tan guapa que quedou. Bien háiades, por haberdes acraditado, yá zde la lunjura de l anho de 2004 an que mos coincimos. Sperou que le antregara l testo que you nunca mais acababa, puis achaba que siempre percisaba de mais ua rebison, de cousas a melhorar. [Houbo eiqui la antroduçon de partes ourales, subretodo quanto al porcesso de la traduçon i l apoio de la Sociedade Bíblica]

Cun el yá me cumpermeti a antregá-le todo l Nuobo Teçtamiento an mirandés. Esse ye un trabalho que yá ampeçou l sou camino i  bamos a ber se sou capaç i tengo salude para chegar al fin. [Tamien eiqui se fizo refréncia aque la traduçon de l «Apocalipse» stá a abançar i a la traduçon de ls libros poéticos de l Antigo Teçtamiento, «Salmos», «L Mais Alto Cantar de Salomon», «Libro de Job» e outros.]

 

 

9. Por fin quiero eiqui deixar inda inda mais alguns agradecimeintos

Al senhor persidente de Cámara, por haber querido star persente neste momento tan amportante.

 

Stan eiqui muitos amigos, muitos mirandeses, a quien agradeço de l coraçon tenéren benido. Esta traduçon fui feita para bós, este libro fui eiditado para bós. Eiqui l teneis. Spero que mereça la buossa leitura i la buossa cumprenson por algues falhas que achardes nel i que solo a mi se dében. Repersentais eiqui l nuosso pobo mirandés i quiero dezir-bos que ande por adonde you ande nunca, mas mesmo nunca deixo de porclamar la grande honra que ye, la grande proua que tengo an ser filho deste pobo.

 

La mie família, i ls redadeiros son ls purmeiros, Questina, la mie tie, Jesé Pedro i Juan, ls mius filhos cun quien falo mirandés an casa, stubírun siempre cumigo, mais ua beç. Bien háiades, puis sien bós tamien nada desto serie possible.

 

Amadeu Ferreira

Miranda de l Douro, 26 de Nobembre de 2012

puosto por fracisco n. às 13:42
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

Ls Quatro Eibangeilhos - Tradução de Amadeu Ferreira. Apresentação

 

[Deixa-se eiqui la apersentaçon feita pul doutor António A. Pinelo Tiza na apersentaçon de Ls Quatro Eibangeilhos an Bergáncia, Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, die 27 de Nobembre a a las 15:00]

 

 

                Foi-me dada a distinta honra de apresentar em Bragança esta obra que é a tradução para a língua mirandesa dos Quatro Evangelhos – Ls Quatro Eibangeilhos – que é, como sabemos, o livro sagrado basilar do Cristianismo. Um trabalho com a assinatura de Amadeu Ferreira que me convidou para dizer estas duas palavras de apresentação que, embora indigno, aceitei com todo o gosto e agradeço. Digo indigno sem falsa modéstia porque, na verdade, não sendo oriundo das Terras de Miranda, não conheço a língua mirandesa com a profundidade que se exige para o efeito. Estou convencido que foi a amizade que nos une desde os primeiros tempos do seminário, que em conjunto frequentámos, até à faculdade onde nos licenciámos em Filosofia. Haveria, mesmo aqui em Bragança, outras pessoas mais bem qualificadas para fazer esta apresentação. Por isso, meu caro Amadeu, muito obrigado por esta honra que me concedeste.

            Amadeu Ferreira dispensa apresentações, aqui em Bragança como em qualquer parte do País, pela obra que tem vindo a realizar em prol da sua língua materna que, em boa verdade, é o Mirandês e não o Português. E não só (veja-se a orelha da contra-capa).

            Quando digo que não conheço o Mirandês estou a lembrar-me da expressão que os mirandeses usam: o mirandês tem que se mamar, o que não aconteceu comigo, salvo algumas palavras que se usavam e usam pelo povo rural em toda esta região do Nordeste. José Leite de Vasconcelos, esse grande vulto da Filologia Mirandesa e Portuguesa, refere, a este propósito: “Toda a fronteira de Trás-os-Montes oferece ao exame do investigador uma notável série de linguagens, que em muitos casos se relacionam umas com as outras por quase insensíveis pontos de transição” (Estudos de Filologia Mirandesa). Parece que esses vocábulos populares nada mais são do que resquícios do antigo Leonês que, tal como o próprio Mirandês, continuam em uso nestas terras de fronteira. Mas isso não é suficiente para que possamos dizer que também aqui se fala este idioma. Bem pelo contrário. Nos nossos tempos de jovens estudantes do seminário, fui uma vez passar uns dias a casa do Amadeu em Sendim. E a verdade é que aquela forma de falar me soava a algo muito estranho. Lembro-me, por exemplo, de sua mãe lhe dizer para se “peinar” (pentear), “que íbamos a cenar”, os “caminos” e tantas outras…

            Mas não será pelo facto de o Português ser para os mirandeses a sua segunda língua que o Amadeu não fez a tradução dos Quatro Evangelhos a partir do Português; ou não fosse o Português, tal como para Fernando Pessoa e para todos nós, a sua Pátria. Disso podem estar seguros. Estou seguro de que ele ama tanto a língua portuguesa quanto a portuguesa. Não foi ele que traduziu a nossa maior obra poética – Os Lusíadas? E haverá obra mais difícil de traduzir do que esta? Sabemo-lo bem desde os tempos em que tínhamos que a interpretar. Mais ainda: escreveu obras em ambas as línguas, como Tempo de Fogo, aliás, La Bouba de la Tenerie, que são uma e a mesma obra, um romance, que não propriamente a tradução do Português para o Mirandês, ou vice-versa. São a mesma obra escrita nas duas línguas. Ou ainda Stória dua Lhéngua i dun Pobo, igualmente nas duas línguas. Haverá no mundo algum outro autor que tenha escrito as suas obras em duas línguas? Talvez haja, mas contar-se-ão pelos dedos e eu não conheço nenhum.

Amadeu traduziu os Evangelhos a partir do Latim – a Vulgata de São Jerónimo – a primeira tradução do Grego (língua em que foram escritos) para a língua franca daquele tempo, a língua do Império Romano a que todos os povos do Mediterrâneo, e não só, pertenciam. A edição é a chamada Nova Vulgata, ratificada pelo Concílio Ecuménico do Vaticano II, reconhecida pelo Papa Paulo VI e promulgada por João Paulo II. Não é, portanto, uma qualquer edição mas sim aquela que está oficialmente reconhecida pela Igreja Católica. Todos estes detalhes de procedimento (que não são detalhes), suponho que nos levam a considerar que Amadeu se recusou categoricamente a ser um tradutor-traidor (il tradutore è un traditore). Suponho, repito, a forma mais adequada de não trair o pensamento dos autores, pensamento que é tão somente a base da doutrina cristã, era ir às fontes mais recuadas e acessíveis e, ao mesmo tempo, reconhecidas – a versão latina, já que a grega não estaria ali à mão de semear. Além disso, ambos nós estudámos Latim e Grego. De Latim foram uns oito anos, de grego, três. Deste, do Grego, pelo menos em mim pouco resta (já passaram 40 anos). Dos oito anos de Latim, bastante mais ficou. Está aqui patente a prova do que afirmo. O Amadeu tem melhor memória e, por isso, tem bem presente o seu conhecimento. Se assim não fosse, não estaríamos agora aqui a apresentar a versão mirandesa dos Quatro Evangelhos. Ou estaríamos – uma tradução a partir do Português – correndo o risco de termos, perante nós, um traidor do pensamento dos quatro evangelistas.

Não basta ter conhecimento da língua para se ser um bom tradutor. É necessário saber da matéria, do objecto intrínseco da obra, que é como quem diz, da sua correcta interpretação. Só então se está preparado para escolher as palavras, as expressões adequadas. Que o pensamento do autor seja devidamente expresso. Ora, o Amadeu sabe da matéria em questão. Ambos estudámos os Evangelhos, numa cadeira designada Sagrada Escritura que, por ser o que mais interessava, incidia fundamentalmente no Novo Testamento. Já nessa altura, escrevíamos artigos numa revista, que era dos alunos, intitulada RADAR (cuja colecção pretendemos agora recuperar, mas só conseguimos ainda um número), sobre esta e outras disciplinas teológicas. Posso dizer que, nos estudos que publicávamos, exprimíamos ideias novas e avançados, que vinham na sequência da abertura levada a cabo pelo Concílio do Vaticano II.

Voltando ao Mirandês, convém acrescentar que, mantendo esta língua em uso palavras ditas “antigas”, está mais próxima do Latim do que o Português. Cito Leite de Vasconcelos: “Dizia ele [o seu amigo Branco de Castro]: - “Isto é uma gíria de pastores, uma fala charra, não tem regras, nem normas!”. Mas, quando eu lhe mostrava que as correspondências dela com o Latim eram certas, que a conjugação seguia com ordem, - ele pasmava, e admirava-se que entre os cabanhaes de Genísio, e em meio dos hortos de Ifanes se pudesse ter feito cousa tão regular como era a língua que os velhos cabreiros lhe haviam ensinado em pequeno. E também se entusiasmava, e começava comigo a venerar esta deserdada e perdida filha do Latim” (p. 5).

A título exemplificativo, vejamos então uma passagem do Evangelho de João.

             1 Iesus ergo ante sex dies Paschae venit Bethaniam, ubi erat Lazarus, quem suscitavit a mortuis Iesus. 2 Fecerunt ergo ei cenam ibi, et Martha ministrabat, Lazarus vero unus erat ex discumbentibus cum eo.
3 Maria ergo accepit libram unguenti nardi puri, pretiosi, et unxit pedes Iesu et extersit capillis suis pedes eius; domus autem impleta est ex odore unguenti.
4 Dixit autem Iudas Iscariotes, unus ex discipulis eius, qui erat eum traditurus:
5 “ Quare hoc unguentum non veniit trecentis denariis et datum est egenis? ”.
6 Dixit autem hoc, non quia de egenis pertinebat ad eum, sed quia fur erat et, loculos habens, ea, quae mittebantur, portabat.
7 Dixit ergo Iesus: “Sine illam, ut in diem sepulturae meae servet illud.
8 Pauperes enim semper habetis vobiscum, me autem non semper habetis ”.
(João, 12, 1-8).

            1 Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde estava Lázaro, o que falecera e a quem Jesus ressuscitara dos mortos. 2 Ofereceram-lhe uma ceia. Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com Ele. 3 Então Maria, tomando uma libra de perfume de nardo puro, de alto preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-os com os cabelos; e a casa encheu-se com o cheiro do perfume. 4 Então um dos Seus discípulos, Judas Escariotes, filho de Simão, aquele que O havia de entregar, disse: 5 “Porque não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres”? 6 Disse isto, não pelo cuidado que tivesse dos pobres, mas porque era ladrão e, como tinha a bolsa, tirava o que nela se metia. 7 Respondeu Jesus: “Deixai-a, ela tinha-o guardado para o dia da Minha sepultura. 8 Pobres, sempre os tereis convosco; mas a Mim, nem sempre Me tereis”.

            1 Seis dies antes la Páscoa, Jasus fui-se até Betánia, adonde moraba Lházaro a quien el rucecitara de ls muortos. 2 Ende ouferecírun-le de cenar. Marta andaba a servir a la mesa i Lházaro era un de ls que stában a la mesa a par de Jasus. 3 Ende Marie, agarrando un arrate de ounguiento de nardo puro, mui caro, ountou-le la pies a Jasus i anxugou-se-los cul pelo deilha. La casa quedou chena cul oulor de l ounguiento. 4 Judas Simon Scariotes, un de ls sous deciplos, aquel que l habie de atraiçonar, dixo: 5 “Porque nun se bendiu este ounguiento por trezientos denheiros i se dou als probes?” 6 El falou assi nó por s’amportar culs probes, mas porque era lhadron. Cumo era el que andaba cula bolsa, roubaba l que se botaba alhá. 7 Dixo-le, anton, Jasus: “Deixa-la an paç, puis l guardou pa l die de l miu antierro. 8 Als probes siempre ls heis de tener cun bós, mas a mi nun me heis de tener siempre”.

Dies (dies)

Cena (cena)

Paç (pax, pacem); cruç (crux, crucem);

Stában (stábat); andaba; roubaba; botaba; ministrabat; había (habebat)…

Dixo (dixit) - disse

Seia (seat) - seja

Eilha (illa) - ela

Cun bós (vobiscum) – convosco

Ámades (ametis, diligatis)

An mi (in me) – comigo

Ámades (ametis, diligatis)

Lhuç – “Caminai anquanto teneis lhuç, para que la scuridon nun bos agarre, puis quien anda a las scuras nun sabe para adonde bai” (João, 12, 35). Sobressai bem nesta citação a abrangência da expressão: nun bos agarre, bem mais próxima do Latim, non vos comprehendat, traduzida em Português “não vos surpreendam”. Agarrar quer dizer envolver, possuir

 

            Outra citação do Evangelho de João, capítulo 15, esta já em si mesma carregada de uma rara beleza literária e não só – é a elevação do princípio formulado por Jesus ao mais alto grau do humanismo e que deveria estar presente em todas as religiões, para que elas pudessem cumprir o desígnio que lhes cabe e nem sempre acontece. Mas dito em Mirandês parece soar ainda mais íntimo, afectuoso, mais humano.

 

9 Sicut dilexit me Pater, et ego dilexi vos; manete in dilectione mea.
10 Si praecepta mea servaveritis, manebitis in dilectione mea, sicut ego Patris mei praecepta servavi et maneo in eius dilectione.
12 Hoc est praeceptum meum, ut diligatis invicem, sicut dilexi vos;
15 Iam non dico vos servos, quia servus nescit quid facit dominus eius; vos autem dixi amicos, quia omnia, quae audivi a Patre meo, nota feci vobis.
17 Haec mando vobis, ut diligatis invicem.

 

            9 Tal i cumo l miu Pai me amou, tamien you bos amei a bós; deixai-bos star ne l mil amor. 10 Se guardardes ls mius mandamientos, quedareis ne l mil amor; tal i cumo you guardo ls mandamientos de mil pai i me mantengo ne l amor del. 12 L mil mandamiento ye este, que bos ámades uns als outros, tal i cumo you bos amei. 15 Yá nun bos chamo criados, porque l criado nun sabe l que faç l amo del; mas tengo-bos chamado amigos, porque bos tengo dado a saber todo l que oubi de miu Pai. (…) L que bos mando ye que bos ámades uns als outros”.

                Não se diz que o Mirandês é a língua dos afectos ou, como refere Leite de Vasconcelos, “a língua do lar, do campo e do amor”? (p. 12). Pois bem. É esta a sensação que nos fica ao lermos ou ouvirmos ler (para os que não a sabemos falar como deve ser) este basilar mandamento de Cristo e do Cristianismo.

            Suponho que estas duas citações serão suficientes para compreendemos o alcance deste trabalho de tradução dos Quatro Evangelhos – o livro sagrado por excelência do Cristianismo.

 

Para uma tradução isenta, em relação ao autor, e compreensível para os leitores ou ouvintes, para além das citadas exigências (conhecimentos das línguas e das temáticas em questão), é imprescindível conhecer em profundidade o povo que fala a língua e adoptar as expressões mais adequadas a cada contexto em concreto; apenas dois ou três exemplos:

            “Yá nun bos chamo criados” (João 15, 15). Criados e não servos. O primeiro vocábulo é o mais aceitável em Mirandês e não servos, como aparece na tradução portuguesa. No povo mirandês não se praticava a escravatura para a qual nos remete o termo servo; isso era coisa dos nobres. Este será, portanto, um exemplo de como não basta conhecer a língua e a matéria em causa (a que se traduz), mas também o povo a que se destina, que o Amadeu conhece como ninguém. Por isso, aplica exactamente a terminologia mais compreensível e adequada.

            “Habeis de chorar i quedareis penerosos…” (João, 16, 20), frase traduzida em Português: “Chorareis e lamentar-vos-eis”. “Quedar penerosos”, cheios de pena, provavelmente terá, no povo mirandês, mais intensidade do que o verbo lamentar, usado na tradução portuguesa.

            Outro exemplo: “Tubírun-me senreira sien rezon” (João, 15, 25) – “Odiaram-me sem motivo”. O Amadeu sabe porque usou a palavra senreira em vez de ódio; o mesmo poderemos dizer de rezon, em vez de motivo. Talvez porque aquelas (senreira e rezon) têm mais força, acentuam mais o sentimento e a ideia que se pretendem expressar e, portanto, são as que mais se coadunam a este contexto.

            Outro ainda: “Darei porrada ne l pastor i las canhonas de l ganado ban-se a scapar cada una para sou lhado” (Mateus, 26, 31) – “Ferirei o pastor e as ovelhas do rebanho dispersar-se-ão”. Qual destas duas formas terá mais força, qual será mais incisiva na ideia que se pretende transmitir?

 

            E por falar em língua de afectos, é gratificante constatar o uso frequente de diminutivos no Mirandês, como forma de expressar a afectividade. Se o Português é muito rico neste recurso linguístico, o Mirandês ainda é muito mais rico. Atendamos a esta citação do Evangelho de João, 16, 16-20:

            16 “Mais un pouquito i nun me bereis; i inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber, porque you bou pa l Pai.”

            17 Ende, alguns de ls sous deciplos dezírun uns pa ls outros: “Que quiren dezir estas palabras” “Un pouquito i nun me bereis”; i “inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber”; i tamien “porque me bou pa l Pai?” 18 Dezien assi: “L que quier dezir “un pouquito”? Nun sabemos l que stá a decir.”

            19 Jasus dou-se de cuonta que le querien preguntar algo i dixo-le: Preguntais-bos uns als outros subre l que you dixe: Un pouquito i nun me bereis i inda mais outro pouquito i tornareis-me a ber? 20 Lhembrai-bos bien de l que bos digo: Habeis de chorar i quedareis penerosos (…)”

            Toda esta ambiência está carregada de afectividade: Jesus que anuncia que vai para junto de seu Pai, a quem ama, os discípulos que ficaram apreensivos por se darem conta que iriam ficar sem ele, esta forma de não compreenderem ou não quererem compreender, por ser tão doloroso… É a nossa saudade.

             

            A terminar, a questão das traduções anteriores dos Evangelhos, um tema que Amadeu desenvolveu muito bem na sua intervenção em Lisboa, no acto de apresentação desta mesma obra (Blog Studos Mirandeses). Por isso me dispenso de aprofundar a questão e limitar-me-ei a umas breves referências, só mesmo para concluir.

            José Leite de Vasconcelos na obra Estudos de Filologia Mirandesa, refere a tradução feita por Bernardo Fernandes Monteiro, em finais do século XIX, de alguns capítulos do Evangelho de São Lucas e a Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios. Estes textos foram publicados na Revista de Educação e Ensino. Mais tarde, o mesmo Bernardo Monteiro acabou por traduzir os Quatro Evangelhos, que se encontram manuscritos. Desta tradução foram publicados, em 1897, apenas alguns trechos, pela mão de Trindade Coelho (outro amante da língua mirandesa), ao tempo considerada um dialecto, no jornal O Repórter.

            António Maria Mourinho, sacerdote, historiador e mirandês, já nos anos 80 do século passado, traduziu para Mirandês e publicou no Mensageiro de Bragança alguns trechos dos Evangelhos, com objectivos litúrgicos, segundo o próprio Amadeu Ferreira. Ficamos sem saber se chegou a utilizá-los em alguma cerimónia litúrgica. Se o foi, talvez alguém se lembre disso. Seria interessante investigar no terreno, isto é, nas paróquias por onde ele passou.

            Não sei qual teria sido a fonte que serviu de base a estas traduções, se foi o Latim (a Vulgata) ou o Português. O que sabemos é que a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa não tinha sido assinada, o que só veio a acontecer em 1999, um facto decisivo para a sua afirmação e reconhecimento como língua – a nossa segunda língua oficial. Um facto que outras línguas minoritárias invejam por não o terem conseguido, apesar dos esforços que os povos seus falantes têm desenvolvido. Agora, esta obra que hoje aqui nos é apresentada por Amadeu Ferreira tem a garantia de um estudioso competente de ambas as línguas, da fonte fidedigna na qual se fundamentou, da matéria em questão e do conhecimento profundo dos seus principais destinatários – o povo mirandês, ao qual ele pertence.

            Já depois da Convenção, Amadeu Ferreira começa traduzir e publicar trechos dos Evangelhos no Mensageiro de Bragança. Desta feita, sabemos que este trabalho foi realizado com base no texto latino da Vulgata e, obviamente, observando as normas da Convenção, em cuja feitura ele próprio participou.

            Prosseguiu o trabalho iniciado em 2002, para agora o terminar e no-lo apresentar. Pelo meio, como sabemos, escreveu e traduziu as obras de que temos conhecimento. Desde as primeiras traduções, foi preciso esperar mais de um século até que pudéssemos dispor desta obra em Mirandês – o livro sagrado da doutrina cristã.

            É minha convicção de que, assim como a tradução de Os Lusíadas deu um impulso decisivo para a afirmação do Mirandês como língua oficial em Portugal, também a tradução dos Quatro Evangelhos dará o mesmo contributo perante a Igreja e os fiéis católicos mirandeses e portugueses em geral.

            Termino formulando dois votos.

            O primeiro é um repto ao Amadeu – a tradução de todo o Novo Testamento. Digamos que o mais difícil está feito. Agora faltam “apenas” os Actos dos Apóstolos, as cartas às muitas comunidades de cristãos de Paulo, João e Judas (que não o Escariotes, mas o santo) e o Apocalipse de João, esse belíssimo e esotérico livro final.

            O segundo voto. Sendo o Mirandês língua oficial e sendo o Evangelho a Palavra de Deus, pois que passe esta palavra a ser proclamada nesta língua nos actos litúrgicos. O momento parece-me o mais oportuno: um bispo jovem e aberto à modernidade, natural da diocese e, portanto, sensível às idiossincrasias culturais do rebanho que apascenta. Necessitaremos de sacerdotes sabedores desta língua? Por certo. Os que são oriundos das Terras de Miranda, mais ou menos jovens, hão-de dominá-la porque de crianças a aprenderam, mesmo que a não tenham estudado, como agora acontece. Aos restantes, nada mais que pedir-lhes este esforço apostólico.

            Ao Amadeu Ferreira, as minhas homenagens, em meu nome pessoal e, se me é permitido, em nome também da Academia de Letras de Trás-os-Montes.

            Bem hajam.

 

António A. Pinelo Tiza

Bragança, 27 de Novembro de 2011

puosto por fracisco n. às 02:11
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

Intervenção do professor Aires Nacimento

 

 

 

Interveção do Professor Aires Nascimento no lançamento de Ls Quatro Eibangeilhos, (em formato .pdf) pode ser lida aqui.

 

 

 

 

 


puosto por fracisco n. às 23:31
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 13 de Novembro de 2011

Anterbençon ne l salimiento de LS QUATRO EIBANGEILHOS (Lisboua)

 

1. Anque hounesto, este ye un sfergante special pa la lhéngua mirandesa, pa la bibliografie de la Bíblia i pa la cultura pertuesa. Fui cumo ato de cultura, hai que lo dezir, que fiç esta traduçon de Ls Quatro Eibangeilhos i la fui podando i apurando al lhargo de bários anhos. Anque se puoda çcutir quales son ls aliçaces de la nuossa cultura, la que chamamos oucidental, cuido que nien aqueilhes que nun son crentes, cumo ye l miu caso, poneran an dúbeda l’amportança de Ls Quatro Eibangeilhos a esse nible. Bien sabemos de la lharga cumbibença, por muitos modos, cun estes testos seia de ls mirandeses seia la mie an special que, por un cachico mais de onze anhos stube ne ls seminários de Benhais i de Bergança, antre 1961 i 1972 [Deixai-me fazer eiqui un paréntese: las bidas que un die bibimos, i cuido que podemos tener mais bidas do que ls gatos,  nun hai que fazer de cuonta que las squecemos i assi querer-las scunder, hai que las aporfelhar puis ye esse l solo modo de las mirar de caras.] Antoce, era neçairo Ls Quatro Eibangeilhos que pudíran ser lidos an mirandés, cada pessona ou anstitutiçon le dando l uso que antenda mais al modo. Ye agora ampossible que alguien querga negar que la lhéngua mirandesa ye ua lhéngua de quemunicaçon para todos ls temas i oucasiones i, para aqueilhes que nel acradíten, tamien ua lhéngua de falar cun Dius.

 

 

2. Ye sabido que l mirandés, assi cumo las lhénguas de la familha stur-lhionesa, ten la sue ourige ne l lhatin, habendo-se formado zde ls remanses que se fúrun acamando al lhargo de seclos na zona acupada puls pobos stures, nun purmeiro tiempo agarrando l bielho reino de Lhion, se ende nun cuntarmos la zona galhega. Ls Quatro Eibangeilhos habien de haber sido traduzidos zde l oureginal griego, mas l miu saber de griego nun dá para tan lhargo tranco. Por esso se me pareciu natural agarrar cumo punto de salida l testo lhatino de la VULGATA, dado cumo sendo de San Jerónimo que, por pedido de l papa Dámaso I, haberá feito la traduçon ou al menos parte deilha, antre la fin de l seclo IV i ls ampeços de l seclo V. Esta traduçon lhatina fui oufecializada pul Cuncílio de Trento (1546), la chamada Uulgata Clementina. L Papa Paulo VI, apuis de l Cuncílio Baticano II, mandou reber esse testo, quedando la nuoba bersion acabada an 1979, que zdende quedou coincida cumo Noua Uulgata. Fui nesse testo que assentou esta mie traduçon, feita antre 2002 i 2004, bárias bezes rebista até al die an que passou a l’ampresson.

 

Las anfluenças que se le podien apegar zde l pertués quedában assi arredadas, indo l mirandés a buer na sue mais clarica fuonte. La prossemidade antre algun bocabulairo mirandés i l lhatin ye tan grande que nun ye percisa qualquiera traduçon, mas ye subretodo al nible sintático que ls peligros de anfluença siempre fúrun mais grandes. Por estas rezones, esta traduçon puode ser tamien amportante na eibeluçon de l mirandés screbido, puis custitui mais ua stada, bien pequeinha que seia, ne l refuorço dua lhéngua que, cumo ye sabido, nun tubo ouportunidade de passar pul sou Houmanismo i l sou Renacimiento.

 

 

3. Splicada la ouportunidade de traduçon de Ls Quatro Eibangeilhos para mirandés i las bantaiges lhigadas a la traduçon feita zde l lhatin, cuido ser ouportuno deixar eiqui un teçtemunho público subre la bibliografie mirandesa de la Bíblia, yá que nun ye coincida de l público i até nien de ls própios mirandeses. Nessa bibliografie hai que retener trés nomes: Bernardo Fernandes Monteiro na fin de l seclo XIX, António Maria Mourinho na fin de l seclo XX i you própio, Amadeu Ferreira, ne ls ampeços de seclo XXI. Tamien se soubo la ambora de que Domingos Ferreira, a bibir an Zenízio, habie traduzido la Bíblia para mirandés, habendo apersentado seis belumes screbidos a mano ne l Museu de Miranda an 2009, mas la berdade ye que essa traduçon nun ye coincida para eiqui se poder falar deilha, sendo cierto que l sou outor la apersentou cumo habendo sido feita zde l pertués. Bamos, antoce, a ber, de modo algo menudo, ls cuntributos pa la traduçon de la Bíblia, que coincemos, eiqui se fazendo un punto de la situaçon.

 

 

 

[O trabalho de tradução de Bernardo Fernandes Monteiro]

 

4. As primeiras traduções conhecidas de textos da Bíblia para mirandês foram feitas por Bernardo Fernandes Monteiro. O manuscrito com a tradução, que se conserva no Museu de Arqueologia, em Lisboa,  é datado do Porto e nele se inscreve o ano de 1896. A obra é oferecida «Ao meu muito prezado primo Manuel Ferreira Deusdado em penhor de profunda sympathia e affectuosa estima». Trata-se de um texto que apenas descobri em 2009, quando já tinha integralmente traduzido Ls Quatro Eibangeilhos. Da leitura que da obra pude fazer penso que seria importante o seu estudo, embora em muitos aspectos Bernardo Fernandes Monteiro se tenha dixado influenciar mais que o razoável pela edição portuguesa da obra. Apesar disso é o mais importante monumento literário escrito do mirandés do século XIX, sendo impensável o estudo da língua sem a esse documento recorrer. Espero que o esquecimento a que tem sido votado acabe muito brevemente.

 

É Trindade Coelho quem nos informa (Reporter, n.º 1509, de 01/01/1897): “a tradução mirandeza é feita rigorosamente sobre o texto portuguez do Padre António Pereira de Figueiredo, que traduziu segundo a Vulgata.” Diga-se que essa era a única edição integral da Bíblia em português na altura disponível, tendo a sua 1.ª edição sido feita em 1842, a que se seguiram várias reimpressões. Em geral, considera-se que era uma edição rigorosa. Faço notar que na altura não estava acessível entre nós a excelente tradução de João Ferreira de Almeida, feita a partir dos textos originais.

 

O destino do volume manuscrito de Bernardo Fernandes Monteiro é algo atribulado. Tendo sido oferecido a Manuel Ferreira Deusdado, passa para as mãos deste e sucessivamente para as de Trindade Coelho, de novo para Manuel Ferreira Deusdado e por fim para José Leite de Vasconcelos que o deixou no seu espólio, embora até há muito se desconhecesse o seu paradeiro. Quero aqui deixar público testemunho das jornadas de pesquisa que no Museu de Arqueologia comigo fizeram o José Pedro e a Mariana Gomes, que tudo fotografaram com grande rigor e profissionalismo, bem como o apoio prestado pelo pessoal da biblioteca desse Museu, em especial a sua directora da altura, dr.ª Lívia.

 

Tendo-a terminado em 1896, podemos perguntar quando começou Bernardo Fernandes Monteiro a sua tradução. Não sabemos e talvez nunca venhamos a saber ao certo. No entanto, alguns elementos conhecidos nos podem aproximar de uma resposta. Com efeito Manuel Ferreira Deusdado começou a publicar textos da Bíblia em mirandês, traduzidos por Bernardo Fernandes Monteiro, em 1894. Tal significa que a tradução terá começado antes dessa data. São dois os locais onde essas publicações foram feitas: a Revista de Educação e Ensino e o jornal diário lisboeta, Reporter

 

 

[A publicação das traduções de Bernardo Fernandes Monteiro na Revista de Educação e Ensino]

 

5. A Revista de Educação e Ensino [Vol. IX (1894), pp. 152-165, 252-265 i 500-507], dirigida por Manuel Ferreira Deusdado, publicou os dez primeiros capítulos do Evagelho de São Lucas, tudo indicando que Bernardo Fernandes Monteiro por aí tenha começado a sua tradução de Os Quatro Evangelhos.

 

Como nota relevante diga-se que o texto é precedido de uma introdução do grande filólogo Aniceto R. Gonçalves Vianna sobre o modo como deveria escrever-se o mirandês. Assim se fixa a primeira grafia do mirandês, funcionando esse texto como uma espécie de primeira convenção ortográfica da língua mirandesa.

 

Na mesma Revista de Educação e Ensino [Vol. IX (1894), pp. 182-184, portanto intercalada entre vários capítulos do Evangelho de Lucas] se publica também o capítulo VII da 1ª Carta de San Paulo als Coríntios. E apenas a tradução desse capítulo chegou até nós [essa epístola tem XIII capítulos], embora comece com o conhecido intróito «Paulo chamado apóstelo de Jasus Cristo por buntade de Dius a Sóstenes nuosso armano».

 

Destes textos retira José Leite de Vasconcelos vários exemplos para ilustrar a sua gramática mirandesa.

 

 

 

[A publicação das traduções de Bernardo Fernandes Monteiro no jornal Reporter]

 

6. No dia 29 de dezembro de 1896, Manuel Ferreira Deusdado escreve a Trindade Coelho, na altura redactor do jornal diário Reporter sob o pseudónimo de Ch-A.Hysson, a seguinte carta por este publicada no jornal Reporter n.º 1509, de 01/01/1897:

 

“Meu caro Ch-A.Hysson:

Visto te occupares das nossas cousas trasmontanas, acho bom que te não esqueças das tradições mirandezas, e principalmente da lingua. O meu primo Bernardo Fernandes Monteiro, por suggestão minha, começou a publicar em 1894 na ‘Revista de Educação e Ensino’, em versão mirandeza, a primeira epístola de S. Paulo aos Corinthios, e o Evangelho de S. Lucas. Ahi tens agora a tradução completa dos quatro Evangelhos, manuscriptos, em bello volume (...)

O distincto philologo e meu amigo, o sr. Gonçalves Vianna, desempenhou-se dessa tarefa, na minha Revista, em 1894. Ha em mirandez já muitos textos publicados, seguindo essa orthographia dos Evangelhos (...)

T.C. 29-XII-96. Ex toto corde: Ferreira Deusdado.”

 

Trindade Coelho passa a publicar, semanalmente, entre os dias 1 de janeiro e 7 de fevreiro de 1897, os trechos correspondentes ao Evangelho da missa de cada domingo. Inicia a publicação logo no dia de ‘Ano Bom’ de 1897, o 1º de Janeiro, com a seguinte introdução:

‘Desejo começar o novo anno, trazendo aos meus leitores, á litteratura e á religião do meu paiz uma novidade encantadora: e é que d’ora ávante lhes darei os evangelhos dos domingos e dias sanctificados, não em portuguez como até aqui, - mas n’esse querido e interessantissimo idioma mirandez, que se falla a dois passos da minha terra, em todo o concelho de Miranda do Douro, limitrophe do meu (...)

Ora é no idioma que elles falam, que eu passo, d’aqui por deante, a dar-lhes os Evangelhos. E de certo que é uma curiosidade inedita para a biographia da Biblia, saber que eu tenho em meu poder, admiravelmente copiados, em livro encadernado que tem 368 paginas grandes, e a duas columnas por pagina, os quatro Evangelhos: S. Matheus, S. Marcos, S. Lucas e S. João.

Auctor deste admiravel e carinhoso trabalho o sr. Bernardo Fernandes Monteiro, 1º aspirante da Alfandega do Porto, e mirandez. E por ser mirandez e muito intelligente, a sua traducção mereceu os gabos do notavel philologo sr. Gonçalves Vianna, e será, já agora, na historia da Biblia, um trabalho não só memorado, mas memorando ...

Veio ás minhas mãos o precioso manuscrito mediante a boa amizade de Ferreira Deusdado, que por ser transmontano, e dos melhores, e dos de lei, veio trazer ao meu carinho pela nossa terra o effusivo carinho que elle lhe dedica.

Bem haja elle; e como quer que seja muito interessante a carta que me escreveu, vou copiál-a para aqui, para que a história fique mais completa, e bem documentado, para a minha gratidão, o favor que me fez.”

 

Por este texto se vê como o ilustre escritor mogadourense percebeu bem a importância da tradução que tinha em mãos. Infelizmente, a tradução de Bernardo Fernandes Monteiro apenas foi redescoberta mais de 100 anos depois, sendo impossível avaliar o impacto que teria tido na língua mirandesa caso tivesse sido publicada em fins do século XIX, como ele desejava e lhe chegou a ser prometido.

 

 

 

[As traduções de António Maria Mourinho]

 

 7. Depois de BernardoFernandes Monteiro foi necessário esperar noventa anos para voltar a ver publicados alguns trechos de Os Evagelhos em mirandês. Tal feito deve-se a António Maria Mourinho, que também foi padre. Porém, apenas conhecemos a publicação de dois pequenos textos: «Prólogo do Evangelho de São João precedido de um pequeno comentário em português para a 3.ª missa do Natal» (Mensageiro de Bragança, 19.12.1987); «Os Evangelhos da Páscoa em mirandês, com um pequeno preâmbulo em português» (Mensageiro de Bragança, 31.3.1988).

 

Estas são os traduções de António Mourinho que conhecemos, mas admitimos que outros trechos por ele tenham sido publicados, em qualquer caso em muito pequeno número e com objectivos litúrgicos. Também não sabemos qual o texto que serviu de base a António Maria Mourinho para as suas traduções.

 

 

 

[O trabalho de tradução de Amadeu Ferreira]

 

[As traduções publicadas no Mensageiro de Bragança]

 

8. No dia 4 de janeiro de 2002 inicia-se a publicação de trechos de Ls Quatro Eibangeilhos em mirandês, no jornal semanal Mensageiro de Bragança. Apesar de já o fazer na nota de tradução com que abre o livro, quero mais uma vez e publicamente agradecer ao dr. Inocência Pereira, na altura director desse jornal, o ter possibilitado a publicação, apesar de poderosas forças na altura se terem oposto. A publicação do texto do evengelho dominical manteve-se semanalmente durante os anos de 2002 e 2003. Na introdução a essa publicação fiz a ligação com a publicação de trechos da tradução de Bernardo Fernandes Monteiro feita por Trindade Coelho no jornal Reporter, entre janeiro e Fevereiro de 1897. Já nessa altura eu falava de uma «fetura publicaçon antegral de Ls Quatro Eibangeilhos an mirandés». Igualmente se apontava o texto da Vulgata como base para a tradução que estava a ser publicada. Entre as pessoas que na altura me incentivaram a avançar com a tradução devo referir o cónego Francisco Moscoso, de saudosa memória e a quem aqui presto a minha homengam, e, por intermédio dele, o Sr. D. António Rafael, na altura bispo de Bragança e Miranda. Outras foram as pessoas que me tentaram dissuadir, nomeadamente dizendo que uma tradução como esta exigia especiais autorizações, mas o meu trabalho sempre foi voluntário e livre, não carecendo da autorização de quemquer que fosse.

 

 

 

[As traduções publicadas no blogue Cumo quien bai de camino]

 

9. No blogue Cumo quien bai de camino http://lhengua.blogspot.pt publiquei [entre 8 de abril e 24 de julho de 2007] a tradução de O Cântico dos Cânticos, que brevemente sairá em livro pela Editora Zéfiro com o título L Mais Alto Cantar de Salomon, com assinatura de Fracisco Niebro. A primeira versão desta tradução foi feita entre Outubro de 2002 e Fevereiro de 2003, tomando como base o texto de Cantar de Cantares de Salomon do profesor da Universidade de Salamanca Frei Luís de León, datado de 1571, e que levou o seu autor a ser preso pela Inquisição de Valhadolide por cinco anos. Tempos em que traduzir a Bíblia era muito perigoso!

 

No mesmo blogue iniciei, em 4 de outubro de 2007, a publicação da tradução de vários poemas do livro de Os Salmos. De cerca de metade [73] de Os Salmos já por mim traduzidos foram publicados 30 naquele blogue.

 

Já em agosto de 2011, no mesmo blogue se publicam trechos de O Livro de Job.

 

Todas estas publicações se inserem num projecto de tradução dos livros poéticos do Antigo Testamento.

 

 

 

[A edição da Sociedade Bíblica de Ls Quatro Eibageilhos]

 

10. Desde muito cedo o Dr. Timóteo Cavaco me fez chegar a sua vontade de se encontrar comigo, através de um aluno meu da Faculdade de Direito da Universidade Nova e seu amigo. Assim se deu o contacto, não sei precisar a data, mas em 2004. Desde a primeira hora, falámos da tradução de Os Evangelhos para mirandês. Através dele tive acesso a vários textos, entre eles a tradução de João Ferreira de Almeida, o texto da Nova Vulgata e o texto sinóptico em grego e em latim, que muitas dúvidas me ajudou a tirar. Foi também por seu intermédio que conheci o grande especialista da Bíblia professor Carlo Buzetti, da Universidade de Milão, com quem tive a oportunidade de almoçar na Casa do Alentejo onde me ofereceu uma bonita tradução piemontesa do evangelho de Mateus. Dele recebi a sugestão de seguir o texto da Nova Vulgata, o que me permitiu uma revisão do texto, tornado o texto traduzido mais solto e de uma sintaxe menos menos complexa, mas mais rigorosa.

 

Já há vários anos que a Sociedade Bíblica aguardava a entrega do texto para publicação, mas eu próprio fui adiando essa entrega, falhando prazos por mim próprio estabelecidos, preocupado com uma mais cuidada apresentação, uma mais rigorosa tradução, um mirandês mais elaborado e, por isso, mais popular. É dever do tradutor ser o mais possível fiel ao texto a traduzir, sem concessões à facilidade ou aos desvios da literalidade, numa atitude de rigor e de humildade que nos faz correr o risco de nunca acabar.

 

O produto aqui está, ainda com muitas imperfeições, mas que espero ter oportunidade de um dia o poder ainda melhorar. Muito obrigado à Sociedade Bíblica e, em especial, ao Dr. Timóteo Cavaco, pela sua ajuda, a sua paciência, o seu profissionalismo.

 

 

 

[O projecto de tradução de todo o Novo Testamento]

 

11. Existe um compromisso com a Sociedade Bíblica de traduzir todo o Novo Testamento para mirandês. Integrados nesse projecto contamos com muitos trechos de algumas epístolas já publicados no Mensageiro de Bragança. Neste momento está em curso de tradução, o Apocalipse. Neste empreendimento tenho contado com o apoio e incentivo do dr. Timóteo Cavaco. Mas só o tempo dirá se serei capaz, pois esse tempo será necessariamente longo. Todas as traduções, com excepção do já referido L Mais Alto Cantar de Salomon, assentam na versão latina da Noua Uulgata.

 

 

 

[Agradecimentos]

 

12. Ye ua honra tener eiqui a apersentar esta traduçon l senhor porsor doutor Aires Nascimento, nome maior antre ls maiores de ls studos clássicos griegos i lhatinos, mediabalista dua eirudiçon defícele de eiqui çcrebir, a quien la nuossa cultura i l’ounibersidade tanto dében. Agradeço-le de l coraçon l haber aceite l cumbite para apersentar esta traduçon para mirandés, ua lhéngua que nunca fizo parte de ls studos del. Mas bien se justeficaba este cumbite seia pul testo que ye traduzido seia pula lhéngua zde adonde fui traduzido. La sue perséncia eiqui ye ua honra mui grande para mi i pa la lhéngua mirandesa.

 

Mais ua beç eiqui s’apersentórun muitos amigos, mirandeses ou nó, benidos de muitas i bárias outras bidas mies. Cun esta son yá trés las bezes que ne ls redadeiros dous meses quejistes respunder al pedido de estar cumigo, nua jornada de cultura i de fiesta de la lhéngua mirandesa, mas tamien, sei-lo bien, de amisade. Ye esta que, mais que todo, me eimociona i me lhieba a dezir bien háiades. Pormeto nun bos tornar a sacar de buosso assossego al menos até al Natal que ende ben. Pa l anho pula cierta teneremos que amanhar outros modos de mos bermos.

 

La mie família, i ls redadeiros son ls purmeiros, Questina, Jesé Pedro (que stá Slobénia i nun puode star eiqui) i Juan, stubírun siempre cumigo, mais ua beç. Bien háiades, puis sien bós tamien nada desto serie possible.

 

Amadeu Ferreira

Lisboua, 12 de Nobembre de 2012

 

 


puosto por fracisco n. às 01:24
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Terça-feira, 1 de Novembro de 2011

É POSSÍVEL A SOBREVIVÊNCIA DAS MICROLÍNGUAS NA EUROPA? O CASO DO MIRANDÊS

[Testo de la palhestra feita ne l IPB - Instituto Politécnico de Braganla, l die 28 de outubre de 2010, ne l Ancuontro Anternacional de Lhénguas - RECLES]

 

 

1.

Até há relativamente pouco tempo, Portugal era apresentado como o único Estado monolingue da Europa. O mirandês, embora existisse, era uma língua oculta. Apesar das alterações havidas nos últimos tempos, há ainda quem continue a manter a mesma atitude, inclusive nos meios universitários não nacionais, o que mostra bem como é forte a inércia que se agarra às ideias feitas que não sejam contraditadas de modo sério, generalizado e continuado. Tudo isso acontece, apesar de estar adquirido que o multilinguismo é a situação natural das comunidades humanas. Com efeito, em tudo, a regra é a diversidade, sendo o seu contrário algo de artificial, conseguido muitas vezes em longos tempos históricos e por processos quase nunca dignificantes ou pacíficos.

 

 

2.

O mirandês foi reconhecido como língua oficial (regional) de Portugal através de lei aprovada por unanimidade e aclamação pela Assembleia da República em 1998 [a lei n.º 7/99, publicada já em janeiro de 1999]. Faz agora 13 anos. Este reconhecimento foi um espanto para a quase totalidade dos portugueses, que ignoravam a existência de tal língua, e suscitou a curiosidade de algumas comunidades de outros países mais atentas a estas realidades das línguas. Os próprios mirandeses, habituados ao ridículo e à chacota que o falar a sua língua lhes trazia, olharam estranhos para tal reconhecimento e ficaram na expectativa quanto ao que aí vinha de novo, embora naturalmente orgulhosos com tal acto.

 

 

3.

Creio que podemos, resumidamente, caracterizar em 10 pontos a situação da língua mirandesa na altura da aprovação daquela lei:

i. estava a viver uma vida para além do prazo de validade que muitos lhe tinham vaticinado [José Leite de Vasconcelos, António Maria Mourinho e outros];

ii. tinha o prestígio e auto-estima no seu ponto mais baixo, para a maioria dos mirandeses era uma vergonha falá-la, considerada como fala charra ou fala caçurra, fala burreinha face ao falar grave ou falar fidalgo;

iii. tinha-se interrompido o processo de transmissão familiar e comunitário, apenas subsistindo em situações contadas, sem que tivesse sido substituído por outro, seja o ensino, seja a comunidade;

iv. era usada por menos de uma dezena de milhar de falantes [não há rigor quanto aos números], em que os jovens eram em pequeno número, numa situação de verdadeiro enclave linguístico ou mesmo de ilha linguística, sem qualquer elo com as regiões próximas de fala asturiana ou leonesa;

v. era falada numa região economicamente deprimida e em processo de desertificação acelerada, como outras regiões do interior/fronteiriço;

vi. praticamente não era escrita e não tinha literatura, além da literatura popular de tradição oral; é verdade que uma convenção ortográfica estava em discussão, mas foi adoptada já depois da entrada em vigor da lei;

vii. era considerada, mesmo por muitos mirandeses, como uma língua menor, definitivamente marcada pela ruralidade e, portanto, incapaz de dizer a ciência, as técnicas, o mundo moderno, inapta para acompanhar os mirandeses que decidissem mudar o seu tipo de vida e por isso condenada a morrer com a urbanização e o ocaso do mundo rural de sabor medieval;

viii. era praticamente desconhecida do resto do país, que continuava a orgulhar-se de ser o único país monolingue da Europa e se algumas ideias sobre ela havia eram negativas;

ix. em termos académicos, não era unânime a sua aceitação como língua, e os estudos sobre a sua estrutura e a sua história eram muito limitados, mostrando um grande desconhecimento, sem prejuízo de notáveis casos de sinal contrário;

x. estava ausente das principais instituições relevantes para as pessoas, nomeadamente o Estado e a Igreja: quem fosse à Terra de Miranda à sua procura corria o sério risco de vir de lá convencido de que já não existia, como chegou a acontecer com vários investigadores.

Se quisermos usar uma expressão pedida de empréstimo à medicina, podemos dizer que nessa altura o mirandês estava ligado à máquina.

 

 

4.

Em termos europeus, quando se fala da diversidade linguística, em regra tem-se presente a diversidade das línguas estaduais. Porém, além destas, há dezenas e dezenas de outras línguas, um imenso mosaico em que o mirandês é seguramente uma das pedrinhas mais pequeninas. Do ponto de vista geográfico e do número dos seus falantes é uma microlíngua, apesar de em todos os aspectos relevantes ser uma língua como qualquer outra. E tal continua a ser assim mesmo ao nível da Península Ibérica onde encontramos situações similares à do mirandês como o aranês, o aragonês ou a fala, embora haja outras línguas não estaduais que dispõem de recursos muitíssimo superiores como o catalão, o galego, o basco e mesmo o asturiano, apesar do deficit de reconhecimento legal de que esta última sofre, injustamente.

Estamos num processo mundial e europeu de acelerada homogeneização linguística. Se nada mudar, mais de 90% das línguas podem extinguir-se neste século. E línguas como a mirandesa continuam claramente ameaçadas. Por isso, podemos perguntar-nos? Não é a morte algo de natural ao que vive e aos produtos do engenho humano, como as línguas? Então porquê esta preocupação em salvaguardar a diversidade linguística? Que interesse é que isso tem para a humanidade, para uma comunidade como a europeia ou para um país como Portugal ou, até, para a própria comunidade de falantes mirandeses?

 

 

5.

Para responder a essas e outras questões similares fala-vos alguém interessado, a quem os problemas respeitam directamente e que, por isso, fala em simultâneo em nome da razão e em nome do sangue. É aqui, ao sangue, que sempre as coisas vão bater: falamos de preservação da diversidade e não podemos esquecer que a tentativa da sua eliminação a vários níveis foi uma das bases ideológicas da 2.ª guerra mundial. É aí, à negação da diversidade, que também vão bater todos os fundamentalismos, sejam os de hoje, sejam os de outros tempos. Estamos a falar da essência da democracia, da liberdade e da dignidade humana. Vendo as coisas por outro lado, estamos a falar de um caminho para a paz num mundo que continua assolado pelas guerras. Este é um problema dos cidadãos, mas também do Estado e das suas instituições mais representativas, como a Escola, em particular do ensino superior, que aqui nos acolhe.

As línguas, aí incluídas as que chamei microlínguas, como o mirandês, são testemunhos vivos da diversidade histórica e das complexas relações que as comunidades entre si foram estabelecendo. Elas são um testemunho excepcional de convivência da diversidade. São portadoras de características exclusivas, representativas do engenho humano e da sua capacidade de sobrevivência nas condições mais adversas, mesmo contra o que poderia resultar las naturais leis da entropia. A diversidade, também linguística, é essencial ao mundo e ao seu bem estar, pois é algo que está inscrito no nosso ADN cultural como povos e como pessoas. Por isso mesmo, é um essencial problema ecológico, no sentido mais literal que esta palavra comporta: elemento essencial do equilíbrio do nosso mundo, do mundo que vimos construindo desde há milénios ou séculos e que nos define como hoje somos. Faltando, é o nosso mundo que está em causa como lugar habitável. Há que ter muito cuidado para não entender o chamado património imaterial da humanidade como algo apenas do passado, destinado a morrer, esquecendo que os aspectos imateriais são aqueles que movem a humanidade, aqueles por onde a nossa vida respira. Então, tudo o que se diga sobre o tema que aqui me ocupa nunca será exagerado.

 

 

6.

Apesar da importância da diversidade linguística, a verdade é que o mirandês estava a poucos passos da sua morte, como já referi. Daí a pergunta que se colocou: vamos desligar a máquina ou vamos investir no ressurgimento da língua? Vale a pena? Há vontade, saber, meios e forças para tanto?

Muitos pensavam que devia deixar-se o mirandês morrer sossegado e de modo natural, sem novos traumas, se possível guardando gratas recordações do seu passado rural, a que não deveria nem tinha condições para sobreviver. A aprovação da lei seria apenas uma espécie de vingança da história, o canto do cisne ou o salvo-conduto para uma velhice serena mas precária.

Porém, acabou por desencadear-se um movimento de ressurgimento da língua que, embora com um alcance limitado, trouxe aspectos novos e criou realidades novas que, em 1998, eram inimagináveis.

Muitos mirandeses acreditaram que valia a pena e lançaram-se numa aventura com a qual não é fácil encontrar paralelo, pois era necessário recomeçar quase tudo desde o zero, praticamente sem apoios e com meios mínimos.

Foi nessa aventura que também entrei, embora tenha tido um papel insignificante na fase anterior à aprovação da lei. Trata-se de um movimento quase exclusivamente de cidadania, ainda em curso, esperando aguentar até que possam surgir novas forças e novos meios, antes que morra de exaustão.

 

 

7.

O essencial do que aqui importa dizer deve apontar em três sentidos:

i. por um lado é essencial perceber a história, de como até aqui chegamos, pois sem esse diagnóstico nada é possível;

ii. em segundo lugar, falaremos dos esforços que têm sido feito pelo ressurgimento da língua;

iii. por fim, importa identificar os bloqueios ou dificuldades que ainda impedem a sua progressão e a sua saúde.

 

 

8.

Falando em termos genéricos e não apenas tendo presente o caso do mirandês, houve momentos decisivos na menorização e precarização de muitas línguas. Habitualmente costumam apontar-se como momentos importantes:

i. a criação do estado, momento a partir do qual as línguas não estatais entram num processo de erosão, de precarização ou mesmo de extinção, para tal bastando, se mais não houvesse, o prestígio da língua estatal como elemento eficacíssimo para a subordinação de uma língua, muito mais que a repressão;

ii. o desenvolvimento da escrita nos séculos XII-XIV altura em que umas línguas acedem à escrita e outras não, ficando sem essa importante tradição de escrita;

iii. o surgimento da imprensa nos séculos XV-XVI deixou de fora muitas línguas, pois essa nova técnica veio introduzir critérios comerciais.

Também este aspecto se verificaram na menorização do mirandês, como veremos adiante, mas vários outros factores foram essenciais.

 

 

9.

A história das línguas minoritárias não se percebe se não tivermos em conta a consolidação do estado moderno. Sobretudo a partir do século XVI, o estado absolutista, depois das luzes, guiado pela razão de estado, necessita de uma língua nacional, de unidade na sua por vezes imensa variedade, faz-lhe falta uma literatura nacional que se exprima numa determinada língua, a língua da corte, dos seus grandes escritores e pensadores, a língua das suas epopeias. É o triunfo da Razão também no domínio da língua.

Em paralelo com a língua estadual apenas podem ser colocadas as línguas clássicas, o latim e o grego, delas se apoderando através de um verdadeiro mito fundador que leva a que delas seja excluído tudo o que tenha proveniência diversa. É então e só então que se começa a colocar o problema de falar bem, de escrever bem, da língua canónica que é a língua literária e culta, devendo tudo o mais ser combatido por todas as formas.

A parafernália de expressões linguísticas, de modos de dizer rudes, de palavras estranhas que já ninguém na corte usa ou entende, de expressões culturais ainda algo bárbaras, etc., tudo isso deve ceder o passo à harmonia da unidade, à elevação da língua culta. Numa palavra, as línguas diferentes da estadual começam a ser aberta questionadas e o primeiro e óbvio passo é a sua menorização, ainda que nem sempre de modo sistemático.

Sobretudo a partir do século XIX, começam a soprar os ventos do chamado liberalismo. Este explode nas revoluções americana e francesa, com as suas proclamações dos direitos do cidadão, de liberdade, igualdade fraternidade, e com essas revoluções descobrimos que a diversidade de opiniões políticas deve ter expressão ao nível do próprio estado, agora inimigo do estado absolutista.

Essa orientação ganha especial corpo com o chamado romantismo, que preconiza o regresso às origens, ao passado, sobretudo medieval, a muito daquilo que o estado absolutista tinha deitado fora com a sua ânsia de racionalidade, que via na Idade Média a idade da trevas e do obscurantismo. Tradições, literatura popular, línguas minoritárias conhecem por esta altura um primeiro reconhecimento, superficial é certo, mas efectivo e importante.

Também o mirandês acaba por ser redescoberto com esse movimento, em 1882, com José Leite de Vasconcelos.

Com o liberalismo, começa a colocar-se o problema do individualismo, da liberdade, mas essa não é uma orientação que siga sem sobressaltos. A ele lhe sucedem de modo intermitente novos e mais eficazes absolutismos, novas e mais refinadas razões de estado, que negam a diversidade, a democracia, agora sob o signo dos socialismos, em particular dos comunistas, que promovem o mais radical igualitarismo.

Estas correntes têm a sua expressão mais acaba nos fascismos e no nazismo nacional-socialista, defensor de que só o bem nascido [eugenia] tem direito a sobreviver, encarando a diferença como uma doença, merecedora de erradicação implacável e sistemática. Por um caminho semelhante vão os diversos comunismos de estado.

Todo este período é acompanhado por um desenvolvimento significativo do ensino, das comunicações em geral e da imprensa em particular. Esse ensino apenas pode ser ministrado na língua do estado central, a língua das instituições, a língua dos livros e dos professores, a única que tem uma literatura com significado.

 

 

10.

O actual projecto europeu nasceu (anos 50 do século XX) dos escombros destas orientações e práticas que levaram à guerra e à destruição em massa e aos poucos foi afirmando a necessidade da sua negação e da sua ultrapassagem, para que nunca mais se repetissem.

Esta nova Europa assume-se como diversa e como democrática, tolerante e diversa, assente em estratégias de cooperação e não de domínio de uns povos sobre os outros.

Em rigor, quando falamos de línguas minoritárias, estamos a falar de um problema de liberdade, um problema que julgávamos definitivamente resolvido, mas que periodicamente nos rebenta nas mãos, colocando sempre novos problemas a resolver, provocando grandes estragos e tudo pondo em causa, obrigando-nos a retomar um caminho que deve ser constantemente aprofundado e não pode ser travado por nada nem por ninguém.

Muitos têm aproveitado a questão da língua para promover a autonomia política, o que considero um erro. As duas questões devem ser separadas e seguir caminhos próprios, pois não têm que coincidir. Esse caminho complicou e muito a vida às línguas não estaduais, erradamente associadas a programas autonomistas ou independentistas. E com isto não quero questionar o bem fundado desses desejos de autonomia, apenas afirmar que essa questão não se confunde com a da língua.

 

 

11.

Vejamos agora o que se passou com o mirandês. Este é uma variedade de leonês ou asturleonês, língua que, como muitas outras, surge na sequência do desmoronar do império romano e de uma profunda inter-relação entre a língua latina e as línguas faladas na região ‘grosso modo’ ocupada pelos ástures e depois alargada com o reino de Leão.

O leonês começou por ser língua real e de cultura, precedendo o nascimento de Portugal, escrita em muitos documentos medievais até ao século XIV. Portugal foi, pois, desde sempre, um país bilingue. Quase todo o distrito de Bragança era região de fala asturleonesa, língua cujas pegadas se mantêm ainda em todo esse território, pelo menos ao nível do vocabulário e da toponímia, em especial da toponímia menor. Como língua, acantonou-se progressivamente junto à região de fronteira, da Lombada ao Planalto Mirandês.

Lentamente, mas de modo seguro, assistimos à institucionalização das línguas faladas na corte, o português, o castelhano, o catalão e o aragonês. Porém, apenas cerca do século XV/XVI se coloca verdadeiramente o problema linguístico, através de um movimento que é contemporâneo do movimento cultural conhecido como Renascimento e Humanismo, mas também da afirmação do estado moderno, que em Portugal tem um significativo momento de viragem com D. João II.

Do ponto de vista linguístico este movimento traduz-se em duas orientações fundamentais, cujas concretizações importa revisitar, pois tal exercício não é comum entre nós:

 

a) um movimento de afirmação da língua, que assume as seguintes traduções práticas:

i. o estudo da língua, com o surgimento dos primeiros gramáticos;

ii. o enaltecimento da língua, apresentada como superior a todas as outras, no nosso caso sobretudo a castelhana;

iii. o incentivo a escrever em português, de que são expressão mais conhecida os versos de António Ferreira;

iv. o movimento para rezar em lingoagem, desencadeado pelas constituições episcopais, na sequência do Concílio de Trento e do seu Catecismo, que por todos deve aprendido, para reforçar a fé e prevenir as heresias: a língua nacional não é apenas a língua do rei, é também a língua de Deus e este segundo aspecto não deixa de ser tão ou mais eficaz que o primeiro. [Deixe-se aqui uma nota de como o Concílio de Trento transformou as línguas num problema ideológico, de grandes consequências: o latim foi definido como a língua de Deus mais genuína, a ponto de a versão oficial da Bíblia não ser a das suas línguas originais, mas a versão atribuída a São Jerónimo, a Vulgata];

 

b) um movimento de menorização de todas as línguas ou dialectos falados internamente, inibindo as pessoas de as falar, através da sua ligação a posições de atraso, de má vida, de incultura, assim gerando sentimentos de vergonha e de repúdio:

i. os mais elevados momentos desse movimento de menorização das línguas regionais e dos dialectos atingiu uma elevada expressão com o teatro do século XVI, que sempre foi muito popular, onde eram ridicularizados

- os falantes de dialectos regionais, de que é o protótipo o beirão, entre outros;

- os falantes de línguas minoritárias, integralmente encarnados nos pastores sayagueses, falantes de leonês [tudo devido à influência de Juan del Encina, natural de Fermoselle, junto à fronteira com Miranda, mas depois professor em Salamanca e homem da corte espanhola, precursor do teatro ibérico moderno]

ii. essa atitude foi adoptada, sem excepção, pelas classes letradas, sobretudo os funcionários reais e, mais tarde, pelos professores e outros funcionários, gerando um sentimento de humilhação e de vergonha, que foi estando na origem de um sistema de diglossia, isto é, de definição de papéis para cada uma das línguas [familiar e comunitário por um lado e institucional por outro];

iii. essa situação mantém-se nos nossos dias, em que a língua portuguesa caminha para a sua integral padronização, continuando a ser frequentes as atitudes de ridicularização das expressões dialectais [o falar à moda do Porto, à moda do Alentejo, ou das ilhas, por ex.], a  ponto de, por vezes, se sugerir que quem assim fala é menos inteligente pois, em rigor, não aprendeu a falar bem.

 

 

12.

Deixem-me dar-vos o exemplo daquilo que se passou comigo próprio. Eu tenho o privilégio de ter nascido com essa língua, numa altura em que ela era desprezada e considerada própria de gente atrasada, inculta e menos inteligente, razão porque fui obrigado a assumir o português ao entrar na escola.

Por isso, tenho agora duas línguas maternas, por elas dividindo a minha maneira de dizer o mundo, completando-se uma à outra, sem se deixarem confundir. Hoje auferem, dentro de mim próprio, de um verdadeiro estatuto de igualdade, o que nem sempre aconteceu:

i. numa primeira fase, o mirandês prevaleceu em termos absolutos;

ii. foi perdendo esse estatuto a favor do português a partir dos meus 11 anos, quando tive de sair da minha terra para ir estudar, primeiro em Vinhais e depois em Bragança, nessa caminhada conquistando o português como língua própria ao fim de uma longa e difícil luta, que durou até por volta dos meus 18 anos [note-se que o meu português é um português padrão e não o típico de Miranda ou da região do Nordeste];

iii. o estatuto de igualdade das duas línguas, dentro de mim, só volta a surgir já nos anos 90 do século XX, nomeadamente depois da aprovação da lei n.º 7/99, de 21 de janeiro.

 

 

13.

Em setembro de 1999 escrevi um manifesto intitulado Çtino para ua Lhéngua Marimunda. Manifesto an forma de hino. Esse manifesto foi lido a muita gente e por muita gente, distribuído em folhas e na internet. Aí se reflectia sobre a história da língua e se apelava aos mirandeses, perguntando a certa altura:

 

Que çtino queremos pa l mirandés?

Hai un tiempo para todo. Agora ye l tiempo pa respunder a la pregunta. Pa respunder cula  cabeça.(...) Ye mui defíçele respunder: la lhéngua está tan mala q’inda nun se çcubriu remédio que la salbe.

 

Depois, avançavam-se algumas propostas simples. Deixai-me que vos leia trechos dessa parte.

Ne ls últimos trinta anhos, la Tierra de Miranda anchiu-se de doutores, de jornales, de rádios, de telbisones. Mas nun hai doutores an mirandés, jornales que lo scríban, rádios que lo fálen, telbisones adonde se beia. L mirandés ye probe i nun tenerá denheiro pa telbisones, se calha nien para rádios. Mas puode tener doutores. I puode tener un jornalico, bien pequeinho que seia, que báia por esse mundo adonde haba un mirandés cula lhéngua amarfanhada andrento por muitos anhos i cun gana de la botar acá para fuora. Nun será assi que la Tierra de Miranda puode amostrar que ye grande? Qual ye l mirandés que nun darie dues crouas para ajudas a un jornalico que biba ũa beç por més, ó cada trés meses que seia?

Ne ls últimos trinta anhos, muita cousa que falában mirandés fúrun zaparcendo, muortas ó scundidas adonde naide las beia: arados, reilhas, charruas, carros de mulas i de bacas, albardas, melenas, jugos, setas de la palha, biendas i biendos, trilhos, fouces, ciguonhas, calagouças, asnales, cestos sterqueiros, cilhas, cargas i arrochos, cabeçadas, maços, colmeiros, fraugas, fornos, eiras i tanta, tanta cousa. Mas la bida nun parou, demudando-se l mundo a cada die. Bamos a deixar que la lhéngua se muorra agarrada a essas cousas que se morrírun, an beç de la fazer bibir agarrada a las pessonas que la fálan, demudando i quedando cun eilhas, indo cun eilhas pa to ls lhados?

Ne ls últimos trinta anhos, la lhéngua fui sendo scamugida de las casas: las cuntas yá nun chúben puls chupones, yá nun come a la mesa, yá nun drume na cama. Na rue, quando adrega a passar, yá hai quien la mire de lhado. A cuntinar assi, sin eira nien beira, há-de-se morrer cul friu, nũa nuite d’eimbirno, ambaixo algun cabanhal adonde, por smola, la deixórun drumir. Nun haberá na Tierra de Miranda ũa casa pa la lhéngua, que seia solo sue i adonde entre quien la querga falar, quien la querga daprender ó, al menos, botá-le ũa mano? Ũa casa que, sin ser scuola, sirba para ansinar quien quejir daprender? I adonde se guárden lhibros que fálen deilha i por eilha? Nun será assi que la Tierra de Miranda amostra que ye grande?

Bou-me a quedar porqui. Mas inda bos quiero fazer un zafio, a bós mirandeses que, cumo you, daprendistes a falar l mirandés anquanto mamábades, i tamien a bós que nun lo cheguestes a daprender bien, mas inda stais an tiempo puis solo por eilhas lhembrais buossos abós, i a todos bós que, séiadaes mirandeses ó nó, solo agora lo çcubris i tamien lo quereis meter andrento. Mirai par’andrento de bós, bien ne l fondo, i respundei, un por un, uolhos ne ls uolhos: quereis ser ls anterradores de la lhéngua q’ardestes? Quereis deixar que se muorra l’única cousa que ye solo buossa i, cumo nanhue outra, bos çtingue? Se quereis, anton ye tiempo de cumprar l caixon i purparar l antierro. Se nun quereis, anton spabilai-bos porque l tiempo ye scasso par’inda fazer algo.

 

Hoje algumas destas propostas estão concretizadas e superadas. Vejamos.

 

 

14.

Havia que escrever, mas para tal era necessário ensinar a escrever e de um modo uniforme, de acordo com a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, preservando a unidade o que não foi nada fácil de conseguir.

Havia que alargar o ensino a todos os graus, o que se conseguiu ao fim de poucos anos, mas um ensino muito deficiente, não obrigatório, com poucos tempos lectivos, sem programas oficiais e sem uma carreira para os seus professores.

Havia que tornar o mirandês escrito presente de modo regular e aí surgiu a Fuolha Mirandesa no Jornal Nordeste.

Havia que dar a conhecer o mirandês aos portugueses, ganhar a sua simpatia e daí a necessidade de uma actividade de difusão, quer através da escrita em mirandês em grandes jornais nacionais como o Público, quer através da tradução de obras populares, de fácil acesso e grande impacto, como foi o caso de Asterix e de Os Quatro Evangelhos.

Havia necessidade de criar uma literatura moderna e de qualidade em mirandês, quer através de obras originais, e nesse domínio muito se tem avançado com a publicação de obras nos mais diversos géneros literários, quer através da tradução dos grandes clássicos, nomeadamente portugueses como foi o caso de Os Lusíadas de Camões e a Mensagem de Fernando Pessoa, os Poemas de Catulo ou as Odes de Horácio.

Havia a necessidade de ocupar os novos espaços da internet e hoje são inúmeros os blogues e sites em mirandês, foi criada a Wikipédia em mirandês, além de se manter uma presença activa no Facebook.

Foi necessário desenvolver a investigação fundamental em mirandês aos mais diversos níveis, quer através do apoio à elaboração de teses universitárias, e várias foram as realizadas ou em curso e em distintas universidades sobretudo estrangeiras, quer da elaboração de materiais fundamentais como vocabulários, dicionários, gramáticas, cursos on line. Nesse sentido muito importante está a ser o projecto que está a ser desenvolvido em conjunto com a Microsof para efeitos de síntese da fala e elaboração de materiais fundamentais.

Poderia continuar a enumerar outros trabalhos que se têm desenvolvido, mesmo no domínio cultural em geral e da música em mirandês de modo especial. Mas creio que os exemplos dados bastam para ilustrar o trabalho imenso que foi feito ao longo da última dúzia de anos com tão pouca gente e com tão poucos meios.

 

 

15.

Perguntemos, então: com todo o esforço que foi e está a ser feito pode considerar-se assegurada a sobrevivência do mirandês? A resposta é inequívoca: não. Porquê? A razão desta resposta, em minha opinião, também não oferece dúvidas: nos nossos dias não há língua minoritária que subsista sem uma adequada institucionalização, isto é, sem que seja assumida pelas principais instituições que com os seus falantes de alguma forma se relacionam. Esta não é uma condição suficiente, mas é uma condição necessária. Foi com a sua expulsão ou não entrada nas várias instituições relevantes da nossa sociedade instituições que o mirandês entrou em perda progressiva. Agora há que seguir o caminho inverso.

De que instituições estamos a falar? Aqui destacarei as mais relevantes para o que aqui importa:

i. as instituições políticas, antes de mais: o estado central, as câmaras municipais, as juntas de freguesia;

ii. as instituições de ensino, seja a nível universitário, seja a nível secundário e básico, mas começando pela atitude do Ministério da Educação, sem o qual nada se faz em Portugal nesse domínio;

iii. os meios de comunicação social, com especial destaque para a rádio e a televisão, através do chamado serviço público;

iv. a igreja, enquanto entidade que tem, tradicionalmente e continua a ter, uma influência decisiva nas populações.

Neste domínio, assistimos a algumas iniciativas esporádicas e inconsequentes, que não tem qualquer efeito ao nível da preservação e desenvolvimento da língua. Porquê esta atitude? Penso que as razões são várias e vão desde a ignorância, à inércia. Mas, na base da atitude das instituições está uma atitude de desprezo e de falta de respeito pelas pessoas, bem como manifestações diversas do que acima chamamos razões de estado e que se desenvolveram com o alicerçar do estado moderno. Ao contrário do caso de outras línguas, essa atitude não pode derivar do receio que a língua pode suscitar dado o peso que poderia adquirir.

Com efeito, que peso, social, político, económico tem uma língua que é falada, ainda hoje, por gente em geral pouco letrada, sem qualquer peso económico e  em número tão reduzido que nem sequer chega aos dez mil falantes?

A principal vitória institucional do mirandês até hoje foi a sua consagração legal, mas não devemos esquecer que essa é uma consagração pouco clara e débil em muitos aspectos, que se arrisca a não passar do papel. Porém, apesar das suas limitações, a lei nem sequer tem vindo a ser cumprida pelas instituições que a tal estavam obrigadas por força dessa mesma lei.

A razão da atitude das instituições também não pode ser financeira, não pode ser porque é algo que fique muito caro. Com efeito, a maioria do que há a fazer é uma questão de atitude, nem dinheiro exige. Nos casos em que se exige dinheiro ele é em tão pequena quantidade que parece ridículo se comparado com outros tipos de gastos completamente inúteis a que assistimos. Basta visitar Miranda e, logo à entrada, observar as obras do Fresno, onde se gastaram milhões, que destruíram o ecossistema do rio e hoje a ninguém aproveitam. Diga-se que uma atitude positiva sempre poderia programar os gastos, mas essa questão nem sequer se chega a colocar. Não, o problema não é de dinheiro. Por isso, não tenho dúvidas, o julgamento da história será mais rigoroso.

 

 

16.

A atitude das várias instituições, que acabamos de referir, condiciona decisivamente a atitude das pessoas, a atitude dos falantes efectivos ou potenciais do mirandês. É sabido que a sobrevivência de uma língua nunca será possível sem uma atitude positiva, empenhada dos falantes nesse sentido. O síndroma da língua charra, da língua caçurra ainda não desapareceu completamente, o que bem se compreende pois se trata de um complexo colectivo que tem séculos de existência.

As pessoas olham para aquelas instituições e os seus dirigentes e não recebem qualquer incentivo prático, uma atitude constante e consistente de apoio à língua. Dou-vos um exemplo recente: a Câmara de Miranda do Douro fez uma exposição de fotografias e publicou um catálogo com essas fotos e histórias de pessoas de idade que, na maior parte dos casos praticamente só falam mirandês, mas é tudo publicado em mirandês; a minha mãe consta desse catálogo e disse-me que apenas falou em mirandês quando foram ter com ela.

Passamos nas ruas (de Miranda ou das aldeias) e nas estradas e a toponímia em mirandês ainda não é a regra; entramos nos erviços públicos e a sinalética em mirandês é inexistente. Isto é, o mirandês não está de modo natural e tão frequente quanto necessário nos espaços públicos.

O mirandês é factor de preferência no emprego, em igualdade de circunstâncias? De forma alguma.

As instituições elaboram os seus documentos em mirandês ou bilingues? Nunca. A Câmara de Miranda poderia ter uma pessoa, uma só que fosse, dedicada a essa tarefa, mas nem isso.

Poderíamos continuar a perguntar e a dar exemplos. Enfim, todo um conjunto de factores que de forma alguma conseguem ser superados por todos os aspectos positivos que acima enumerámos e que estão a ser desenvolvidos. Deste modo as pessoas não têm qualquer incentivo para ensinar os seus filhos e falar com eles mirandês.

 

 

17.

Se assim é, para quê continuar a lutar pelo mirandês, sem descanso, continuando a acreditar que a sua viabilidade é possível, essa atitude que em vez de acreditar no futuro procura conquistá-lo com a sua atitude de agora?

Em primeiro lugar, é um dever de cidadania que se nos impõe. Nós, os trazemos connosco a língua mirandesa, não podemos esperar que sejam outros a fazer o que a nós compete. Já no início desta conferência falei da importância das línguas, incluindo das microlínguas como o mirandês.

Em segundo lugar porque o mirandês é um elemento importante no bem estar, na felicidade daqueles que o falam. E isso é muito importante para a sociedade.

Devemos procurar manter e desenvolver a língua até que melhores condições se criem, nomeadamente a nível institucional. É como aguentar vivo alguém que tem uma doença incurável, mas que luta pela vida na esperança que se descubra uma cura para a sua doença.

O legado que a língua e a cultura mirandesas podem deixar ao nosso país e à humanidade será completamente diferente se mantivermos a nossa luta pela língua ou se a abandonarmos.

Mas já hoje, o contributo que podemos dar para a convivência na diversidade, para a aceitação e a valorização do que é diverso, é um contributo essencial, ainda que diminuto, para a sanidade da nossa sociedade, para a dignidade humana em que assenta o respeito e a paz.

Os critérios meramente utilitaristas são muito perigosos e a nossa sociedade acabará por ser vítima deles se não fizermos tudo para os contrariar. Passar o tempo a perguntar, para que serve? pode levar-nos a um ponto em que essa pergunta nos seja colocada a nós próprios ou a uma sociedade inteira e não sejamos capazes de aguentar a resposta. Num livro sobre a velhice, ainda inédito, sob a forma de diário de um velho, escrito nos anos cinquenta do século passado, escrevo a certa altura:

 

Pa que sirbe un sacho?

Pa que sirbe un arado?

Pa que sírben ls çapatos?

Pa que sirbe un bielho?

Siempre la mesma pregunta: pa que sirbe!?

L que nun sirbe para nada, bota-se pa la rue. Solo stroba. Nun hai campo para todo.

L mal ye que l que sirbe ó nun sirbe, depende de quien dá la repuosta: uns arríncan l jóio, mas outros ségan-lo para se lo dar a las béstias.

Passo ls dies sentado ne l puial de piedra de la rue: quien passa mira para mi. Sirbo para esso. A las bezes pongo l chapéu an riba de ls uolhos i miro por baixo. Quien passa pensa que stou a drumir. Assi, las pessonas míran i pénsan. Tamien sirbo para esso. Quando se ban todos pa l termo i ls garotos quédan porqui, sirbo pa le cuntar cuontas i, a las bezes, mandá-los star quietos quando son mi zanquietos.

Quando ua pessona passa la bida a preguntar, “para que sirbe?”, puode quedar cun un porblema mui grande: chega a bielho i nun aguanta ls delores de la repuosta.

 

 

18.

É tempo de concluir. Vale para as línguas, mesmo as mais débeis, mesmo as microlínguas como o mirandês, o que vale para nós próprios: a vida é uma conquista de cada dia, nada estando garantido, e enquanto estamos vivos vale sempre lutar pela vida.

Este é um trabalho apaixonante de cidadania a que muitos mirandeses como eu continuarão a dar o seu melhor, empenhando o seu engenho, pois esses são os únicos milagres possíveis, mas sem que nada garanta qualquer resultado. Termino com as palavras que, no seu poema MENSAGEM, ainda este mês publicado em mirandês, Fernando Pessoa colocou na boca do rei D. Duarte:

Cumpri contra l Çtino l miu deber.

Einutlemente? Nó, porque l cumpri.

Ou, então, as palavras que coloca na boca do prisioneiro de Fez, D. Fernando:

... benga l que benir, nunca será

Mais grande que mie alma.

 

Bragança, Instituto Politécnico, 28 de Outubro de 2011

Amadeu Ferreira

puosto por fracisco n. às 13:09
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 16 de Outubro de 2011

TEMPO DE FOGO no Jornal de Letras

L Jornal de Letras publicou um artigo de Teresa Martins Marques subre l remanse TEMPO DE FOGO.

Eiqui queda.

 

 

 

 

puosto por fracisco n. às 21:11
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Domingo, 25 de Setembro de 2011

O Mirandês e a Literatura Mirandesa (2011)

 

 

O MIRANDÊS E A LITERATURA MIRANDESA

 

 

POSFÁCIO

 

[a A Terra de Duas Línguas.Antologia de AutoresTransmontanos.Coord. de Ernesto Rodrigues e Amadeu Ferreira, edição Academia de Letras de Trás os Montes, IPB – Instituto Politécnico de Bragança, e a Associação das Universidades de Língua Portuguesa, 2011, pp. 545-549]

 

 

 

1. A língua mirandesa pertence à família de línguas asturo-leonesas e, como elas, é filha do latim. Constitui-se a partir de um dos romances que se desenvolvem a partir dos escombros do império romano e vai ganhando características próprias a partir da sua integração no reino de Portugal, pois já nessa altura se falava como língua principal da corte e do reino de Leão. O contacto com o português e o castelhano influenciaram-na, mas as suas caratcterísticas de língua astur-leonesa mantiveram-se até aos nossos dias, atravessando séculos e sobrevivendo ao permanente ataque que usa como arma o descrédito, a vergonha, a humilhação, um feito que é um autêntico milagre cultural. A sua forte estrutura como língua, a situação de diglossia dos seus falantes, sobretudo a partir do século XV-XVI e, em especial, o facto de se integrar num amplo espaço de falantes com boas relações sociais e económicas, ignorando as fronteiras políticas, eis as principais razões que permitiram a sobrevivência da língua mirandesa. Hoje é uma língua falada na ponta mais Nordeste de Portugal, no distrito de Bragança, junto às Províncias de Zamora e Salamanca, numa área de pouco mais de 500 km2, e contando com uns 7 000 falantes, aí consideradas também algumas comunidades que residem nas maiores cidades de Portugal e no estrangeiro. Desde 1999 é uma língua reconhecida oficialmente pelo Estado Português, através da lei n.º 7/99, de 21 de Janeiro, e é ensinada nas escolas públicas de Miranda do Douro desde a pré-primária até ao 12.º ano, sendo dados cursos por várias instituições, em especial a Associaçon de Lhéngua Mirandesa, na região de Lisboa. Sendo uma língua de tradição oral, apenas se lhe conmhecem escritos desde 1882, depois de ‘descoberta’ e estudada por José Leite de Vasconcelos, escrevendo-se hoje de acordo com a Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa, publicada em 1999. A forte presença da língua leonesa, até à Idade Média, na maior parte do actual distrito de Bragança é responsável por uma grande quantidade de leonesismos no português falado nessa parte de Trás-os-Montes, o que ainda hoje lhe dá um ar de família próxima em relação ao mirandês.

 

2. Sempre existiu uma riquíssima literatura mirandesa de tradição oral, nos mais diversos domínios da expressão popular: poesia, romance, conto, cantiga, oração, etc. Algumas das formas dessa literatura são mesmo específicas da terra de Miranda, como é o caso dos lhaços, poemas que acompanham a dança dos chamados pauliteiros. Uma parte importante desse património está ainda por recolher e, sobretudo, por organizar e estudar. Muita dessa literatura é em português e em castelhano, mas um núcleo significativo é em mirandês. Pareceu-nos importante dar aqui conta dessa literatura, pois em antologias da poesia do país apenas uma composição foi até agora publicada, em Rosa do Mundo. 2001 poemas para o futuro (2001). É uma pequena amostra, mas permitirá fazer uma ideia mais clara dessa literatura oral de tradição popular. São de realçar as recolhas, publicações e estudos feitos sobretudo por José Leite de Vasconcelos, Serrano Baptista, António Maria Mourinho, Domingos Raposo, Mário Correia, António Bárbolo Alves, Amadeu Ferreira, Duarte Martins e Mariana Gomes, entre outros.

 

3. Não consideramos aqui os textos medievais escritos em astur-leonês e datados da terra de Miranda, pois são textos particulares não literários, ainda que apresentem uma linguagem muito próxima da actual. A literatura escrita em língua mirandesa inicia-se em 1884, com a publicação do poemário de José Leite de Vasconcelos, Flores Mirandesas. A este autor se devem também algumas traduções de Luís de Camões. Ainda no século XIX, assistimos à publicação de poemas originais por Francisco Meirinhos, de traduções de Camões e de Antero de Quental por Manuol Sardina / Manuel Sardinha, de Luís de Camões e de Os Quatros Evangelhos por Bernardo Fernandes Monteiro, autor que também publica a tradução de contos e diálogos vários. Deve-se a Francisco Garrido Brandão uma peça de teatro em mirandês, Sturiano i Marcolfa, publicada por José Leite de Vasconcelos, e uma versão de vários lhaços em mirandês, ainda inéditos.

Já no século XX, António Maria Mourinho publica vários poemas em mirandês, depois reunidos no volume Nuossa Alma i Nuossa Tierra (1961), a que se veio juntar mais tarde o poema Scoba Frolida an Agosto (1979) e outros poemas dispersos. A um autor não mirandês, Alfredo Cortês, se deve uma importante peça de teatro em mirandês, As Saias (1938), que chegou a ser representada no Teatro Nacional D. Maria II. Também Manuel Preto escreve poemas em mirandês, reunidos postumamente no volume Bersos Mirandeses (1993). Caracteriza este primeiro período da literatura mirandesa a preocupação de estabelecer um corpus que fixasse um património linguístico ameaçado, como é expressamente referido pelos principais autores, em particular por José Leite de Vasconcelos e António Maria Mourinho. Predominam os tradutores e, em matéria de obras originais, a poesia, em boa parte de de escasso valor literário. Um dado a ter em conta é que esta literatura nunca esteve ao alcance dos mirandeses, pelo que não teve influência efectiva na língua, nos falantes e, em geral, na cultura mirandesa.

Desse período aqui deixamos uma amostra do que nos pareceu mais representativo. Desde logo o poema mais conhecido de José Leite de Vasconcelos, publicado em Flores Mirandesas (1884), mas também as cartas escritas a esse investigador por Manuel Sardinha e por Bernardo Fernandes Monteiro, que estiveram inéditas até agora, bem como excertos de um poema de Francisco Meirinhos. Um segundo grupo de textos é uma amostra de poetas populares cujas produções orais foram por outros reduzidas a escrito. Estão nesse caso Francisco Garrido Brandão, no teatro, António Luís Fernandes e Domingos Augusto Ferreira na poesia, escolhidos entre muitos outros que aqui não é possível referir ou antologiar. Por fim, deixamos ainda poemas dos três autores mais significativos deste período, e que já escreveram na segunda metade do século XX, António Maria Mourinho, Manuel Preto e Moisés Pires, todos padres, este último ainda inédito. Realce-se que neste período apenas contamos com originais de poesia, não sendo do nosso conhecimento qualquer texto de ficção e em prosa.

 

4. Um segundo período da literatura mirandesa apenas se inicia no início do século XXI, em consequência da conjugação de vários factores: o início do estudo do mirandês nas escolas; o interesse da autarquia pela língua mirandesa; o desenvolvimento dos estudos académicos que culminaram na aprovação da Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa; a aprovação da lei n.º 7/99 de21 de Janeiro que oficiliazou o mirandês como língua de âmbito regional. O pontapé de saída para esta nova etapa e que podemos considerar como o início da literatura mirandesa moderna é a publicação de uma colecção de livros em mirandês, dirigida por Amadeu Ferreira, pela que era uma das principais editoras do país na altura, a Campo das Letras. Aí se publicaram, logo em 2000, Cebadeiros, de Fracisco Niebro, e Cuontas de la Tierra de las Faias, de António Bárbolo Alves, e, em 2001, Las Cuontas de Tiu Juquin de Fracisco Niebro. Dos dois primeiros se deixam nesta antologia exemplos de composições que iniciaram a renovação da literatura mirandesa no domínio da poesia e do conto.

De então para cá o número de autores a escrever e a publicar em mirandês multiplicou-se. Primeiro em jornais, em particular o Jornal Nordeste, que, desde 2003, passa a contar com uma folha semanal em mirandês. Também a revista da UNEARTA – União dos Escritores e Artistas de Trás-os-Montes e várias publicações periódicas de Portugal e Espanha passam a publicar regularmente poemas em mirandês. Todo este processo culmina com um extraordinário desenvolvimento da escrita em blogues e sítios da Internet, onde o mirandês tem vindo a lançar raízes e a expandir-se, como pode ver-se pela lista de ligações publicadas no blogue http://frolesmirandesas.blogspot.com

É por esta altura que começam a ser publicadas traduções de grandes obras para mirandês, que tornam esta língua conhecida de todos os portugueses e muito contribuem para aumentar o seu prestígio e afastar o tradicional sentimento de vergonha que foi incutido aos seus falantes ao longo de séculos. Dessas traduções se destacam as feitas por Amadeu Ferreira, ora com nome próprio ora com os pseudónimos Fracisco Niebro e Marcus Miranda, de Ls Quatro Eibangeilhos, Asterix l Goulés, L Galaton (este em co-autoria com José Pedro Ferreira), Ls Lusíadas, Catulo, Horácio Flaco e Virgílio, bem como muitas dezenas de poetas de todo o mundo, neste caso através do blogue http://lhengua.blogspot.com. Por fim, deve realçar-se L Princepico, tradução de Le Petit Prince de Antoine de Saint-Exupéry, feita por Ana Afonso.

A pouco e pouco, a literatura mirandesa tem vindo a alargar-se a todos os géneros literários, embora ainda predominem a poesia e o conto. Porém, já é muito frequente a crónica, a reportagem, o teatro e até começam a despontar a novela e o romance. Hoje há coleções em língua mirandesa em editoras comerciais como a Editora Âncora e a Editora Zéfiro, que a cada ano têm vindo a alargar o número de autores e de obras publicados, e também na editora Apenas Livros. Entre os autores deste período cabe referir, na poesia, Adelaide Monteiro, Alcides Meirinhos, Amadeu Ferreira (e os seus pseudónimos Fracisco Niebro i Fonso Roixo), Célio Pires, Conceição Gonçalves Lopes, Domingos Raposo, Emílio Martins, José António Esteves, José Francisco Fernandes, Marcolino Fernandes e Rosa Martins. Já na prosa sobressaem os nomes de Adelaide Monteiro, Alcides Meirinhos, Alcina Pires, Alfredo Cameirão, Amadeu Ferreira (e os seus pseudónimos Fracisco Niebro i Marcus Miranda), Ana Maria Fernandes, António Bárbolo Alves, António Cangueiro, Bina Cangueiro, Carlos Ferreira, Cristóvão Pires, Duarte Martins, Faustino Antão, José Almendra e Válter Deusdado. A estes autores devem acrescentar-se vários escritores jovens que se têm revelado nos jornais escolares L Cartolica e L Pouliteiro e na revista La Gameta. Muitas outras pessoas têm vindo a escrever mirandês com regularidade, mas já não no domínio literário ou apenas de modo muito esporádico, razão por que não são aqui referidas.

Nem todos os autores podem ser aqui antologiados pois várias razões, até de espaço, nos obrigam a conter-nos dentro de limites estreitos. Tal não significa menos merecimento dos omitidos, pois estamos certos de que dentro de poucos anos já será muito diferente o panorama da literatura mirandesa, atento o ritmo a que ela se renova e se alarga. Na poesia escolhemos poemas de Adelaide Monteiro, Domingos Raposo e Fracisco Niebro. Na prosa deixamos textos de Alcides Meirinhos, Alfredo Cameirão, António Bárbolo Alves, Bina Cangueiro, Carlos Ferreira, Domingos Raposo, Duarte Martins, Faustino Antão e Válter Deusdado, todos eles no domínio do conto, um capítulo do romance de Fracisco Niebro La Bouba de la Tenerie e uma crónica de Amadeu Ferreira.

 

5. A capacidade de gerar literatura em vários níveis e em diversos géneros tem sido seguramente um dos modos de afirmação da língua mirandesa. Apesar de todos os avanços já conseguidos, a literatura mirandesa é sobretudo uma literatura do século XXI, pois nos poucos anos deste século se escreveu mais do que em toda a história da língua. Embora ainda muito presa ao seu próprio passado, de cunho memorialista, e muito agarrada ao tema da própria língua, a literatura mirandesa cada vez mais se aventura pelos caminhos da modernidade, nenhum tema ou forma literária lhe sendo alheios. Os meios electrónicos, em particular os blogues na Internet, são hoje a principal forma de divulgação da literatura mirandesa, pois aí publicam com facilidade dezenas de autores. A modernidade, que alguns anteviam como um problema para uma língua minoritária como o mirandês, acabou por tornar-se numa oportunidade única. É certo que a literatura mirandesa ainda é reduzida e de qualidade ainda muito irregular, mas chegou a um ponto a que há bem pouco tempo ninguém imaginava que pudesse chegar, tendo ainda um longo e importante caminho à sua frente para trilhar.

 

Amadeu Ferreira

puosto por fracisco n. às 19:23
| comentar | ajuntar als faboritos
|
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

"La Bouba de la Tenerie", apersentaçon por Luís Vaz das Neves

 

 

APERSENTAÇON DE LA OBRA

 

 

LA BOUBA DE LA TENERIE

 

 

Fracisco Niebro, nacido nas tierras fries de crestianos nuobos de Sendin, angenhoso i criatibo por sou feitiu i por fuorça de la natureza, achou l pretesto cierto para mos falar de las gientes dessa grande region de l praino stramuntano, nua scrita que trai l fuogo de l tiempo an cada palabra. Tenendo l’Anquesiçon cumo cama, Fracisco Niebro cunta-mos la grande cuonta dun home buolto contra el mesmo i l’Eigreija, cundanado mesmo antes de se dar de cuonta de l pecado feito, atermentado cumo la tierra que l biu nacer i adonde se quedou a sufrir cumo mártele porque, cumo l diç la própia figura, “nunca stan perdonados ls pecados que nun mos perdonemos. Nanhun dius ye capaç de perdonar ls pecados que nós nun somos capazes de squecer i mos acumpánhan cumo la selombra” (pág. 53).

 

Todas las figuras de la Bouba de La Tenerie son atermentadas por un çtino que nun le pertence i a quien le son pedidas cuontas por ua Eigreija de que nun conhece la lhéngua i ls mistérios i adonde solo l’Anquesiçon ten boç i poder. Ye eilha la repunsable por todas las zgrácias que se pássan i solo a eilha le perténcen las bidas de todos ls homes i mulhieres, tanto aqueilhas que por eilhes fúrun bibidas, cumo aqueilhas que fúrun ambentadas ne ls termentos de ls que a las manos deilhes padecírun. Todos estes homes i mulhieres son sagrados i de l demonho, tal i qual cumo las tierras que písan i que ls písan, sien nunca mos deixáren andefrentes.

 

Cula arte de la scrita que tan bien le coincemos, Fracisco Niebro falamos dessa ruda i trabalhadora giente stramuntana para quien “l cielo nun passa de pan pa to l anho (...)”, cuncluindo, al falar daqueilhas tierras, que “ye cumo se Dius eiqui achara l mundo feito quando resolbiu fazer la criaçon i passou alantre, derrotado” (pág. 11). Cun cuontas de bidas que se antrelháçan cula simprecidade de ls que sáben ber l relhuzir de ls diamantes nas piedras que inda nun fúrun lhapidadas, Fracisco Niebro arrolha-mos nas sues cuontas. I, cumo nun cinema, pássan delantre de nós las tierras de Sendin, Miranda, Bilachana, Nuossa Senhora de l Naso, Picuote, Fuonte Aldé, Prado Gaton, Carril Mourisco, Cicuiro, Pruoba, Custantin, Dues Eigreijas, Augas Bibas, Fuonte la Taça, Palancar, Granja, Trabanca, Algoso, Granja de Griegos, Belharino de ls Galhegos, Carçon, Argoselo i muitas outras, que Fracisco Niebro bai apersentando, çcritas cun l carino de que solo un amante ye capaç para çcrebir la sue bien amada.

 

Las mulhieres stramuntanas retratadas por Fracisco Niebro son magistrales, antuitibas, cun un coraçon anfenito. Carrégan la boubice que solo ne l Amor se salba. Capazes de l ampossible i nun sendo antendidas puls homes cun quien se crúzan, son eilhas que, por amor, debinalmente znudas d’anteresses i de miedos, se dan a la bida i a la muorte nua lhenguaige que l eimanginairo masculino çconhece i delantre de l qual ten tanto miedo que arrecula, cumo se lhastima Delubina: “(...) ls homes nunca han de ser capazes de antender las mulhieres, nien se dan al trabalho.” (pág. 80).

 

I ye cun este mesmo sentido que mos aparece la fala de Marie Castra cun Anrique Pereç, sobérbio ne l sou zafiu, quando esta le diç:

 

 

- “Zde l purmeiro die que eiqui apareciste, drumi to las nuites cuntigo i solo cuntigo perdi l birgo.

- “Cumo puode ser esso se nunca te topei? Nun bás tu tamien a acusá-me de algo que nun fiç ...”

- “Puode haber cousas mais fuortes do que l topar de ls cuorpos.” (pág. 66)

 

Ye tamien Delubina que zafia l antendimiento de Fraile Antonho de la Santíssema Trindade quando le fala de l sou amor por el, -“(...) quando drumo cun ua pessona ye siempre an ti que penso, ye cuntigo que drumo... naide me tira que seia la mie cabeça a decidir cun quien eilha drume, yá que ne l restro de l cuorpo nun sou capaç de mandar” (pág. 76).

 

Mas ye cun Laurinda, de las tierras de Sendin, La Bouba de La Tenerie, nieta de tiu Jesé Pereç, que l nuosso coraçon queda derramado de todo. La mais guapa rapaza de la tierra, bouba de delor por bias de la muorte de l home a las manos dun guarda de l’Anquesiçon, uito dies apuis l casamiento. Cumo quedar andefrente a esse bózio dua mauga tan cruda i tan fonda, siempre renacida por toda ua bida, cúrtia ne ls anhos i anfenita ne l zaspero, quando la bemos “boziar, cantar, rebolber ls uolhos, passando duas pa las outras sien paraige” (pág. 137), cumo bruxerie sien malzina?

 

La Bouba de La Tenerie ye l’ancarnaçon suprema de todo l Amor que anda por to las outras figuras. Ye neilha que Fraile Antonho de la Santíssema Trindade antende que nun hai pecado mais grande do que deixar ua pessona sufrir ls termientos daqueilha anfeliç, sien que haia un amanhecer para çcansar i squecer.

 

I nisto, sien que se sperara, aparece cumo ua grácia debina, un camino para sanar l delor, cun la magie de las palabras, magistralmente çcrito por Fracisco Niebro. Solo l sonido de las palabras, dezidas an qualquiera lhéngua, cun i/ou sien tino, pula boca de Fraile Antonho, son capazes de atamar La Bouba de La Tenerie. Ye esta drumideira de l delor pula palabra que lhieba Fraile Antonho a acraditar na cura pula fala i a screbir notas para un feturo tratado de las artes de la fala, quando se purparaba para ser relaixado an carne (queimado bibo) pula Anquesiçon. Por curjidade, hai que dezir que este ansinamiento nun fui çcubierto por Fraile Antonho, mas si pul bielho Jesé Pereç, na sue fonda tristeza i sabida eignorança de home simpres. I, por eironie de l çtino, ye esse mesmo tratado que, indo acontra las ourientaçones de la moderna psicanáleze i demustrando la sue eificácia an sanar, le sirbe de apoio a Fracisco Niebro para mos cuntar estas cuontas, quaije quatro seclos apuis.

 

Mas, inda cun toda la sue senseblidade, Fraile Antonho de la Santíssema Trindade nun ye capaç d’antender estas mulhieres! Nacido an San Martino d’Angueira, tierra an que la fuorça de ls sous rapazes ye retratada por Manuel Preto, "Hai bien moços - i que moços / An San Martino d'Angueira: / Quando fázen ua cousa / Nunca la déixan a meio / Siempre la fázen anteira" (Padre Manuel Preto, Bersos Mirandeses, 1993), Fraile Antonho, a la sue moda, yá nesse tiempo assi era! Trágico heirói dua cuonta an que ye prejoneiro, podemos bé-lo inda an nino a ajudar l abade daqueilha fraguesie ne ls oufícios anquanto a la par se ancolhie, grimado, cun miedo a las cuontas de la “Bruxa de Trás Las Peinhas” (pág. 47). Yá home feito, teólogo formado por Salamanca i l mais grande pregador de Miranda, acaba por passar a bibir ne l silenço i nas lhembráncias, scapando-se del mesmo, pelegrinando por to la tierra stramuntana solo çcansando l cuorpo, “que l’alma nunca habie meia de çcansar” (pág. 10), i “traiendo siempre cun el miedos de hai muitos anhos, causos que nien el sabie cumo se habien dado” i sien ser capaç de antender cumo podie “guardar lhembráncias tan amerosas de feitos que solo puoden ser obra de l diabro” (pág. 90).

 

 

Cierto dua relegiosidade mui sue, Fraile Antonho ten la clareza fraturante de quien acradita nun Dius que nun ye l de l’Eigreija de que fala ne ls sous anflamados sermones, quando era l mais afamado pregador de la Tierra de Miranda, arrincando lhágrimas i sanlhuços als aldeanos, que “salien de l sermon cun ua grima tan grande cumo se houbíran bido un miedo, ls uolhos burmeilhos de tanto chorar” (pág. 91). Acradita, alhá cun el, que “Se Dius fizo l mundo, l cielo i l einfierno somos nós que los fazemos. Tanto l nuosso cumo l de ls outros, i estes l nuosso” (pág. 12), cumo que anunciando l eisistencialismo de Sartre i bendo yá l própio fin del.

Mas ye tamien desta tierra de San Martino d’Angueira que ben l alrobés de l çctino de Fraile Antonho que, quaije nun sfergante, deixa de ser l grande pregador para passar a ser l pelegrino farrapilho i scamugido.

 

Ye pulas manos daqueilhes que mais stimou, que ben l castigo del: Delubina i Luís de Medina.

 

Delubina debide-le la bida, que passa a ser cuntada “cun Delubina i sien Delubina, esto sien cuntar las nuobas bidas que fura a achar an Salamanca, puis ua pessona puode tener mais bidas do que un gato” (pág. 46), amentando çclaradamente an Luís de Medina. Ye tamien cun Delubina que son acertadas las cuontas de la bida atrasada de Fraile Antonho, cumprindo-se la bingança de Antonho Gunçalbeç Tolés, nieto de la bruxa queimada an Toledo i que, por isso, “lhebaba l’ampureza de sangre agarrada a la piel, cumo un çtino.” (pág. 18).

 

Mas esta pelegrinaçon ye tamien puosta anriba de Antonho Gunçalbeç Tolés, de Anrique Pereç ou de l cunhado del Manuol Maguel i de muitos outros, mas estes scapando de ls que andában atrás deilhes. Cumo scapando síguen todas las figuras, uas de las outras i deilhas mesmas, porque até l pensar alto mos puode benir a las palabras i, cun eilhas, cumprie-se l Tiempo de Fuogo, cumo bien sabie l tiu Jesé Pereç que “De relegion nada antendie, mas al fin de muitos anhos quaije l cumbencírun de que era mesmo aqueilho de que lo acusában. Acusában-lo an nome dun outro mundo, mas el bie-se mal era para subrebibir neste. Nunca chegou a anatender” (pág. 87).

 

Al fin, diga-se que nesta obra Fracisco Niebro nun perde l’oucasion para mais ua beç le dar l galardon a la lhéngua mirandesa, aqueilha que ye la sue i tamien la mie, lhéngua de ls afetos i de la nineç, aqueilha an que purmeiro daprendimos ls sonidos de las palabras de nuossos pais i que inda hoije sónan cumo las mais guapas músicas. Ye cun l superior de l cumbento de Salamanca, fraile Agustin, que sentimos esse hino a la lhéngua nas falas que dá cun fraile Antonho i ne ls ansinamientos que le trasmite: “Cunsante adonde stubires, assi falarás la  fala desse sítio. Se nun la soubires, nun fagas caçuada de quien la fala, solo porque tu nun la sabes, que essa ye la mais grande sobérbia que puode haber” (...) Sabes que Dius sabe todo, ye ouniciente. Sabe las lhénguas todas i todas las lhénguas para el son armanas. (...) Ls einemigos de las lhénguas, seia de que modo lo fúren, ban dreiticos pa l einfierno sien dreito a passar pul purcatório. Esse ye daqueilhes pecados mortales que naide, nien Dius, puode perdonar.” (págs. 99/100).

 

Mas La Bouba de La Tenerie ye tamien l Tiempo de Fuogo, l Tiempo de cada un de nós, stramuntanos de sprito caliente i apaixonado, que traiemos na carne la fuorça de la Tierra i ne l mirar l Fuogo i la fuorça de ls grandes rializadores de suonhos i que, tal i qual cumo Fracisco Niebro, afírman la sue perséncia i respónden cun poesie eirreberente al sou chamamiento, tal i qual cumo you, cun un bózio suolto i claro tamien l fago, nesta mie alma de mirandés:

 

“Persente!”

 

Bien háiades todos bós!

 

Lisboua, 17 de setembre de 2011

Luís Vaz das Neves

 

 

 

 

puosto por fracisco n. às 23:57
| comentar | ajuntar als faboritos
|

.mais subre mi

.buscar neste blogue

 

.Setembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.testos nuobos

. Apersentaçon de L PASTOR ...

. TOQUES DE SINOS NA TERRA ...

. Anterbençon ne l salimien...

. Ls Quatro Eibangeilhos - ...

. Intervenção do professor ...

. Anterbençon ne l salimien...

. É POSSÍVEL A SOBREVIVÊNCI...

. TEMPO DE FOGO no Jornal d...

. O Mirandês e a Literatura...

. "La Bouba de la Tenerie",...

.arca

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds